Alterações hormonais favorecem dificuldade para emagrecer

Resistência a substâncias como a leptina aumentam a fome e causam aumento de peso

POR LAURA TAVARES - ATUALIZADO EM 14/10/2016

A descoberta do hormônio irisina no começo deste ano foi um marco no mundo da medicina. A substância, produzida pelas células musculares, é capaz de acelerar o metabolismo de um tipo de tecido adiposo, aumentando o gasto energético do corpo, o que leva, consequentemente, à perda de peso. Mas, por enquanto, o efeito só pode ser comprovado em camundongos graças a um estudo conduzido pela Harvard University, nos Estados Unidos.

Para o endocrinologista Henrique Suplicy, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), a novidade é promissora, mas ainda depende de muitas pesquisas para, quem sabe, começar a ser usada em pessoas acima do peso. Enquanto o sonho não se concretiza, listamos abaixo os sete principais hormônios ligados ao ponteiro da balança. Saiba como se dá sua ação e quais condições podem inibir sua produção.

Leptina, o hormônio da fome

"Produzida no tecido adiposo, a leptina é um hormônio que inibe o apetite", aponta a endocrinologista Glaucia Carneiro, do ambulatório de obesidade da Unifesp. Ela é constantemente liberada no organismo, por isso não tem qualquer relação com a ingestão de alimentos. Em pessoas com obesidade, entretanto, o hormônio não consegue exercer seu papel. "Embora pessoas com esta condição produzam mais leptina, há resistência do organismo sobre sua ação, fazendo com que o paciente esteja sempre com fome", complementa.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.