Gordura localizada: tire 7 dúvidas comuns ao tentar queimá-la

Antes de tentar eliminar os pneuzinhos indesejados, entenda melhor o que funciona ou não

POR NATHALIE AYRES - ATUALIZADO EM 02/12/2016

Que pessoa nunca se incomodou com um pneuzinho de gordura que nunca vai embora? A gordura localizada é um problema comum não só nas mulheres. "E também tem sido uma reclamação dos homens também, principalmente a gordura na parte inferior no abdômen", considera a endocrinologista Rosana Bento Radominski, membro da Comissão Temporária de Endocrinologia do Exercício e Esporte (CTEEE) da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Primeiro é preciso compreender o mecanismo do acúmulo de gordura. Ela é considerada pelo corpo uma energia de reserva, portanto quanto mais calorias consumimos, mais gordura estocamos. "O organismo é programado para armazenar energia nas células de gordura e este acúmulo delas gera o aumento de volume. O resultado final é a gordura localizada em locais específicos do corpo", explica o cirurgião plástico André Eyler.

Portanto, equilibrar o consumo e gasto de calorias é a principal medida para conseguir chegar ao emagrecimento e a queima dessa gordura. No caso, ter uma dieta equilibrada e praticar exercícios influenciam diretamente nisso: quanto mais alimentos saudáveis você ingere e quanto mais atividade física você pratica, melhor o seu balanço energético.

Mas é claro que existem técnicas que ajudam a acelerar esse processo, mas nem todas são tudo isso que dizem por aí. Veja a seguir as principais dúvidas sobre quem está tentando perder a gordura localizada:

Gordura localizada da barriga é mais difícil de eliminar do que as outras?

Depende! "A eliminação da gordura se realiza de forma globalizada no corpo, sendo mais notória nas áreas que possuem menos quantidade e mais difícil de eliminar nas zonas onde o acúmulo de gordura e maior", explica o cirurgião plástico Eduardo Sucupira, diretor da Clínica Essendi, no Rio de Janeiro, e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBPC). Portanto, o que conta no final das contas é onde você tem maior tendência a acumular suas gordurinhas: enquanto algumas pessoas concentram tecido adiposo na barriga, costas e lateral do abdômen, outras tendem a estoca-lo nas coxas, quadris, glúteos e cintura. Em geral, isso é definido pela genética.