Conheça as causas de erros nas rinoplastias

Problemas de comunicação entre médico e paciente podem ser a causa

ARTIGO DE ESPECIALISTA - PUBLICADO EM 31/01/2014

Dr. Alan Landecker
Cirurgia Plástica - CRM 87043/SP
especialista minha vida

Quando se decide fazer uma rinoplastia vários fatores devem ser levados em consideração, afinal a cirurgia de nariz é considerada um dos procedimentos mais difíceis da cirurgia plástica, em grande parte responsável pela harmonia e equilíbrio facial. Para total satisfação com o resultado é essencial conhecer a formação acadêmica de seu médico, procurar saber em qual instituição ela foi realizada, verificar se o médico é realmente especialista em rinoplastia e se é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. 

Esses são fatores fundamentais para o pleno sucesso de sua cirurgia plástica de nariz, sendo que realização da rinoplastia com médicos sem a formação adequada pode trazer graves transtornos e complicações. Conheça-os: 

Erro do profissional

Inabilidade por parte do médico de diagnosticar os problemas funcionais e/ou estéticos do nariz do paciente. Além da função estética, a rinoplastia pode corrigir problemas respiratórios, sendo assim o profissional precisa fazer uma avaliação completa dos problemas do paciente. Há pessoas com características desfavoráveis ao procedimento que precisam ser levadas em conta para que a cirurgia seja satisfatória. Em pacientes com pele grossa, por exemplo, é importante manter o nariz levemente maior de perfil (dorso mais alto e ponta mais projetada) para evitar problemas com o revestimento da pele ou a formação de deformidade do tipo bico de papagaio. Isto pode ocorrer devido à menor capacidade de retração deste tipo de pele. O nariz maior em perfil permite a expansão da pele e uma aparência melhor na visão frontal. Ao contrário dos pacientes que possuem pele fina, a visualização de irregularidades após a cirurgia é menos provável graças à cobertura mais espessa. 

Falha na comunicação

Inabilidade de entrar em sintonia com o médico em relação às queixas, expectativas e quanto ao resultado efetivamente possível em cada caso. É fundamental tentar produzir um nariz "individualizado", que combine naturalmente com a face e a etnia do paciente. Por isso, antes da cirurgia, um bom especialista em rinoplastia deve realizar estudos matemáticos detalhados das proporções do nariz em relação à face de cada paciente e criar o planejamento cirúrgico baseado nestes resultados e no senso estético. Atualmente, desenhos ou simulações computadorizadas podem ser usados para mostrar ao paciente o que deve ser corrigido e como isto pode ser feito. Por questões de ética, o paciente deve ser informado de que estas ferramentas são apenas educativas e que não constituem uma promessa em relação ao resultado. Os desenhos aprovados pelo paciente devem ser levados à sala de cirurgia, servindo como referência para o cirurgião. Este sistema pode estabelecer uma boa sintonia entre o cirurgião e o paciente, podendo oferecer resultados cada vez mais naturais e podendo minimizar a chance de insatisfação estética após a cirurgia. 

Expectativas não realistas

Numa situação ideal, todos os pacientes teriam o tamanho de nariz que desejassem. Infelizmente, essa não é a realidade. O tamanho do nariz criado no momento da cirurgia se baseia em diversos fatores, que diferem de um paciente para outro. Inclusive, alguns pacientes simplesmente não podem ter um nariz pequeno devido à sua anatomia, espessura da pele ou efeitos de cirurgias anteriores. Os pacientes devem saber que não existe nariz perfeito. Todos possuem defeitos que seriam facilmente apontados por um especialista nesse tipo de cirurgia. Por isso, o paciente deve encarar a cirurgia como uma maneira de melhorar o formato do seu nariz. A perfeição nesta cirurgia pode até ser atingida, mas é pouco provável pois trata-se de uma cirurgia muito difícil e cujo tecido de cicatrização não está sob o controle do cirurgião. 

Má execução técnica da cirurgia

A rinoplastia moderna tem como princípio básico a construção de um nariz bonito e funcional. Em outras palavras, a manutenção da função respiratória deve ser uma prioridade absoluta. Nesta cirurgia, as cartilagens e ossos que formam o esqueleto do nariz são esculpidas de acordo com as características do nariz e da face do paciente. Quase sempre é necessário utilizar enxertos de cartilagem, retirados do próprio nariz, costela ou da orelha, para corrigir as alterações de contorno e fortalecer o esqueleto remanescente. Em casos onde há dificuldade respiratória, pode ser necessário corrigir desvios do septo nasal e das outras estruturas que formam as vias responsáveis pela passagem do ar. Uma má execução da cirurgia pode reduzir demais o esqueleto, deixando a pele sem suporte e permitindo o acúmulo de sangue entre a pele e as cartilagens após a cirurgia, causando complicações como a fibrose. 

Fibrose

A fibrose é outro nome para o tecido de cicatrização que sempre se forma entre as cartilagens do nariz e a pele após a cirurgia. Em condições ideais ela se forma e não atrapalha o resultado. Porém, em alguns casos pode haver proliferação excessiva gerando alterações de contorno ou distorções das cartilagens. Existe uma predisposição genética e pessoas com pele grossa são especialmente predispostas, mas muitos acreditam que o principal motivo disto acontecer é a execução inadequada da cirurgia ou colocação incorreta do curativo. 

Outros motivos

Acontecimentos inesperados como traumatismos, uso de cocaína, tratamentos com altas doses de cortisona e infecções podem também comprometer o resultado de uma rinoplastia. Nesses casos, pode haver fratura e/ou reabsorção das cartilagens usadas para estruturar o esqueleto do nariz no final da cirurgia. 

A rinoplastia, além da harmonia estética, pode corrigir defeitos já presentes no nascimento, sequelas de traumatismos ou rinoplastias anteriores e ajudar a resolver problemas respiratórios, por isso é essencial a escolha de um especialista para que o procedimento seja realizado com eficiência. 

Este conteúdo ajudou você?
Sim Não