Hábitos alimentares na infância podem aumentar riscos cardiovasculares no futuro, diz estudo

Cientistas verificaram uma ligação entre maus hábitos à mesa e riscos de apresentar doenças do coração

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 18/06/2013

Alguns pais já aprenderam a cuidar do que está no prato dos seus filhos, afinal o bom exemplo do que se deve ou não comer começa desde cedo. Mas um novo estudo publicado no Canadian Medical Association Journal dia 17 de julho mostrou que os responsáveis devem ficar de olho também na forma como as crianças estão comendo.

Os pesquisadores enviaram questionários padrão NutriSTEP aos pais de 1.076 crianças entre 3 e 5 anos de idade. Além de questionar sobre o que os pequenos comiam, a lista de perguntas abordava também alguns hábitos, como fazer as refeições diante da televisão, beliscar, e comer junk food por exemplo. O próprio sistema já traz uma pontuação com os riscos gerais para saúde que tais comportamentos podem trazer.

A diferença é que os estudiosos cruzaram os resultados com a quantidade sérica de colesterol HDL no sangue, usada para prever nas crianças quais as chances de elas terem doenças cardiovasculares na vida adulta. E os resultados mostraram que quanto menor a pontuação do teste, maiores os indicadores de problemas do coração no futuro. Mesmo quando eles ajustaram os resultados de acordo com dados como peso, altura e etnia das crianças e dos pais, a relação continuava.

Evite também a obesidade
O sobrepeso na infância pode influenciar os ponteiros na balança da idade adulta, e problemas como colesterol alto nessa fase. Para prevenir antes dele ter que remediar, veja como proteger seu filho da obesidade infantil.

Alimentos congelados

Hambúrgueres, empanados de frango, lasanhas e outras refeições prontas podem levar a obesidade, hipertensão e aumento do risco de doenças cardiovasculares. Segundo a nutricionista Raquel Maranhão, da empresa BeSlim, esse tipo de alimento possui um alto teor de gordura, sódio e conservantes. "O ideal é consumi-los, no máximo, uma vez por semana e prepara-los grelhados ou assados ao forno, evitando a adição de óleos e molhos gordurosos", diz. A frequência com que esses alimentos devem ser consumidos é de uma a duas vezes ao mês.