Diabetes tipo 2 está relacionada ao aparecimento de doenças mentais, mostra estudo

Quem tem a condição apresenta um quadro de inflamação no corpo, que dificulta a passagem do sangue para o cérebro e causa o declínio cognitivo

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 28/07/2015

O diabetes tipo 2 é uma doença ligada cada vez mais comum e que pode desencadear diversas outras complicações no organismo, como hipertensão, neuropatia diabética, retinopatia diabética, entre outras... Agora os médicos podem adicionar mais um mal a esta lista: demências, como o Alzheimer! Pelo menos foi o que demonstrou um estudo publicado na edição de julho da revista cientifica Neurology.

Para essa pesquisa, os cientistas selecionaram 65 participantes com uma média de 66 anos, metade deles com diabetes tipo 2 diagnosticada. Eles mediram então perfusão cerebral e reatividade dos vasos cerebrais (ou seja, sua capacidade de se contrair em resposta a estímulos) em um intervalo de dois anos. Nesse período os especialistas perceberam que os pacientes com diabetes tinham uma redução de 12% na reatividade dos vasos cerebrais e também um declínio em tarefas cognitivas múltiplas, em comparação aos outros participantes do estudo.

Ou seja, o quadro de inflamação típico da diabetes tipo 2 danifica a irrigação sanguínea do cérebro, favorecendo o declínio da função executiva e a performance em atividades diárias de idosos com a doença, e isso pode ser percebido mesmo em um intervalo de dois anos, que pode ser considerado curto. Isso pode levar a doenças mentais, principalmente alguns tipos de demência, como o Alzheimer.

Prevenir é melhor do que remediar
Por sorte a diabetes tipo 2 é uma doença muito relacionado a estilo de vida. Ter uma alimentação balanceada e praticar exercícios são apenas algumas formas de prevenir o problema, mesmo que você tenha histórico familiar. Veja as principais formas de evitar a diabetes tipo 2:

Tenha uma alimentação equilibrada

"A alimentação é um dos pilares mais importantes na prevenção do diabetes", afirma o endocrinologista Fádlo Fraige, presidente da Associação Nacional de Assistência ao Diabético (Anad). Isso porque o excesso de peso é um fator de risco para a doença. "Ingerindo mais calorias do que se gasta, a tendência é que o ponteiro da balança suba", explica. Por isso, elabore refeições ricas em verduras, legumes e frutas e modere no consumo de carboidratos e proteínas.

Que fique bem claro: comer doce não causa diabetes. "O que favorece o diabetes é o sobrepeso e a obesidade, que podem acontecer graças à ingestão excessiva de doces", explica o endocrinologista Balduíno. Por isso, maneire no consumo. A recomendação merece atenção especial apenas por quem já é portador do diabetes. "Neste caso, a taxa de glicose no sangue pode ficar muito alta, ocasionando a chamada hiperglicemia", complementa.