publicidade

Vinho e cerveja ajudam o aparelho digestivo a trabalhar mais rápido

Bebidas estimulam formação de ácidos no estômago e aceleram o seu esvaziamento

Por Minha Vida - publicado em 03/12/2010


De tempos em tempos surgem pesquisas que apontam algum tipo de alimento ou bebida como um vilão injustiçado. Foi assim com o café, o chocolate e o ovo. Primeiramente vistos como uma ameaça à saúde, eles recebem a absolvição depois de estudados por equipes de pesquisadores. A contradição entre o que era proibido por fazer mal ao organismo e descobertas que aliviam a fama dos escolhidos confunde as pessoas. A cerveja e o vinho fazem parte dos itens que já foram considerados um veneno ao corpo e que agora gozam de uma boa fama.

Cientistas anunciaram que bebidas alcoólicas aceleram o esvaziamento de alimentos do estômago e estimulam o ácido gástrico. 

Refrigerante light prejudica a dieta?

De acordo com um estudo realizado por pesquisadores alemães, publicado no jornal Gut, o efeito benéfico acontece somente a partir de bebidas fermentadas (vinho e cerveja), mas não a partir de bebidas que eram fermentadas e também destiladas, como rum, conhaque e uísque. "Os elementos constituintes da bebida alcoólica que estimulam a liberação de ácido gástrico são, em sua maioria, provavelmente produzidos durante o processo de fermentação e removidos durante a destilação", diz a pesquisa.

Um outro estudo relacionado aos benefícios de bebidas alcóolicas no funcionamento do organismo aponta que o consumo moderado de álcool pode reduzir o risco de infecção por Helicobacter pylori, bactéria associada a úlceras gástricas. A pesquisa, publicada no American Journal of Gastroenterology, foi conduzida por cientistas da Universidade Queen, em Belfast. Segundo o resultado do estudo, agentes antibacterianos presentes na cerveja e no vinho podem manter a infecção sob controle. Porém, eles alertaram que pessoas com úlceras devem evitar o álcool, que é capaz de agravar a dor.  

Bebidas estimulam formação de ácidos no estômago

De acordo com o gastroenterologista Bruno Daniel Chaves, ter prudência na hora de encher o copo ou a taça é extremamente necessário para que tanto o vinho quanto a cerveja possam, de fato, fazer bem a saúde. O especialista explica que a moderação evita que outros órgãos do corpo sejam sobrecarregados. "Se houver uma ingestão contínua de álcool, o fígado será afetado. Já em episódios ocasionais, como um happy hour, o grande prejudicado é o estômago, que fica irritado e pode até provocar uma gastrite alcoólica", diz.

Porém, ele ressalta, ingerir bebidas em quantidades razoáveis faz com que a resistência do corpo aumente dando possibilidade ao organismo de se beneficiar com as bebidas. "Os homens são mais resistente que as mulheres. Elas são mais sensíveis ao álcool por causa dos hormônios", conta. Segundo Chaves, homens podem beber até 80 gramas (pouco mais de um litro) de cerveja por dia sem que o corpo sofra os danos do álcool. Já as mulheres, é seguro ingerir 60 gramas (pouco mais de 600ml da bebida).  

A harmonia entre o vinho tinto e a carne vermelha também é explicada pelo estudo alemão. Segundo o levantamento, a proteína suaviza as taninas do vinho tinto e ajuda a contrabalancear substâncias potencialmente prejudiciais - gorduras oxidadas chamadas de MDA, ou malonaldeídos, que são liberadas quando a carne é ingerida.

Assim como a cerveja, a quantidade ingerida deve ser controlada para não prejudicar a saúde. De acordo com Bruno, não é recomendável ultrapassar os 480 ml diários. O ideal, diz o especialista, é beber apenas uma taça de 250 ml. 



Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.
Este conteúdo ajudou você? Já ajudou você e + 1254 pessoa(s) Já avaliou

Imprima

Erro

erro

Comente

Compartilhe

Mais sobre:

Shopping Vida Saudável

PUBLICIDADE

Copyright 2006/2014 Minha Vida - Todos os direitos reservados

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."


Você está usando uma versão antiga do seu navegador :( Para obter uma melhor experiência, atualize agora!
X