Entenda as diferenças entre as psicoterapias antes de escolher a sua

Se você decidiu fazer terapia, saiba que existem vários tipos e entenda os métodos

POR NATHALIE AYRES - PUBLICADO EM 24/07/2013

Atualmente terapia se tornou algo comum, as pessoas procuram esse tipo de tratamento quando estão tristes, com alguma doença emocional ou mesmo para se conhecer melhor. Mas como nada na vida é simples, não adianta apenas escolher fazer psicoterapia, é preciso decidir qual o tipo que será seguido. "Na verdade existem várias abordagens diversas que podem ser utilizadas ao longo de cada situação", explica Fernando Elias José, psicólogo clínico e mestre em Cognição Humana pela PUC-RS.

Claro que não é só a metodologia usada pelos diferentes profissionais que é importante. "Mais relevante para o tratamento é o vínculo estabelecido entre o paciente e psicoterapeuta", ressalta Emília Afrange, vice presidente da Associação Brasileira de Psicoterapia (ABRAP). Ainda assim, o perfil de cada pessoa pode se encaixar melhor em um determinado tipo de psicoterapia. Para ajudá-lo a escolher, elaboramos um guia com as mais comuns aqui no Brasil e de que forma elas trabalham:

Psicanálise freudiana

O autoconhecimento é a chave desse tipo de psicanálise, baseada no pensamento de Freud. "Ela foca o inconsciente e traz seus problemas para o consciente. Normalmente a consulta leva um tempo maior e o psicanalista aborda a história do paciente, suas relações familiares e principalmente a infância", ensina Priscila Gasparini, psicanalista da Universidade de São Paulo (USP). Normalmente o profissional não faz um direcionamento, deixando com que a pessoa decida sobre o que quer falar. Normalmente é indicada para pessoas que, mais do que simplesmente sanar um problema, estão atrás de descobrir a origem e a chave de suas questões e se conhecer mais.