Estudo sugere que ser vegetariano previne doenças cardiovasculares

Risco cardíaco diminui 28% em pessoas que não comem carne ou peixes

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 31/01/2013

Pesquisadores da Universidade de Oxford, do Reino Unido, descobriram que as pessoas que seguem o vegetariasmo correm menos risco de hospitalização e morte por doenças cardiovasculares do que as pessoas que consomem carne de qualquer tipo. Os resultados foram publicados dia 30 de janeiro na revista American Journal of Clinical Nutrition.

O estudo analisou 45 mil voluntários com idades entre 50 e 70 anos na Inglaterra e na Escócia, incluídos em um estudo sobre câncer e nutrição feito anteriormente. Neste grupo, 34% eram vegetarianos, um número anormalmente alto para estudos deste tipo, o que permitiu aos cientistas fazer estimativas mais precisas sobre o risco cardiovascular em ambos os grupos. Os participantes, recrutados ao longo da década de 1990, responderam a questionários detalhados sobre sua saúde e seu estilo de vida.

Durante o período de acompanhamento, que durou quase 12 anos, os autores do estudo identificaram 1.235 casos de doenças cardiovasculares nos registros hospitalares, incluindo 169 óbitos. Analisando os dados, os pesquisadores descobriram que vegetarianos tinham um risco 28% menor de sofrer de doenças cardiovasculares e 32% menos chances de ser hospitalizado e morrer por conta do problema. Fatores como idade, tabagismo, consumo de álcool, prática de atividade física, nível educacional e desenvolvimento socioeconômico foram levados em conta.

Os resultados também mostraram que os vegetarianos geralmente têm pressão arterial mais baixa e registram níveis de colesterol menores do que os não vegetarianos, além de apresentar índices de massa corporal (IMC) menores e menos casos de diabetes. Segundo os estudiosos, o risco de doenças cardiovasculares é menor principalmente por conta desses índices mais baixos.

Conheça os quatro tipos mais comuns de vegetarianismo
Ao procurar por uma alimentação mais saudável, muitas pessoas recorrem ao vegetarianismo. Mas, antes de excluir algumas opções de sua dieta, é importante saber quais cuidados devem ser tomados e quais tipos de vegetarianismos existem. "Há várias dietas nesse grupo, que têm suas especificidades e precisam de acompanhamentos especiais", explica a nutricionista Astrid Pfeiffer, autora do livro "A Cozinha Vegetariana", da Editora Alaúde. O vegetarianismo, assim como qualquer outro tipo de dieta, necessita do acompanhamento de um profissional para que seja realmente saudável. Veja os tipos mais comuns de vegetarianismo e os nutrientes que podem faltar nessa alimentação:

Dieta semivegetariana

Quem sempre incluiu carnes na dieta pode ter dificuldades para cortar totalmente esse alimento do cardápio. Por isso, muitas pessoas escolhem uma dieta menos restritiva, chamada dieta semivegetariana. "Os indivíduos que seguem essa alimentação limitam a ingestão de carne a, no máximo, três refeições da semana", diz a nutricionista. Com a continuidade no consumo de alimentos de origem animal, mesmo que seja em uma quantidade menor, a maioria das pessoas não precisam de suplementação de vitaminas, proteínas ou minerais. Mas a especialista adverte que, em alguns casos, a suplementação já pode ser aconselhada. "Não podemos pensar de maneira generalizada. Mesmo em uma dieta pouco estritiva como a semivegetariana, alguns indivíduos podem sofrer com a ausência de nutrientes. Por isso, antes de começar uma dieta, é essencial procurar um nutricionista", explica.