Minha Vida - Saúde, Alimentação e Bem-Estar

Adote sete medidas antes de usar a bicicleta para ir trabalhar

Tomar cuidado com o horário e com o clima ajuda na hora de deixar o carro na garagem

Por Fernando Menezes - atualizado em 14/04/2011


As horas perdidas no trânsito e a preocupação em preservar o meio ambiente são apenas dois bons motivos para quem quer largar o carro e adotar a bicicleta como novo meio de transporte. Mas, quem quer ir pedalando para o trabalho ou para qualquer compromisso deve seguir a cartilha dos adeptos da magrela para evitar surpresas desagradáveis durante o trajeto.

"Quando comecei a usar a bicicleta para trabalhar, levei algum tempo para aprender alguns cuidados que me livrariam de problemas", diz Ian Thomas, produtor de vídeos que usa a bicicleta como meio de transporte há cinco anos, depois de perceber que demorava muito para chegar aos lugares de carro.

de 7

Casal de bicicleta - Foto Getty Images

Acostume-se com a ideia
A substituição definitiva do carro pela bicicleta não precisa ser feita sem aviso prévio. Comece aos poucos. É preciso que antes de usá-la para ir ao trabalho, você se acostume com o esforço e ao percurso que fará. "Se não houver preparação, você vai chegar suado, cansado e estressado no seu ambiente profissional. Isso só provocaria desânimo e vontade de voltar a andar de carro. O ideal é que você se acostume a pedalar no dia a dia antes de adotar a bicicleta como um meio de locomoção", explica Ana Paula Cross Neuman, farmacêutica que tirou o carro da rotina há dois anos para ter uma vida mais saudável.

Mas, antes de incluir a bicicleta no cotidiano, faça um treino de adaptação. O ciclista deve adaptar sua rotina ao novo meio de transporte. Uma boa alternativa para a fase de transição e para entrar no ritmo é pedalar em grupo. "A partir do momento que o ciclista passa a ter mais segurança, ela vai aproveitar cada pedalada até o trabalho", diz Ian.

Mulher de bicicleta - Foto Getty Images

Cuidado com a roupa
A roupa que você usa para pedalar também faz toda diferença. Lembre-se: você está ao ar livre e fazendo esforço, logo vai transpirar. Para quem vai de bike até o trabalho, a solução é deixar algumas peças de roupa no local de trabalho. Assim, mesmo que sue bastante, basta trocar de roupa quando chegar. "Eu pedalo todos os dias com gravata, camisa, calça social e sapato. Só deixo o paletó no escritório, para não ter que dobrá-lo todo o dia para colocar na mochila", diz Ian.

Outra dica é equipar a bicicleta com um alforge (o porta-malas da magrela). "É muito fácil colocar o terno nesse compartimento. É só dobrar a roupa direitinho que ela não fica amassada", explica Ian. Colocar cestas ou alforges na bicicleta aumenta a praticidade da bicicleta. Fica mais fácil levar roupas e assessórios como laptops, bolsas, carteiras e até mochilas para onde quer que vá. "Eu uso uma cesta na frente da bicicleta. Costumo deixar a minha bolsa ali, para não andar com nada nas costas", conta Ana Paula.

Para as mulheres, valem os mesmos cuidados. No entanto, cada ciclista deve identificar o que traz mais conforto e segurança. Ana Paula, por exemplo, pedala até de salto. "Eu não encontro dificuldades, mas para aquelas que se incomodam uma dica é sempre deixar um par de sapatos embaixo da mesa do trabalho e pedalar de tênis", recomenda ela.

Homem olhando o relógio - Foto Getty Images

Use o tempo ao seu favor
Mesmo que o trajeto de casa para o trabalho feito de bicicleta seja muitas vezes mais rápido do que de carro, principalmente por causa do trânsito, é aconselhável sair do seu local de origem com pelo menos 15 minutos de folga. Assim, você ganha tempo para se recompor quando chegar ao destino final. Além disso, usar a bicicleta como meio de transporte é diferente de usá-la para fazer exercício. O ritmo deve ser mais lento, já que pedalar muito rápido faz com que o corpo transpire mais.

Um benefício da bicicleta é que o tempo gasto em um determinado trajeto é muito parecido todos os dias. "Eu sei que vou gastar 20 minutos todos os dias para chegar ao trabalho. Com o carro ou de ônibus demorava uma hora, no mínimo. Como sempre levo o mesmo tempo, é muito mais fácil me programar, não pedalar muito rápido, e ter uma brecha no horário para me arrumar", diz Ana Paula.

Só que tem um detalhe importante para o seu roteiro feito com a bike: nem sempre o caminho mais rápido de carro é o melhor para fazer com a bicicleta. De acordo com Ian, fazer o trajeto várias vezes durante finais de semana ajuda na hora de escolher a melhor rota. "Muitas vezes o caminho feito pelo carro é mais longo e passa por mais subidas, o que não é muito prático para quem vai de bicicleta. Por isso, quase sempre evito avenidas e opto por ruas mais tranquilas como trajeto. Dessa forma, eu fujo do tráfego e conheço lugares da cidade que não conheceria se estivesse de carro", completa Ian.

Mulher com guarda-chuva - Foto Getty Images

Fique atento ao clima
Para fugir da chuva, crie o costume de seguir a previsão do tempo. E tenha sempre à mão um plano B. "Na minha mochila, sempre levo uma capa de chuva e uma roupa reserva quando o clima está nublado. Não é legal chegar ao trabalho ou a um compromisso todo molhado", diz João Evangelista, serralheiro que há 20 anos usa a bicicleta- que ele mesmo fez- como meio de transporte.

Quando o clima está muito seco e quente, é fundamental se prevenir. Use filtro solar e óculos escuros para se proteger dos raios ultravioletas, e sobretudo evite pedalar nos horários em que o sol está mais forte. "Procuro não sair de casa das 11:00 às 13:00, porque, além de ficar muito suada e cansada, pedalar nessas condições pode causar desidratação, provocando quedas no meio da rua", diz Ana Paula.

Homem com capacete de bicicleta - Foto Getty Images

Saiba usar acessórios
Capacete e luva são acessórios indispensáveis para quem quer começar a andar de bicicleta. Proteger a cabeça de um impacto e manter as mãos secas e firmes são dicas de segurança apontadas por todos os ciclistas. No entanto, é preciso escolher os equipamentos certos, principalmente no caso das mulheres. "Eu vou maquiada e com o cabelo já arrumado para as reuniões do meu trabalho. Um capacete que ficasse totalmente fechado iria desarrumar meu cabelo. Por isso, optei por um capacete que, além de seguro, é aberto, ventilando meu rosto e meu cabelo", diz Ana Paula.

Placa de bicicleta no metrô - Foto Getty Images

Tenha sempre um plano B
A bicicleta é um ótimo meio de transporte, mas nem sempre dá conta do recado. Em algumas ocasiões é preciso saber aliar a magrela como o transporte público. "Quando a chuva é forte, está muito calor ou vou para um lugar que é muito longe de minha casa, procuro estações de metrô que tenham estacionamento especial para bicicleta", conta Ana Paula.

Além disso, ter um dinheiro no bolso para pegar um metrô ou um táxi caso aconteça algum imprevisto com a bicicleta pode evitar muitos problemas. "Às vezes, por causa do clima, sou obrigado a deixar a bicicleta no estacionamento do trabalho. Quando isso acontece, volto para casa de ônibus e pego a minha bike no dia seguinte", comenta Aline Cavalcante, jornalista que há dois anos começou a usar a bicicleta depois de mudar de Aracajú para São Paulo.

Grupo indo para o trabalho de bicicleta - Foto Getty Images

Incentive mais pessoas
Fica mais fácil usar a bicicleta quando mais pessoas do seu convívio têm o mesmo hábito. "Demorei muito para conseguir convencer meus chefes que era melhor ir de bicicleta para o trabalho, já que era a empresa que pagava o combustível do meu carro. Mas eles pararam de implicar com isso depois de verem que eu não chegava atrasada, ficava mais bem disposta e quando outras três pessoas do escritório começaram a fazer o mesmo", lembra Ana Paula.

ver texto completo


Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

Mais sobre:

Shopping Vida Saudável

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

siga o minha vida e melhore sua qualidade de vida

Saiba mais

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."