Dieta da proteína: como fazer, receitas e alimentos permitidos

Método aumenta a quantidade de proteínas ingeridas por dia e corta os carboidratos

POR NATHAN CÂNDIDO

O que é dieta da proteína?

É um tipo de dieta que prega o alto consumo de proteínas e baixa ingestão de carboidratos - no geral, mais de 40% da alimentação diária é reservada ao nutriente. Não existe uma única dieta da proteína, mas sim um grupo de dietas neste modelo. As proteínas ingeridas nessas dietas normalmente são de origem animal, como carnes, peixes, ovos e laticínios (queijos, iogurtes, coalhadas etc.).

PUBLICIDADE

Alguns exemplos de dieta da proteína são:

Como a dieta da proteína ajuda a emagrecer?

A dieta da proteína pode ajudar a emagrecer, uma vez que esse nutriente dá mais saciedade - ou seja, você demora mais para sentir fome - e diminui o consumo de carboidratos, principalmente os considerados simples, como açúcares, massas, farinha branca etc.

Os carboidratos são os nutrientes que fornecem energia para o funcionamento do organismo, então, como eles estão sendo consumidos em quantidade muito menor, o indivíduo passa a produzir uma maior quantidade de corpos cetônicos para funcionar. Esses corpos cetônicos são frutos da queima de gordura corporal, motivo pelo qual a pessoa passa a perder peso.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Além disso, quando se reduz a quantidade de carboidratos que a pessoa come por dia, se diminui também a retenção hídrica, o que ajuda a diminuir o inchaço e fazer o ponteiro da balança baixar.

Benefícios da dieta da proteína

O maior benefício das dietas da proteína é promover o emagrecimento rápido, além de priorizar alimentos saudáveis - uma vez que normalmente legumes e verduras são liberados - e diminuir a ingestão de carboidratos refinados, como os açúcares e farinha branca.

Por causa do emagrecimento rápido a pessoa se sente motivada a continuar emagrecendo até chegar no seu peso recomendado, então esta também é uma boa vantagem. Além destes, ela pode promover um discreto aumento no colesterol HDL (bom) e não afetar o LDL (ruim).

Dicas para realizar a dieta da proteína

  • Verifique se a dieta se encaixa nas suas preferências alimentares: antes de começar qualquer tipo de dieta, é importante analisar a proposta e se ela se encaixa às suas preferências alimentares. Na dieta rica em proteínas, a restrição de carboidratos é um fator determinante para que a aderência à nova proposta de emagrecimento dê certo ou não. Como você se sente sem batata, arroz, macarrão ou pão? Se não te faz tanta falta, siga em frente
  • Analise se a dieta rica em proteínas será fácil de seguir: na correria do dia a dia é comum fazer aquele pit stop em um restaurante mais conveniente ou em uma cafeteria para fazer um lanchinho. Se o controle da dieta não depende apenas do que será consumido em casa, verifique se os alimentos permitidos podem ser encontrados nos lugares que você frequenta mais
  • Mantenha o foco nos alimentos permitidos: tenha sempre no escritório, na porta da geladeira e na bolsa uma pequena lista com os alimentos permitidos. Assim, na dúvida, basta consultá-la para saber o que é ou não possível ingerir na fase em que se encontra da dieta.

Alimentos permitidos na dieta da proteína

Os alimentos que podem ser consumidos na dieta da proteína incluem aqueles ricos em proteínas, além de verduras, legumes e outros:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
  • Peixes: atum, bacalhau e sashimi
  • Frutos do mar: camarão, lagosta, siri ou caranguejo e mexilhões
  • Carnes: todos os cortes de frango, aves, porco e boi
  • Derivados do leite: queijos, iogurtes, coalhada
  • Verduras: salsa, repolho, chicória, cebola, alface, agrião, espinafre, couve-flor, couve, brócolis, acelga, aspargos e salada verde
  • Legumes: vagem, chuchu, tomate, cenoura, sopa de legumes, pimentão, abobrinha verde, rabanete, quiabo, pepino, nabo, berinjela e cogumelo
  • Outros: sal, ovos, omelete, gelatina dietética, pimenta, azeitona com tempero, azeite, manteiga, margarina, limão e jiló
  • Bebidas: chá, café descafeinado, água com gás, água tônica diet e água natural.

Tipos mais comuns de dieta da proteína

  • Dieta Dukan: método de emagrecimento dividida em quatro fases que prevê o consumo de grande quantidade de proteínas e a redução de ingestão de carboidratos
  • Dieta atkins: rica em proteínas e gorduras, não há restrição de calorias e a pessoa pode comer a quantidade que quiser de carnes, embutidos, queijos e ovos
  • Dieta paleolítica: propõe a volta da alimentação dos nossos ancestrais, que se alimentavam de carne, frutos e sementes, com a justificativa que essa é a alimentação para a qual nosso organismo foi moldado por milhões de anos
  • Dieta South Beach: foi desenvolvida pelo cardiologista Arthur Agatston para reduzir os níveis de colesterol total, LDL e triglicerídeos sanguíneos de seus pacientes. Como foi percebido o emagrecimento desses pacientes, a dieta passou a ser utilizada para este propósito.

Tempo de duração da dieta da proteína

O tempo que uma pessoa poderá continuar fazendo a dieta da proteína dependerá do seu estado de saúde no geral, do seu objetivo com este método e de qual das dietas for escolhida pelo profissional de saúde junto do paciente. Logo, apenas este profissional poderá dar o tempo e indicar o melhor cardápio para cada pessoa.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Tudo que você precisa saber antes de fazer a dieta da proteína

Antes de começar uma dieta, é sempre importante procurar ajuda de um profissional nutricionista e/ou nutrólogo, uma vez que elas podem trazer riscos e nem sempre o que a pessoa imagina como ideal para ela mesma é o que irá fazê-la alcançar seu objetivo. Será necessário avaliar caso a caso para poder determinar se a pessoa é indicada ou não para fazer uma das dietas da proteína.

Pessoas com problemas renais, diabetes, hipertensão ou com problemas de mastigação correm mais riscos com uma dieta da proteína, não sendo, portanto, recomendada para esses grupos.

A maior desvantagem da dieta da proteína é que a pessoa tende a recuperar o peso perdido. Isso porque ela não promoveu uma reeducação alimentar, ou seja, comer de tudo de forma equilibrada e saudável, e sim retirou quase por completo um grupo de alimentos da dieta (carboidratos).

A diminuição drástica de carboidratos combinada a uma ingestão maior de proteínas pode deixar o organismo desequilibrado. Os carboidratos são a principal fonte de energia do corpo, e a falta de ingestão desse nutriente faz o organismo buscar outras formas de obter essa energia, levando à queima de músculos. Isto porque a outra fonte de energia que o organismo utiliza diante da falta de carboidratos vem dos aminoácidos presentes nos músculos. Esta queima de músculos é especialmente prejudicial para o processo de emagrecimento, pois estes músculos gastam muita energia para existir, ou seja, a presença deles ajuda na perda de peso.

Essa situação leva ao quadro de cetose, que reduz o apetite, fazendo a pessoa emagrecer de forma muito rápida por não comer. Contudo, esta pessoa também passa a urinar mais, o que pode provocar a perda de potássio e gerando cãibras.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Além disso, a dieta da proteína também sobrecarrega os rins, acarretando num aumento da produção de ureia, ácido úrico e creatinina, o que a longo prazo poderá provocar hipertensão (pressão alta), perda de massa muscular, queda da imunidade e maior predisposição a infecções, deficiências de vitaminas e minerais, alteração no sono, irritabilidade, desmaios, entre outros.

Referências

Lenina Matioli, médica nutróloga especialista pela Associação Brasileira de Nutrologia (Abran) - CRM: 95271/SP

Adriana Lúcia Van Erven Avila, nutricionista - CRN: SP-2816.