PUBLICIDADE

Chá verde diminui risco de câncer em mulheres, diz estudo

Ingerir bebida três vezes por semana reduz as chances em até 29%

Em 25/10/2012
Redação
Escrito por Redação
Redação Minha Vida

Mulheres que bebem regularmente chá verde podem ter menos riscos de desenvolver câncer de cólon, câncer de estômago e câncer de garganta do que as mulheres que não mantêm esse hábito. É o que afirma um estudo da Vanderbilt University School of Medicine, no Canadá. Os resultados foram publicados online no American Journal of Clinical Nutrition no dia 10 de outubro.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A pesquisa envolveu mais de 69.000 mulheres, que forneceram informações sobre suas dietas, hábitos de exercício, peso e histórico médico. Nenhuma delas fumava ou bebia álcool regularmente. Mais de 19.000 foram consideradas consumidoras regulares de chá verde, bebendo mais de três vezes por semana.

Ao longo de 11 anos, 1.255 mulheres desenvolveram câncer do sistema digestivo. Aquelas que bebiam chá verde regularmente tinham 14% menos probabilidade de desenvolver esse tipo de câncer. Mulheres que disseram beber regularmente chá verde por pelo menos 20 anos tinham 27% menos probabilidade de desenvolver qualquer tipo de câncer do sistema digestivo do que as que não consumiam, além de a probabilidade de desenvolver um câncer colorretal ser 29% menor.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

De acordo com os cientistas, o chá verde contém substâncias antioxidantes, particularmente um composto conhecido como EGCG, que podem evitar o dano das células do corpo, prevenindo o câncer e outras doenças. Eles afirmam que ninguém pode dizer se o chá verde em si é a razão da prevenção, uma vez que os amantes da bebida muitas vezes são mais preocupados com a saúde em geral.

Cinco cuidados com o consumo de chá verde

O gosto dele é um pouco amargo, de fato, mas a ciência já provou que vale a pena fazer careta pelo monte de vantagem que o chá verde pode fazer pela sua saúde, como a prevenção de cânceres do sistema digestivo. A seguir, você descobre os cuidados na hora do consumo e também aprende como amenizar o gosto forte da planta.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Chá de saquinho é menos eficiente

Quando o chá é feito com o saquinho industrializado, parte das propriedades se perde porque o pacotinho leva uma mistura com o caule da planta, com menos nutrientes. "Basta colocar água para ferver e assim que começar a borbulhar, apagar o fogo e acrescentar as ervas e brotos do chá, deixando em infusão por três minutos", explica nutricionista Débora Razera Peluffo, de Caxias do Sul.

Existe a melhor hora para tomar o chá

Um cuidado para o consumo é o horário em que o chá verde é ingerido. "Assim como o café, ele não deve ser tomado logo após as refeições", explica a nutricionista Daniela Jobst. "A cafeína, presente nas folhas do chá, prejudica a absorção de ferro e vitamina C pelo organismo.? Por isso, é preciso esperar pelo menos uma hora antes de consumir chá verde.

Acabe com o gosto amargo

Uma solução para acabar com o sabor forte do chá é adicionar alguns outros ingredientes à receita. Acrescente duas colheres de sopa de mel para deixar o chá com um sabor mais adocicado. Mas é preciso ter cuidado, já que o mel é bastante calórico e rico em açúcar. Outra opção é bater o chá no liquidificador com frutas, como morango, amora, maçã verde, laranja e uva.

Alerta para a cafeína

Com efeito estimulante sobre o sistema nervoso, a cafeína pode causar dor de cabeça, agitação, irritação e aumento do ritmo cardíaco. "Pessoas sensíveis à substância podem sofrer com esses sintomas se ingerirem quantidades superiores a um litro por dia", diz a nutricionista e clinica funcional Camila Duran, da Clínica Pedrinola & Rascovski.

Grupos que devem evitar o chá

O chá verde é um poderoso aliado da boa saúde. Mas algumas pessoas devem consultar um médico antes de inclui-lo na dieta. "O uso do chá não é recomendado para gestantes, indivíduos com hipertensão, glaucoma e doenças psiquiátricas", explica a nutricionista Débora Razera Peluffo. "Ele pode interagir com alguns remédios comumente ingeridos por esse grupo de pessoas."