Fotodepilação: tratamento remove pelos progressivamente

Método é feito com luz intensa pulsada

O que é a fotodepilação

A fotodepilação é a remoção dos pelos corporais através da energia da Luz Intensa Pulsada (LIP).

Como é feita a fotodepilação

A fotodepilação é feita através de um equipamento que emite a Luz Intensa Pulsada. "O tratamento com Luz Intensa Pulsada é feito com um aparelho que possui uma lâmpada flash de alta energia, ou seja, emite luz", explica o dermatologista Luiz Torrezan, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.

Como a fotodepilação remove o pelo

"A LIP destrói as células germinativas do pelo, de modo que ele só volte a nascer quando essas células se regenerarem - o que pode nunca mais acontecer ou acontecer em alguns meses ou anos" explica a cirurgiã plástica Isabel Vieira de Figueiredo e Silva, do MDX Medical Center. "Nenhum método de depilação é definitivo, a fotodepilação é duradoura e requer retoques, pois, como os pelos são uma proteção do nosso organismo, muitos fatores podem influenciar no seu crescimento", explica.


Eficácia da fotodepilação

A energia luminosa da LIP é inespecífica, ou seja, não age apenas na melanina do pelo, como o Laser, mas também nos tecidos que ficam ao seu redor. Como resultado, a energia emitida não pode ser tão alta, o que destruiria os vasos ao redor. "Com isso, a fotodepilação pode não destruir toda a estrutura da raiz do pelo, deixando intacta a região onde estão as células que produzem novos pelos", explica.

Profissionais aptos a aplicar essa técnica

Fotodepilação- foto: Getty Images
Fotodepilação

A legislação não define quais são os profissionais aptos a aplicar a fotodepilação. No entanto, a recomendação é que seja feita uma avaliação com um dermatologista antes de iniciar o tratamento. Esse profissional pode avaliar criteriosamente sua pele e definir qual é o melhor tratamento para ela. O conselho da dermatologista Izabel Martinez é se submeter à técnica com um profissional de confiança ou em local que você conheça e confie.

Indicações da fotodepilação

A fotodepilação está indicada em casos de foliculite pilosa e para pelos indesejados em qualquer região do corpo. A pele ideal para a realização da fotodepilação é a pele clara com pelos escuros e grossos. No entanto, ela pode ser usada para qualquer fototipo (tonalidade da pele), isso porque é possível realizar uma graduação que se adapte ao fototipo do paciente, o que possibilita o tratamento das peles mais claras às mais escuras.

Contraindicações da fotodepilação

Gestantes, pessoas com vitiligo, pele bronzeada ou infecções ativas no local a ser tratado devem evitar a LIP, pois podem ocorrer hipo ou hipercromia, isto é, alterações da coloração da pele. Pessoas em uso de medicações que aumentem a fotossensibilidade, como alguns antibióticos e antiacneicos, também devem evitar o tratamento com Luz Intensa Pulsada.

Áreas do corpo que não podem ser submetidas à fotodepilação

"Ânus, pálpebras e áreas ao redor dos olhos, mucosas e bolsa escrotal, por serem áreas mais sensíveis, não podem ser depiladas com nenhum dos dois métodos", conta a cirurgiã plástica Isabel Figueiredo.

Cuidados antes da fotodepilação

A pele não pode estar bronzeada, o pelo não pode ter sido retirado pela raiz (com cera ou pinça) no último mês, não pode haver vermelhidão, machucados ou focos de acne ativa e deve-se interromper o tratamento com ácidos pelo menos 72 horas antes.

Dor durante a fotodepilação

A luz pulsada é muito bem tolerada pela maioria dos pacientes, que chegam a considerar o procedimento indolor. "Ela atinge o bulbo do pelo, não ultrapassando muito esse limite e, por isso, os pacientes podem sentir uma leve fisgada, mas não dor propriamente dita", explica a cirurgiã plástica Isabel Figueiredo.

Cuidados após a fotodepilação

Não se expor ao sol diretamente sem proteção solar, principalmente, se houver vermelhidão na área tratada. Usar protetor solar com fator de proteção mínimo de 30.

Numero de sessões de fotodepilação necessárias

São necessárias cerca de seis sessões de fotodepilação para que haja uma redução significativa dos pelos, no entanto já é possível ver os resultados três semanas após a primeira sessão. Recomenda-se um intervalo de aproximadamente um mês entre uma sessão e outra. O tempo de retoque para o procedimento varia entre quatro meses até dois anos após a última sessão.

Complicações da fotodepilação

"Pode haver irritação, dor, inchaço, formação de feridas e vermelhidão", explica Luiz Torrezan. "Em geral estas lesões são brandas e se resolvem de cinco a sete dias após o tratamento". Também podem ocorrer hipo ou hipercromia - ou seja, a diminuição ou aumento da pigmentação da pele. Bolhas são raras e podem significar queimadura, necessitando de tratamento médico especifico. Também pode haver aumento paradoxal da quantidade de pelos.

Complicações a longo prazo, como as cicatrizes, são raras e ocorrer em consequência de uma técnica de aplicação falha. A técnica falha acontece quando não é feito o ajuste adequado da amplitude de onda da Luz Intensa Pulsada.

Preço da fotodepilação

Cada sessão custa em média 60 reais*.

*Valores pesquisados em junho de 2013, sujeitos à alteração.

Depilação com Laser X Depilação com Luz Intensa Pulsada

A fotodepilação ou luz intensa pulsada (LIP) é o método menos agressivo para a retirada dos pelos e, de acordo com tipo de pele, da espessura do pelo e da tonalidade do fio é possível graduar a intensidade do espectro de luz. Em contrapartida, a luz do laser penetra nas camadas da pele e causa pequenos choques, podendo, algumas vezes, causar até queimaduras. A LIP atinge uma temperatura bem menor, com menos riscos de queimaduras e descolorações temporárias na pele, o que acontece com mais frequência com o laser.

Em comparação com o laser, o espectro de luz da LIP é maior, sendo menos específico para o pelo e, portanto, menos eficaz. Com isso, a energia usada na depilação a laser pode ser mais alta.

Fontes

Cirurgiã Plástica Isabel Vieira de Figueiredo (CRM: 62041-6), membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
Dermatologista Eveline Sabba (CRM: 125264), membro da Sociedade Brasileira de Laser.
Dermatologista Isabel Martinez (CRM: 115398), da Clínica Martinez, em São Paulo.
Dermatologista Luiz Torrezan (CRM: 72624), membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.