Minha Vida - Saúde, Alimentação e Bem-Estar

Entendendo o colesterol

Apesar da má fama, ele é um tipo de gordura importante para o corpo

POR ARTIGO DE ESPECIALISTA - publicado em 03/07/2007


O colesterol faz parte da membrana das células, está envolvido na síntese de hormônios e da bile. Por isso, é normal ter colesterol. Entretanto, quando a quantidade no sangue está elevada, passa a ser um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares como, por exemplo, angina, ataque cardíaco, derrame, aterosclerose. Ser um fator de risco não significa que quem está com colesterol alto vai ter algum problema nas artérias ou no coração, mas a probabilidade de isso vir a ocorrer aumenta. Assim, é necessário mudar alguns aspectos relacionados ao estilo de vida para que os níveis de colesterol no sangue diminuam.

De onde vem o colesterol do sangue?
O colesterol encontrado no sangue vem de duas fontes.

A primeira fonte é o colesterol produzido no fígado. Cerca de 75% do colesterol encontrado no sangue tem como origem o fígado.



A segunda fonte é o alimento. O colesterol é uma gordura encontrada somente nos alimentos de origem animal. Portanto, alimentos de origem vegetal não apresentam colesterol, mesmo que sejam óleos (de soja, milho, canola, girassol, azeite) ou cremes vegetais. Os outros 25% restante do colesterol sangüíneo são obtidos dos alimentos.

O que é colesterol bom e colesterol ruim?
O colesterol não percorre o nosso sangue sozinho, pois por ser uma gordura, não é solúvel no sangue. Ele sempre está acompanhado das chamadas lipoproteínas, entre as principais, as que chamamos de colesterol ruim e colesterol bom.

- LDL-colesterol: chamada também de colesterol ruim. Ela transporta cerca de 70% do colesterol encontrado no sangue. Devido à suas características, a LDL-colesterol em excesso se deposita na parede dos vasos sanguíneos, formando placas de gorduras. Essas placas impedem a passagem de sangue e modificam as paredes dos vasos, levando ao desenvolvimento das doenças coronarianas. Por isso, o desejado é que essa lipoproteína esteja presente em pequenas quantidades no sangue. O nível de LDL-colesterol sangüíneo tido como ótimo é menor do que 100 mg/dL.

- HDL-colesterol: é o conhecido colesterol bom. A fama vem da sua função de retirar o colesterol ligado à LDL do sangue e levá-lo ao fígado para ser metabolizado. A HDL faz uma faxina, retirando o que é ruim do sangue. Por isso, quanto maior o nível de HDL no sangue, melhor. Nível elevado de colesterol bom é um fator de proteção e, por isso, não está relacionado com o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. É desejado taxa de HDL-colesterol maior ou igual a 60 mg/dL.

Triglicérides: mais uma gordura que merece destaque:
Os triglicérides são um tipo de gordura que estão relacionados com o aumento do colesterol ruim (LDL-colesterol). Por isso, muitas pessoas que estão com a taxa de triglicérides elevada, também possuem taxa de colesterol alta.

O excesso de triglicérides no sangue, normalmente, é acompanhado de sobrepeso ou obesidade, vida sedentária, alta ingestão de bebidas alcoólicas e uma alimentação rica em carboidratos. O excesso de calorias, álcool e açúcar no sangue são convertidos em triglicérides. Por isso, uma dieta controlada em carboidratos, restrita em gorduras ruins, o combate ao excesso de peso e aumento da atividade física devem ser incentivados. A taxa de triglicérides normal no sangue é a quantidade menor do que 150 mg/dL.

O que pode ser feito?
Alguns fatores relacionados com o colesterol elevado são totalmente modificáveis. São eles:
- Alimentação
- Peso corporal: quem está com sobrepeso ou obesidade deve fazer uma alimentação com restrição de calorias para atingir o peso adequado.


- Atividade física: combate do sedentarismo. O aumento da atividade física, além de estar relacionado com a diminuição do colesterol ruim (LDL-colesterol), também ajuda no controle do peso.

Como deve ser a alimentação?
A principal característica da alimentação de quem está com o colesterol elevado é:
- Colesterol: deve estar presente na quantidade menor a 300 mg por dia. Se há a presença de histórico de doença cardiovascular, esse valor desce para 200 mg por dia.
- Gorduras saturadas: deve estar presente na quantidade máxima de 7% do valor calórico da alimentação.
- Gorduras monoinsaturadas e polinsaturadas: deve compor 20% do valor calórico da dieta.
- Fibras: 25 a 30 gramas por dia

Colocando em prática, isso significa:
- Evite alimentos ricos em gordura animal. Eles são as principais fontes de gordura saturada e colesterol. Por isso, evite carnes gordas rica em gorduras visíveis e descarte a pele dos frangos.
- Prefira peixe e carnes magras.
- Restrinja a mortadela, o salame, o presunto, lingüiça, salsicha.
- Dê preferência aos leites desnatados. Um copo (200 mL) de leite integral apresenta 18 mg de colesterol. A mesma quantidade de leite desnatado contém 6 mg.
- Derivados de leite: iogurtes sempre os light, diet ou desnatados. Os queijos com menor quantidade de gordura e colesterol são a ricota e o cottage. Há no mercado queijos frescal light que também podem ser utilizados.
- Evite os queijos ricos em gorduras como o prato, mussarela, parmesão, catupiry, gorgonzola.
- Há alimentos que escondem a gordura saturada e o colesterol: Bolos, sorvetes, tortas e doces, normalmente, contêm manteiga, o mesmo ocorre com o creme vegetal, leite integral, leite condensado, creme de leite e gema de ovo. Portanto, devem ser evitados.
- Evite as frituras. Os óleos vegetais não apresentam colesterol. As frituras apresentam elavada quantidade calórica e quem precisa controlar o peso deve evitá-las.
- Frutas: pelo menos, duas vezes ao dia.
- Legumes e verduras: todos os dias devem ser ingeridas.
- Dê preferência aos cereais integrais (arroz, aveia, trigo, pão). Evite os refinados.

Como tratar?
Mudanças na alimentação, controle do peso e combate ao sedentarismo são suficientes para que o colesterol volte aos níveis normais ou desejados para a maioria das pessoas que apresentam taxas elevadas. Entretanto, algumas pessoas podem ter a necessidade do uso de medicação. Somente o médico de confiança é capaz de avaliar a necessidade do medicamento, qual deve ser utilizado e a dose adequada.

Abaixo, verifique os valores das taxas sangüíneas de colesterol total, LDL-colesterol, HDL-colesterol e triglicérides.

Taxa sangüínea de colesterol total
Desejada: menor de 200 mg/dL
Limite: de 200 a 239 mg/dL
Elevado: 240 mg/dL ou mais

Taxa de LDL-colesterol (colesterol ruim)
Ótimo: menor do que 100 mg/dL
Próximo do ótimo: de 100 a 129 mg/dL
Limite: de 130 a 159 mg/dL
Alto: de 160 a 189 mg/dL
Muito alto: 190 mg/dL ou mais

Taxa de HDL-colesterol
Desejável: 60 mg/dL ou mais

Taxa de triglicérides
Normal: menor de 150 mg/dL
Limite: 150 a 199 mg/dL
Alto: 200 a 499 mg/dL
Muito alto: 500 mg/dL ou mais 








Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

Mais sobre:

Roberta Stella

Escrito por:

Roberta Stella

Nutricionista


Shopping Vida Saudável

PUBLICIDADE

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."