Substituir carne vermelha por outras fontes de proteína diminui risco de derrame

Troca pode garantir queda de até 27% na ocorrência da doença

POR MINHA VIDA PUBLICADO EM 23/01/2012

Uma dieta rica em proteínas pode trazer benefícios à saúde, mas tudo depende do tipo de proteína consumido. Segundo estudo da Harvard School of Public Health, consumir carne vermelha em excesso aumenta o risco de acidente vascular encefálico (conhecido como AVE ou AVC), enquanto consumir aves diminui a probabilidade. Os resultados foram publicados no periódico Stroke

A conclusão veio de mais de 20 anos de estudo, com análise de aproximadamente 1.400 homens e 2.600 mulheres que tiveram derrame. Para verificar a influência de diversos tipos de proteínas alimentares em casos de AVEs, os pesquisadores dividiram os participantes do estudo de acordo com a quantidade ingerida de carne vermelha, aves, peixes, laticínios e outras fontes de proteínas. 

Os pesquisadores observaram as mudanças no risco de AVE de acordo com a substituição de fontes de proteína na alimentação. Trocar uma porção de carne vermelha pela mesma quantidade de ave abaixou o risco da doença em 27%. Já substituir a mesma porção de carne por oleaginosas ou peixe resultou na queda de 17% nas chances de ter um derrame, e a troca de uma porção de carne vermelha por laticínios fez com que o risco caísse de 10 a 11%. 

Homens que comiam mais de duas porções de carne vermelha por dia - quantidade considerada a maior dentro das ingeridas dentro do estudo - tinham risco 28% maior de sofrerem um acidente vascular encefálico, em comparação àqueles que comiam, em média, um terço de porção de carne vermelha por dia - considerada a menor porção dentro do estudo. Os pesquisadores consideraram uma porção de carne vermelha como 100 a 170g de carne. 

Entre as mulheres, aquelas que comeram até duas porções de carne vermelha por dia tiveram um risco 19% maior de sofrer derrames do que aquelas que comem menos de metade de uma porção diariamente. Um aumento de 19% no risco de AVE significa que, em vez de 26 a cada 1.000 pessoas sofrerem da doença, 31 a cada 1.000 provavelmente passarão por isso. 

Coma menos carne vermelha e viva mais

Um estudo recém-publicado pela revista Archives of Internal Medicine demonstra que quem come menos carne vermelha e carnes processadas vive mais. A pesquisa acompanhou por 10 anos mais de meio milhão de pessoas com idades entre 50 e 71 anos. A quinta parte das pessoas que mais ingeria carne vermelha (média de 62.5g / 1000 Kcal por dia) foi a que apresentou maior mortalidade independente da causa, e também maior mortalidade por doenças cardiovasculares e câncer, quando comparada à quinta parte que menos ingeria carne vermelha (média de 9.8g / 1000 Kcal por dia). 

Essa mesma relação de risco foi observada com o consumo de carnes processadas de maior consumo e maior risco de mortalidade. No caso da carne branca, os resultados foram exatamente opostos. A quinta parte das pessoas que mais ingeria carne branca tinha menor risco de mortalidade geral, assim como por doenças cardiovasculares e câncer, quando comparada à quinta parte que menos comia carne branca. 

Os pesquisadores calculam que entre 11 e 16 % das mortes poderia ser evitada se as pessoas comessem menos carne vermelha, e a redução do risco de mortalidade por doenças cardiovasculares poderia chegar a 21%. As carnes vermelhas contêm grande quantidade de gordura saturada que por sua vez está associada ao aumento dos níveis de colesterol, da pressão arterial e do risco de câncer. As carnes vermelhas ainda possuem reconhecidos compostos carcinogênicos, que podem ser ainda mais concentrados nas carnes processadas. 

Para o neurologista Ricardo Teixeira, não é o caso de radicalizar e recomendar que todo mundo adote a dieta vegetariana. Limitar o consumo de carnes vermelhas e processadas a menos de 10% das calorias diárias já é o suficiente. Nesse sentido, dietas com altos teores de carne vermelha como fonte de proteína (ex: dieta do "Dr. Atkins") não garantem bons resultados à saúde quando se pensa a longo prazo. 

Este conteúdo ajudou você?
Sim Não