Não só os quilos a mais indicam necessidade de fazer dieta

Aprenda a reconhecer os sinais que seu corpo dá, pedindo mudanças no cardápio

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 20/02/2008

Apesar de a subida do ponteiro da balança e das roupas apertadas serem os sinalizadores mais comuns da necessidade de reestruturar o cardápio, outros indícios mais discretos (e mais perigosos à saúde) podem entrar em cena sem você se dar conta. (Quer entrar em forma? Faça uma avaliação nutricional gratuita e descubra o seu peso ideal e as dietas indicadas para você)

Colesterol elevado, pressão alta e prisão de ventre são alguns exemplos da lista montada pela responsável pela equipe nutricional do Minha Vida, Roberta Stella, que indicam erros na dieta. A seguir, Roberta detalha como cada alarme soa no seu corpo e o que é precisofazer para equilibrar não só a balança, mas também a saúde.Excesso de peso
É fácil perceber quando os quilinhos a mais aparecem. As roupas ficam desconfortáveis e praticar qualquer exercício físico (nem que seja aquela caminhada do trabalho para casa) faz você ofegar em instantes.

O ganho de peso é resultado de um excesso de calorias na alimentação. Assim, é preciso rever o menu e identificar onde os erros estão sendo cometidos , ressalta a especialista. A partir da identificação dos deslizes, é preciso adequar a qualidade e a quantidade dos alimentos ingeridos para reverter a situação do ponteiro da balança.

Segundo Roberta, o momento ideal para consertar o cardápio é logo que os quilos extras se instalam. Ao esperar um grande aumento de peso para tomar a decisão de reorganizar o cardápio, você só dificulta o processo de emagrecimento , alerta a nutricionista.

Ela afirma que, para corrigir o estrago, vale investir em frutas, sucos naturais, legumes, verduras, leguminosas, cereais integrais e carnes magras. Diminua a quantidade de alimentos altamente calóricos, como os ricos em gorduras, açúcar e farinha refinada. Evite também frituras, molhos à base de maionese, doces, bolos e tortas, sem esquecer de trocar o leite e seus derivados pelas suas versões desnatadas , dá mais dicas sobre alimentação saudável.

IMC acima do recomendado
Calcular o IMC (índice de massa corpórea) é mais uma forma de verificar se algo está errado na sua dieta. Roberta explica que o valor é obtido pela divisão do peso pelo quadrado da altura. Dessa forma, a fórmula se resume em IMC = peso / (altura X altura). Quando os resultados ficam abaixo ou igual a 18,49 significa que seu peso está baixo. Se o valor fica entre 18,5 e 24,99, você está na faixa de peso equilibrado. Já quando o número fica entre 25 e 29,99 ou mais, o peso está elevado.

A nutricionista lembra, no entanto, que o IMC não relaciona a quantidade de gordura corporal e massa magra do corpo. Se você pratica exercícios freqüentemente e visa o ganho de massa magra, o mais recomendado é fazer um teste de análise corporal, como dobras cutâneas ou bioimpedância , aconselha Roberta.

Colesterol elevado
Você só percebe o descontrole quando seu médico pede um exame de sangue para checar as taxas de colesterol sanguíneo. Se a taxa sanguínea de colesterol total for igual ou maior que 240 mg/dL, significa que os níveis da gordura estão elevados e é hora de encarar uma reeducação alimentar.

Taxas de colesterol elevadas estão relacionadas com o desenvolvimento de doenças cardiovasculares , ressalta Roberta Stella sobre o risco de não se equilibrar os níveis de colesterol. Ela lembra que, quando existem familiares próximos com histórico de doenças cardiovasculares, o risco aumenta.

Seguindo os conselhos da nutricionista do Minha Vida, assim que os valores de colesterol forem detectados na faixa limite, que fica entre 200 e 239 mg/dL, é necessário adequar o cardápio. Os alimentos fonte de colesterol são os de origem animal, como carnes ricas em gorduras, creme de leite, leite integral, queijos amarelos e manteiga. Portanto, evite a ingestão deles e dê preferência aos alimentos ricos em fibras, como frutas, legumes, verduras e cereais integrais .

Além de manter as taxas de colesterol em dia, é importante atentar aos valores de triglicérides, outro tipo de gordura encontrada em óleos, manteiga e gorduras hidrogenadas. O excesso de calorias, álcool e açúcar obtido pela alimentação também é estocado nas células de gordura na forma de triglicérides , ressalta Roberta.

A especialista explica que a relação entre a alta taxa de triglicérides e o desenvolvimento de doenças cardiovasculares ainda não é clara. Porém, os números elevados somam mais um fator em um grupo de condições que levam à síndrome metabólica.

A síndrome metabólica é diagnosticada analisando cinco fatores. Alta taxa de triglicérides, baixa taxa do bom colesterol (HDL), circunferência da cintura elevada, pressão arterial elevada e alta taxa de glicose sanguínea. Se houver a presença de, pelo menos, três dessas condições, é feito o diagnóstico de síndrome metabólica . Ela completa a explicação dizendo que a presença da síndrome metabólica aumenta o risco de desenvolvimento de doenças cardíacas, derrame e diabetes.

Pressão alta
A pressão alta pode ser resultado de uma elevada ingestão de sódio. Esse motivo faz com que o sal seja um ingrediente que exige atenção. O controle serve tanto como método preventivo, como para manutenção da boa pressão arterial , afirma Roberta.

Ela lembra que, de acordo com o quadro de pressão alta, pode haver a necessidade de controle medicamentoso, além da redução de sal na dieta. É muito importante fazer o controle médico periodicamente para avaliar sua necessidade individual. Mas com pequenos cuidados na alimentação, a saúde dos vasos sanguíneos é preservada .

Segundo a especialista, atualmente, é comum a alimentação ser recheada de ingredientes muito salgados, com temperos em pó, ricos em sódio, por exemplo. Além disso, alimentos em conserva contêm muito sódio. Congelados, sopas desidratadas, tabletes de caldo e embutidos são mais exemplos de produtos com uma quantidade elevada de sódio , cita a lista dos alimentos que precisam ter consumo controlado. O consumo diário de sódio para adultos é de 1,3 gramas, quantidade equivalente a 3,8 gramas de sal por dia.

Mais conselhos da nutricionista para montar um menu anti-pressão alta é evitar adicionar sal nos alimentos já prontos e dar preferência a pratos naturais, contendo legumes cozidos, verduras e frutas. Quanto mais natural for a alimentação, mais benefícios para a saúde vão vir do prato , garante a nutri.

Prisão de ventre
Intestino preguiçoso é outro indício de que sua alimentação não está equilibrada. Roberta esclarece que um cardápio rico em gorduras, farinha refinada encontrada em pães e macarrão, e açúcares contribui para o mau funcionamento do intestino. Já uma alimentação rica em fibras e com a quantidade certa de água aumenta a motilidade intestinal, regulando o funcionamento do órgão , aponta a solução.

Ainda dando conselhos, a especialista do Minha Vida afirma que o cardápio diário precisa conter, pelo menos, duas frutas. Dê sempre preferência para as frutas in natura e consuma com a casca sempre que possível , recomenda ela. Certifique-se também que legumes, verduras e cereais integrais, como arroz integral, aveia e granola façam parte do seus pratos diários.

Gastrite
Caracterizada por uma inflamação ou irritação na parede do estômago, a alimentação não está diretamente relacionada com a gastrite, a não ser na sua prevenção e em seu tratamento. Isso porque ela acarreta em desconfortos como dores abdominais, vômito, náusea e queimação. Alguns alimentos estimulam a secreção do ácido gástrico e intensificam a irritação , explica Roberta.

Caso você sofra com o problema, a reestruturação do seu cardápio deve ser analisada de forma individual, respeitando o tipo de gastrite apresentada. A variação fica entre a consistência dos alimentos, o volume ingerido e os tipos de nutrientes que farão parte do prato , conta a nutricionista. Entretanto, de maneira geral, é preciso fazer pequenas refeições durante o dia e evitar os alimentos que irritam a parede do estômago , completa.

Na lista de vilões para quem sofre com gastrite, estão bebidas alcoólicas, refrigerantes, café, chás, alimentos condimentados (pimenta, mostarda, catchup, caldos concentrados), alimentos ácidos (tomate, laranja, limão e abacaxi) e alimentos ricos em gordura (Molhos à base de maionese, carnes gordas, embutidos, queijos amarelos e preparações empanadas).





PUBLICIDADE