Flacidez abdominal: tratamento varia conforme a causa do problema

Flacidez da pele e muscular pedem medidas diferentes para serem revertidas

ARTIGO DE ESPECIALISTA - ATUALIZADO EM 28/10/2016

Taynara Lima
Fisioterapia - CREFITO 178459-F/RJ
especialista minha vida

A flacidez de pele é uma grande vilã, principalmente para as mulheres e após a gestação. Embora seja uma condição que acompanha qualquer indivíduo no processo de envelhecimento, mesmo que menos comum, algumas pessoas podem apresentar tendência à flacidez, o que pode direcionar um quadro existente em indivíduos de pouca idade. É possível também encontrar flacidez em indivíduos que tinham obesidade e sofreram emagrecimento brusco. Na área de abdômen e em mulheres é muito comum observar flacidez pós-gestacional, tanto de pele como muscular.

No processo de flacidez ocorre a mudança de estrutura da derme e da epiderme (duas das três camadas da pele) e, com isso, a epiderme fica mais fina ou menor em espessura, o número de fibroblastos (também ajudam na produção de colágeno) diminue e, por sua vez, a quantidade de colágeno, fibras elásticas e reticulares, também, além da perda progressiva da microcirculação na derme, que interfere diretamente na queda de irrigação sanguínea para a região da pele.

Para ajudar a minimizar esse quadro de flacidez cutânea leve, uma das propostas é a radiofrequência, cuja ação é dada por meio do aquecimento (através da produção de calor, que é controlada). É um tratamento extremamente usado atualmente e, além de ser eficaz e seguro, pode ser indicado a outras queixas. Esse aparelho gera calor superficial e age também profundamente na pele no estímulo do colágeno (proteína que ajuda a dar firmeza à pele), promovendo sustentação dela através da contração de suas fibras e um possível remodelamento, além de auxiliar na produção de novas fibras. Assim, de forma única, a pele é aquecida de dentro para fora de modo controlado, sendo o aquecimento na superfície um reflexo do aquecimento na profundidade.

Aponta-se que a flacidez leve tem boa resposta para o procedimento, mas alguns casos são cirúrgicos, principalmente em indivíduos que sofreram emagrecimento brusco. Mas mulheres em período de amamentação que tenham perfil de flacidez leve podem utilizar-se desta técnica, sendo muito eficiente.

É importante observar que, além da flacidez de pele, a flacidez muscular (dada pela fraqueza do músculo) pode também estar presente, unindo-se ao quadro ou ainda isoladamente. Para tal é indicada a prática de atividade física, direcionando-se para a área acometida. Uma boa alimentação, ingestão de água regularmente e a corrente russa, que promoverá estímulos nas fibras musculares, melhorarão, inclusive, o contorno corporal.

Além desse método, o uso de cremes firmadores pode ser aliado para minimizar a flacidez de pele, mas em período de amamentação é ideal consultar o médico, para verificar se os ativos que constituem o cosmético são livres para seu uso.