Minha Vida - Saúde, Alimentação e Bem-Estar

Diminua os poros e acabe com o brilho típico da pele oleosa

Veja oito dicas de produtos e tratamentos para controlar o excesso de oleosidade

POR MANUELA PAGAN - atualizado em 18/01/2013


Por causa deles, a maquiagem derrete mais rapidamente e a pele brilha com a oleosidade: os poros dilatados são mais comuns na testa, nas bochechas e no nariz, regiões do rosto em que, naturalmente, há mais concentração de sebo. "Os poros são como dutos, por onde passam os pelos e a oleosidade. Essas cavidades tendem a ser mais estreitas na base e mais largas no ápice", afirma a dermatologista Gabriela Casabona, da Sociedade Brasileira de Dermatologia. "Por isso, quando a pele passa muito tempo sem limpeza e esfoliação, os poros acabam dilatados: o acúmulo de células deixa à mostra justamente a área mais larga deste duto".

O tipo de pele também interfere na aparência dos poros: quanto mais escura a pigmentação, geralmente, maiores os poros e maior a produção de oleosidade no rosto. Mas algumas dicas simples ajudam no controle da dilatação dos poros e melhoram a aparência da sua pele. "Esses cuidados agem na diminuição da oleosidade e também diminuem o aparecimento de problemas como pontos escuros, cravos, acne e excesso de oleosidade", diz a especialista. 

de 8

Mulher passando creme no rosto - foto: Getty Images
 

Hidratação

A pele oleosa também precisa de hidratação, o segredo aqui está na escolha de produtos que não aumentem ainda mais a produção de sebo ou entupam os poros, causando acne. "A hidratação da pele oleosa deve ser feita com fórmulas bem leves, como os séruns, os géis e os fluidos", afirma Marcela Studart. A embalagem dos produtos, geralmente, traz a indicação recomendada. 


Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

Mais sobre:

Shopping Vida Saudável

PUBLICIDADE

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."