PUBLICIDADE

Consumo de fast food aumenta o risco de asma em crianças

Alimentação inadequada pode aumentar em até 39% as chances da doença

Um estudo feito pela Universidade de Auckland, Nova Zelândia, mostra que o consumo de fast food - como hambúrguer e batata frita - pode aumentar o risco de crianças sofrerem com asma, rinite e eczema. O trabalho faz parte do Estudo Internacional de Asma e Alergias na infância, que envolve dezenas de países e quase 2 milhões de crianças. Os resultados foram publicados na edição de Janeiro da revista Thorax.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Foram coletados dados de 319.196 adolescentes de 51 países e de 181.631 crianças de 31 países, incluindo o Brasil. Totalizando 500.827 participantes, o trabalho foi baseado em questionários sobre os sintomas das três doenças preenchidos por adolescentes de 13 e 14 anos e pelos pais ou responsáveis por crianças de seis e sete anos.

Tanto adolescentes como crianças tiveram menos ataques severos de asma caso tivessem o hábito de comer três ou mais porções de frutas durante a semana. Em compensação, o consumo de fast food três vezes por semana ou mais aumentava o risco de asma, rinite ou eczema em 39% nos adolescentes e em 27% nas crianças. Os autores sugerem que os efeitos da alimentação no sistema de imunológico podem causar essas complicações. Como se sabe, alimentos do tipo fast food têm maior quantidade de ácidos graxos, enquanto as frutas são ricas em antioxidantes.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Apesar da grande diferença entre os países do estudo em termos de hábitos de alimentação e renda familiar, os resultados não mostraram grandes difenrenças, especialmente entre adolescentes. Parte da resposta pode estar no fato de adolescentes terem maior controle sobre o que comem, enquanto que a dieta de crianças depende mais de escolhas dos pais.

Previna crises de alergia nas crianças

É fácil saber se o seu filho tem predisposição genética a alergias: basta olhar o histórico familiar. Se o casal tiver o problema, o risco para a criança passa a ser sete vezes maior. Mas isso não quer dizer que ele terá alguma crise logo nos primeiros meses de vida. "Normalmente, os primeiros acessos de alergia ocorrem antes dos dez anos de idade, mas podem aparecer até na fase adulta", afirma o pediatra Antonio Carlos Turner, coordenador do serviço de Pediatria do Hospital Balbino (RJ) e membro da Sociedade Brasileira de Imunizações. Existe uma lista de hábitos capazes de retardar ou até evitar o desenvolvimento de quadros alérgicos:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Amamentação exclusiva até os seis meses de vida

Essa recomendação é unânime entre os especialistas: a amamentação fornece anticorpos e nutrientes que aumentam a proteção do bebê contra alergias. Leite de vaca ou qualquer outro alimento não tem tantos benefícios assim.

Animais de estimação

Há alguns estudos indicando que a criança que tem contato com bicho de estimação desde pequena pode ficar mais resistente a alergias. A alergista Ana Paula Castro, diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI), recomenda evitar que os animais com pelos e penas fiquem dentro do quarto da criança, principalmente na hora de dormir. "Fique atento também se a criança costuma espirrar, coçar os olhos ou ter outros sintomas de alergia quando brinca com o bicho."

Acompanhamento pediátrico

O pediatra também ajuda a mãe a perceber sintomas de alergias na criança. Por isso, o bebê deve ser levado ao médico uma vez por mês até chegar aos seis meses de vida. Depois dessa fase, a consulta pode ser mais espaçada, de acordo com a orientação do especialista.

Alimentação adequada

Vitaminas, minerais e outros nutrientes devem fazer parte do prato da criança para deixá-la sempre com as defesas do organismo prontas para combater agentes do ambiente que causem alergias. Inclua no cardápio frutas, legumes, verduras, peixe e castanhas.

Crie um "quarto hipoalérgico"

Para evitar rinite alérgica, elimine os focos de mofo e os objetos que acumulam ácaro, poeira e outros alérgenos, como cortinas de tecido, almofadas, tapetes peludos e bichos de pelúcia. As janelas precisam ser abertas todos os dias a fim de deixar o ambiente ventilado. Para evitar irritações na mucosa nasal por causa do cheiro forte de produtos de limpeza, mantenha a criança fora do quarto até uma hora após a limpeza.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Incentive o seu filho a fazer natação

A natação é uma ótima atividade para fortalecer os músculos e aumentar a resistência do sistema respiratório e cardiovascular, ajudando a prevenir asma e outras alergias respiratórias. Se nadar não for o hábito predileto do seu filho, incentive outra atividade física que ele goste - todo exercício traz benefícios ao aparelho cardiorrespiratório da criança.