Aplique o protetor solar corretamente em sete passos

Descubra qual é a quantidade certa e o FPS mínimo para a sua pele

POR MANUELA PAGAN - ATUALIZADO EM 03/12/2014

Grande parte do território brasileiro está localizada entre o Trópico de Capricórnio e a Linha do Equador, a área do planeta mais próxima ao sol. Na prática, isso significa que as pessoas que residem no país receberão os raios solares com maior intensidade. Não é de se espantar que o câncer da pele seja o tipo de tumor mais incidente na população - cerca de 25% dos cânceres diagnosticados são de pele. Além disso, segundo pesquisa da Sociedade Brasileira de Dermatologia, 62% dos brasileiros não usam protetor solar. Entre os que usam o produto, ainda de acordo com estudos da Sociedade brasileira de dermatologia, somente 25% aplica o protetor solar corretamente. Apesar de parecer fácil, aplicar o produto pode não ser uma tarefa tão simples assim. Os cuidados vão desde a escolha do tipo de protetor solar até a reaplicação. A seguir nós explicamos o passo a passo para acertar na proteção da pele.

Escolha a textura do protetor solar

Creme, gel, spray, sérum, com maquiagem e até mousse, existem diversas apresentações do protetor solar. Para saber qual é a melhor para você é preciso considerar alguns critérios. O primeiro deles é o tipo de pele. A dermatologista Érica Monteiro, do Instituto Protetores da Pele, explica que quem tem pele oleosa deve evitar as fórmulas mais gordurosas, que contêm algum tipo de óleo na composição. "O ideal para esse tipo de pele são as fórmulas em gel ou sérum". Já quem tem pele seca ou ressecada devem evitar a fórmula em gel, que vai ressaltar o problema.

Outro ponto a ser considerado é o fator de proteção solar que a sua pele precisa. "Os filtros em creme são bastante estáveis e conseguem carregar um Fator de Proteção Solar (FPS) mais alto, acima de 50", explica a dermatologista. "Para conseguir a textura leve característica, o sérum não deve levar muitos componentes, o que determina que seu FPS não pode ser alto, será no máximo 30". O mesmo acontece com o gel, que é mais fluido. Uma alternativa é usar o gel-creme, um intermediário entre as duas apresentações que pode ter um fator de proteção mais alto.

"No caso do spray e do mousse, muitos ingredientes responsáveis pela durabilidade do produto na pele não passam pelas suas válvulas, responsáveis por darem forma ao jato de protetor solar", explica a dermatologista. "Por isso, mesmo que o FPS seja alto, o produto tem que ser reaplicado com maior frequência".

A dermatologista Érica explica que é necessário muito cuidado na hora de escolher uma maquiagem e até de produtos como o BB cream que contêm protetor solar. "É preciso lembrar que o principal objetivo deste tipo de fórmula é outro, como o de maquiar, por isso a proteção solar fica em segundo plano e pode não ser tão eficiente assim". Nesse caso, a dermatologista recomenda utilizar um protetor solar que tenha cor de base. "Esse tipo de produto se propõe a ser um protetor solar antes de ser uma maquiagem, esse é seu objetivo principal. Esse tipo terá a proteção contra raios UVA e UVB medida em laboratório".

Dica: a dermatologista Érica Monteiro explica que quanto mais grossa for a textura do protetor, maior será a proteção que ele oferece à pele.