Inca estima 576 mil novos casos de câncer para 2014

Pesquisa, feita em parceria com Ministério da Saúde, divulga dados sobre a doença no Brasil

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 27/11/2013

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) em parceira com o Ministério da Saúde divulgou, no Dia Mundial de Combate ao Câncer (27 de Novembro) as estimativas para o câncer em 2014. Segundo os órgãos, estão previstos 576 mil casos novos de câncer no Brasil para esse ano. Essa estimativa é divulgada pelo Inca a cada dois anos, sendo que, para 2011 e 2012, a expectativa era de 520 mil novos casos - mostrando um crescimento de aproximadamente 10% entre um levantamento e outro.

O tumor mais incidente é o câncer de pele do tipo não melanoma (182 mil casos), seguido pelos cânceres de próstata (68,8 mil), mama (57,1 mil), intestino (33 mil) e pulmão (27 mil). O Ministério também aponta que mais homens vão ser atingidos pela doença em 2014 - aproximadamente 204 mil novos casos para o sexo masculino, enquanto as mulheres terá em torno de 190 mil. Além disso, essa é a primeira vez que o câncer de colo de útero caiu da segunda para a terceira posição entre os mais incidentes nas mulheres, ficando atrás dos tumores de pele e mama.

A pesquisa também apontou a queda do número de casos de câncer de pulmão no país. Em 2010, o número de casos previsto era de 17.800. Para 2014, a expectativa é de 16.400 novos casos da doença. Um dado preocupante, no entanto, mostra um aumento desse tipo de tumor entre o sexo feminino. Isso é um reflexo dos altos índices de tabagismo que também tem afetado as mulheres nos últimos anos. Além disso, os cânceres de cólon e reto também apresentaram crescimento.

O ministro Alexandre Padilha reforça a atenção que os profissionais de saúde devem ter com a doença e sempre pensar nessa possibilidade durante o atendimento de um paciente. "Aumento da expectativa de vida da população reforça importância de trabalharmos com prevenção", diz. Ele afirma que o primeiro passo para vencermos o câncer é combater o preconceito. "É muito importante que as pessoas façam exames", completa.

Brasileiro superestima a gravidade do câncer
Uma pesquisa Datafolha feita a pedido do Instituto Oncoguia constatou que a população brasileira acredita que o câncer e a Aids matam mais que as doenças cardiovasculares - primeira causa de mortes no país. Foram entrevistadas 2.571 pessoas em todas as regiões do país. Entre os participantes, 59% afirmou que o câncer era a principal causa de mortes no país, já 17% afirmaram que a Aids matava mais do que as doenças cardiovasculares. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Segunda causa de mortalidade, o câncer é responsável por 17% das mortes. Já as doenças do aparelho circulatório, como derrame e infarto, respondem por 31%. Segundo informações da pesquisa, a desinformação é maior entre o público feminino, que teme o câncer ginecológico, mas não as doenças do coração, que são as que mais matam as mulheres.

Adote dez passos para prevenir vários tipos de câncer
O câncer é a segunda maior causa de mortes no Brasil, perdendo apenas para doenças cardiovasculares - como infarto e hipertensão. Isso se deve, principalmente, à maior exposição aos fatores de risco, como o cigarro e o abuso do álcool. Em contrapartida, quem segue uma vida mais saudável consegue prevenir-se e diminuir os riscos de ter a doença. Para estimular a população na luta pelo controle e prevenção, o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) lançou uma cartilha listando os dez passos que afastam a doença:

1. Não fume

Segundo estatísticas do Inca (Instituto Nacional de Câncer), o tabagismo é a principal causa de câncer evitável no mundo. Ao queimar o cigarro, as consequências são sentidas não apenas por quem fuma, mas também por todos ao seu redor. Para se ter uma ideia, 90% dos casos de câncer de pulmão tem o cigarro como responsável - os outros 10% são decorrentes do fumo passivo. O tabagismo também é o grande culpado por 30% da ocorrência de outros tipos de câncer, como boca, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero e leucemia.

O cigarro carrega cerca de 4720 substâncias, sendo mais de 400 delas altamente cancerígenas. Algumas delas, como o benzeno, estão ligada ao câncer de fígado e leucemia. Já o alcatrão está diretamente relacionado aos cânceres de pulmão, vias aéreas, brônquios e bexiga. Veja aqui como as substâncias do cigarro afetam o organismo.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.