11 mitos e verdades sobre a pele oleosa

Desvende mitos e aprenda a cuidar corretamente da pele com excesso de oleosidade

POR VINICIUS CAVALHEIRO - ATUALIZADO EM 29/08/2016

Rosto brilhoso, cabelo grudado na testa, fios com aspecto sujo, acne e cravos por todo lugar. Não é fácil a vida de quem tem pele oleosa - e olha que não é pouca gente que tem. Entre todos os tipos de pele, a de aspecto oleoso é o mais comum entre os brasileiros. Causada pela produção excessiva de sebo pelas glândulas sebáceas, a pele oleosa traz consigo uma série de mitos que, de tão repetidos, acabaram virando falsas verdades. Mas, afinal, como saber se a pele é de fato oleosa?


A pele elimina quantidades mínimas, porém constantes, de gordura que, junto com o suor, formam uma película que cobre e protege a pele, contribuindo para a coesão, lubrificação e proteção da pele. Quando as glândulas sebáceas produzem mais sebo que o necessário, ou seja, quando a pele elimina quantidades excessivas de gordura, ela se torna gordurosa e brilhante, com poros dilatados principalmente na região central da face, nariz, bochechas e queixo - a chamada zona T.

Algumas doenças também estão relacionadas à pele oleosa, como a acne, rosácea, dermatite seborreica e hiperplasia sebácea. "O estresse, o consumo da proteína do leite e o uso de medicamentos antidepressivos e antipsicóticos são fatores que podem levar as glândulas sebáceas a produzir mais sebo do que o normal", afirma a dermatologista Christiana Blattner. Mas é verdade que pessoas com pele oleosa têm menos rugas? É verdade que a oleosidade presente na pele retarda o processo de envelhecimento? E o protetor solar, afinal de contas, aumenta ou diminui a oleosidade na pele? Saiba identificar o que é mito e o que é verdade quanto o assunto é pele oleosa.

Lavar o rosto várias vezes ao dia elimina a oleosidade

Mito. Quando você retira o sebo do rosto durante a lavagem, a pele automaticamente o repõe, pois essa gordura que é eliminada existe para proteger a nossa pele, como se fosse uma película. Isso significa que não adianta lavar o rosto várias vezes ao dia, achando que isso vai reduzir a oleosidade. O ideal mesmo é fazer a limpeza com sabonete duas vezes ao dia. "Dê preferência aos sabões à base de enxofre e ácido salicílico", recomenda o dermatologista Abdo Salomão. E muita atenção para a temperatura da água! Se ela estiver muito quente, acabará removendo a oleosidade natural da pele e incentivará as glândulas a produzir mais sebo. Se estiver muito fria, os poros da pele não se abrirão o suficiente para que a lavagem seja completa e eficaz. Por isso, o ideal é sempre lavar o rosto em água morna.