Conheça oito tratamentos que suavizam as rugas da testa

Do peeling aos cremes, cada tipo tem uma contribuição contra o envelhecimento da pele

POR REDAÇÃO - ATUALIZADO EM 29/11/2016

As rugas são sinais naturais da pele, que inevitavelmente aparecem conforme os anos passam. Por motivos de estética, a busca por procedimentos que atenuam a presença delas é cada vez maior. Tão eficiente quanto o tratamento, porém, é a prevenção. Por isso, o ideal é usar protetor solar diariamente e manter uma alimentação balanceada.

"Alimentos ricos em carotenoides, como laranja, mamão, cenoura, damasco e vegetais escuros, retardam o envelhecimento celular, assim como os ricos em flavonoides, como chá verde, frutas vermelhas, beterraba e berinjela. O zinco, presente nos frutos do mar, o licopeno do tomate e as vitaminas C e E também retardam o envelhecimento celular. Já os alimentos ricos em isoflavonas (soja), selênio (castanhas) e silício (aveia) atuam no combate à flacidez cutânea", indica Vanessa Metz, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Quanto aos tratamentos, estes devem ser indicados pelo dermatologista. Conheça os mais recomendados.

Patches antirrugas

Imagine colar um patch em sua pele e, quase que imediatamente, ele causar um lifting nela. Parece bom demais, mas os patches antirrugas, na verdade, proporcionam apenas um efeito temporário. "Por isso, são indicados para uso em dias de festa, como o famoso 'efeito cinderela'", diz a dermatologista Vanessa Metz.

Esses patches possuem microbaterias que estimulam as fibras elásticas da pele devido a uma corrente elétrica de baixa intensidade. Por ser maleável, é possível colocá-lo na região onde se deseja rejuvenescer temporariamente. No caso da testa, é aconselhável aplicá-lo na região acima das sobrancelhas ou no meio da testa, onde as rugas costumam aparecer. Vanessa aconselha que eles sejam retirados de 10 a 30 minutos antes de fazer a maquiagem, e o tempo que o efeito dura varia de pessoa para pessoa.

Eles também são utilizados junto ao creme anti-idade. "A corrente elétrica auxilia a penetração de géis e cremes que antes não conseguiriam passar pela camada protetora da pele", detalha a profissional. Porém, o mercado de cremes com capacidade de microestimulação elétrica ainda é restrito.