Ácido fólico na gravidez pode reduzir risco de autismo em bebês

Estudo diz que suplementação adequada diminui em até 40% chances da doença

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 14/02/2013

Um estudo feito pela Universidade da Califórnia (EUA) concluiu que tomar suplementos alimentares de ácido fólico durante a gravidez reduz as chances de o bebê nascer com autismo. Os resultados foram publicados dia 13 de fevereiro no periódico The Journal of The American Association (JAMA) e fornecem evidências que reforçam a importância da suplementação dessa vitamina durante a gestação.

Os pesquisadores se basearam nos dados de 85.176 bebês inscritos no Estudo de Corte de Mães e Crianças Norueguesas, o maior trabalho já feito sobre a influência de fatores genéticos e ambientais na incidência de doenças neurológicas. Os pais dessas crianças também participaram da pesquisa. A equipe acompanhou as crianças entre três e dez anos após o seu nascimento e observou que 270 delas apresentaram algum transtorno do espectro autista.

Os resultados mostram que mães que fizeram uso de suplementos de ácido fólico antes e durante a gestação tiveram filhos com um risco até 40% menor de serem diagnosticados com autismo na infância. De acordo com os autores, o período de consumo da vitamina também é determinante na hora de prevenir doenças no bebê - na pesquisa, apenas mulheres que tomaram os suplementos desde as quatro semanas antes de engravidar até oito semanas após o início da gestação apresentaram redução no risco.

11 nutrientes que não podem faltar no prato da gestante
Durante a gravidez, a mulher deve adotar e mudar uma série de hábitos, principalmente alimentares. Afinal, o crescimento e o desenvolvimento do feto dependem exclusivamente da nutrição materna. Segundo a nutricionista Amanda Epifânio, do Citen, a necessidade de consumir diversas vitaminas e minerais é ainda maior durante a gestação e as deficiências nutricionais podem provocar desde um peso abaixo do ideal no recém-nascido até uma má formação fetal. "Algumas grávidas, inclusive, requerem atenção especial e suplementação além da alimentação", conta. Confira abaixo o cardápio que não pode faltar na dieta da gestante e por que esses nutrientes são tão importantes:

Vitamina C

A gestante deve consumir cerca de 85mg por dia desse nutriente, pois, segundo a nutricionista Simone Freire, ele participa da formação do colágeno e auxilia na formação dos ossos, juntamente com outros minerais e vitaminas. "Essa recomendação é fácil de ser atingida, visto que os alimentos ricos em vitamina C são facilmente encontrados no Brasil", diz. A gestante deve ingerir frutas como acerola, goiaba, laranja, abacaxi, kiwi e caju.