Doenças cardíacas estão ligadas a alimentos de origem animal

O nutriente colina gera compostos que aumentam o risco desses problemas

POR REDAÇÃO - ATUALIZADO EM 24/10/2016

A colina é um nutriente muito aclamado por ajudar no desenvolvimento da cognição. Porém, um estudo aponta que o composto, presente principalmente em alimentos de origem animal, como carnes, leite e ovos, pode estar associado a um maior risco de doenças cardíacas. Isso ocorre porque quando ela é metabolizada, acaba produzindo uma substância chamada N-óxido de trimetilamina (TMAO).

Um artigo publicado no New England Journal of Medicine no final de abril mostrou que as altas quantidades desse composto no sangue estão relacionadas com um risco maior de doenças do coração. Para chegar à conclusão, pesquisadores observaram por 3 anos cerca de 4 mil pacientes comparando a quantidade da substância no plasma sanguíneo, e verificaram uma maior incidência de doenças cardíacas em quem tinha essa taxa em alta.

O problema é que ela é sintetizada através do metabolismo da colina. Portanto, configura-se risco quanto o consumo desse nutriente é alto, o que significa que ele não precisa ser completamente cortado do cardápio. A solução, de acordo com os cientistas, é ou seguir uma dieta vegetariana ou aumentar o consumo de fibras para então reduzir a quantidade de colina ingerida na dieta.

Carne vermelha e o risco cardíaco
Um outro estudo recente, realizado por pesquisadores da Cleveland Clinic, nos Estados Unidos, e publicado na Nature Medicine no dia 8 de abril também encontrou uma relação entre um componente da carne vermelha, a carnitina, e o endurecimento e entupimento das artérias, processo conhecido como aterosclerose, e que é fator de risco para doenças do coração. O dano acontece depois que as bactérias do sistema digestivo convertem o composto na substância TMAO. Os responsáveis pelo estudo também detectaram que uma dieta rica em carnitina muda a composição microbiana do intestino, tornando consumidores de carne ainda mais suscetíveis à formação de TMAO e seus efeitos relacionados à aterosclerose.

Aumente as fibras já!
Para não ter que evitar a carne, leite e ovos completamente, aprenda como aumentar as fibras da sua dieta. Além de reduzir o consumo de colina, você ganha um melhor funcionamento do intestino e reduz o valor calórico da dieta. Veja como começar desde cedo a mudar esses hábitos:

Leite no café da manhã

Embora o leite seja muito saudável e cheio de cálcio - outro nutriente em falta no prato dos brasileiros -, é muito pobre em fibras. Isso, porém, não quer dizer que ele deva ser exterminado do seu cardápio. Com as combinações certas, é possível deixá-lo mais saudável. Ao acrescentar o cereal ao seu leite matinal, você também está adicionando fibras insolúveis. Os cerais, principalmente os integrais, são os campeões quando o assunto é esse nutriente.