Minha Vida - Saúde, Alimentação e Bem-Estar

Terror noturno é distúrbio do sono que afeta crianças

Participação dos pais é fundamental para o tratamento dos pequenos

Por Minha Vida - publicado em 26/01/2011


Pesadelos são comuns na infância, principalmente entre os três e cinco anos de idade. Mas podem se tornar um transtorno do sono, chamado de terror noturno, quando são seguidos de gritos, choros e pedidos de ajuda da criança para se livrar das fantasias que a assombram. "Esporadicamente, não tem problema. Os pais devem acalmar os filhos e colocá-los para dormir novamente. Mas, se acontecer mais de um susto por noite e com frequência, pode ser preocupante", explica a médica do Laboratório do Sono da Universidade Federal de São Paulo Márcia Hallinan.

Para resolver o problema, a participação dos pais é o quesito mais importante, diz a psicóloga Maria Cristina Capobianco. Primeiro, é preciso minimizar fatores agravantes, como irregularidades na hora de ir para a cama e de despertar e dieta à base de alimentos condimentados ou gordurosos. 

Terror noturno é distúrbio do sono que afeta crianças

É aconselhável não gritar com as crianças durante a crise ou acordá-los rapidamente. Caso contrário, o que duraria cerca de 15 segundos pode demorar a passar. "Se os pais estão dispostos a ouvir os relatos sem apavorar-se ou desvalorizá-los, estarão escutando o inconsciente da criança, que obviamente está trazendo algum apelo", afirma a terapeuta.

Outro recurso que os pais podem usar para ajudar a criança a lidar com o problema é a montagem de uma espécie de peça de teatro com a história do pesadelo. "A criança pode ser o monstro, os pais outra figura. E todos podem inventar um novo desenlace para a trama. Isso devolverá à criança seus poderes mágicos para lutar contra esses bichos assustadores", explica Maria Cristina. Com bebês, a orientação é segurá-los nos braços, conversando calmamente ou até cantando até que a sensação de terror diminua. 

Como fazer a criança dormir?

Nos casos em que as tentativas dos pais não funcionam, a participação de um psicólogo pode ser eficaz para que a criança não se sinta ameaçada e fragilizada diante das dificuldades.

Em quadros graves, o uso de antidepressivos tricíclicos e benzodiazepinas (diazepam) podem ser recomendados. Porém, pelo resultado desses medicamentos não ser garantido, é recomendável evitar essa opção ao máximo.

Os pesadelos podem indicar dificuldades na dinâmica familiar. Crianças que presenciaram ou foram vítimas diretas de situações de violência doméstica, tiveram perdas de pessoas significativas ou sofreram abusos sexuais, entre outros traumas, podem apresentar uma intensificação dos sonhos ruins. Esse é um sinal de que a experiência vivida ainda precisa ser trabalhada. 

O terror noturno ainda pode ser desencadeado por situações estressantes, como mudança de escola, separação dos pais, perda de um bicho de estimação, briga com um irmão e dor de crescimento.

As consequências do terror noturno são sofrimento e angústia para a criança, além de possível desenvolvimento de insônia precoce. Medo de ficar no escuro, dormir sozinho e sonhar são outros problemas trazidos pelo distúrbio. 


Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

Shopping Vida Saudável

PUBLICIDADE

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."