Mesmo após os 40 adotar alimentação saudável reduz risco de doenças cardiovasculares

Chances de problemas como infarto e derrame são 33% menores para quem adota dieta equilibrada

POR ESPECIALISTAS - PUBLICADO EM 19/03/2015

Homens e mulheres com 40 anos ou mais que passam a ter uma alimentação mais saudável diminuem o risco de um ataque cardíaco ou de um acidente vascular cerebral em até um terço. Essa é a descoberta de um novo estudo do King?s College London publicado no American Journal of Clinical Nutrition no dia 18/03.

A pesquisa contou com a participação de 162 homens e mulheres não-fumantes com idades entre 40 e 70 anos. Os voluntários foram divididos em dois grupos: aqueles que seguiram uma dieta que atendia as atuais diretrizes alimentares do Reino Unido e quem teve uma alimentação típica britânica.

A primeira dieta era rica em frutas, vegetais, óleo de peixe, alimentos integrais, pouca gordura saturada, açúcar e sal adicionado. Foi pedido ao participantes deste grupo para substituir bolos e biscoitos por frutas e oleaginosas e eles também utilizaram óleo ricos em gorduras monoinsaturadas. A outra dieta contava com gorduras saturadas, mais açúcar e sal, menos legumes, vegetais e fibras.

Após 12 semanas, o grupo que seguiu a dieta saudável perdeu em média 1,3 quilos, enquanto os outros voluntários ganharam 0.6 quilos. O perímetro da cintura ficou 1,7 cm menor no grupo da dieta saudável. Este mesmo grupo também apresentou redução da pressão arterial e dos batimentos cardíacos por minuto. Os níveis de colesterol também diminuíram em 8%.

Confira o que não pode faltar em uma dieta cardioprotetora:

Laticínios

"O consumo de laticínios também é fundamental para uma dieta equilibrada", afirma o nutrólogo Roberto. Felizmente, leite, iogurte e queijos são bastante consumidos pelos brasileiros. O problema é que os consumidores costumam investir nas versões tradicionais desses produtos, que são ricas em gorduras.

Assim, o leite integral e o iogurte deveriam ser substituídos pela versão desnatada. Os nutrientes de um e de outro são praticamente os mesmos, mas as taxas de lipídios são bem menores. Já a manteiga, que sempre ficou à frente da margarina por não conter gordura trans, agora deve ser deixada em segundo lugar. A margarina teve sua composição modificada e, agora, quase não apresenta esse nutriente em sua composição. A manteiga, por sua vez, é de origem animal - por isso, rica em gorduras saturadas e vilã no controle do colesterol.