Causas e prevenção da osteoporose

Entenda mais sobre a doença

POR MINHA VIDA - PUBLICADO EM 20/07/2007

Causas e prevenção
Apesar de não se saber a causa exata da osteoporose, é conhecida a forma como a doença se desenvolve. Os ossos são feitos de um material vivo que se renova constantemente. Uma casca dura o osso cortical envolve uma camada mais esponjosa o osso trabecular. Quando um osso fica enfraquecido pela tuberculose, os buracos na esponja ficam maiores e mais numerosos, enfraquecendo a estrutura interna do osso. Normalmente, aos 25 anos, a pessoa atinge o nível máximo de densidade óssea. Até os 30 anos, uma pessoa quase sempre gera mais osso do que perde. Com a idade, entretanto, o processo começa a se inverter, resultando numa perda gradual de massa óssea. É normal perder de 0,3% a 0,5% de densidade óssea por ano. Uma vez que essa perda atinja um determinado nível, a pessoa tem osteoporose. O estrogênio é importante para manter a densidade óssea nas mulheres. Quando o nível de estrogênio cai, a perda óssea passa a ser mais intensa. Depois da menopausa, a perda óssea se acelera para entre 2% e 4% ao ano. Esta aceleração a partir da menopausa é a principal causa de osteoporose entre mulheres.

Causas de fraturas na espinha
Se você tem mais de 60 anos e sofre de dor nas costas, não pense que isso é normal, que faz parte   do envelhecimento. A dor pode ser um sinal de pequenas fraturas que estão ocorrendo na coluna vertebral. Se seu osso estiver enfraquecido, atividades diárias podem causar fraturas na espinha. Isso pode acontecer quando você erguer um objeto, tropeçar, escorregar no tapete etc. Até tossir e roncar pode provocar fraturas. Depois de um certo número de pequenas fraturas, seu corpo começa a mostrar os efeitos, como o colapso de uma vértebra. Com isso, a pessoa pode ter até problemas respiratórios. Estudos indicam que pessoas que sofrem de fraturas na espinha têm um risco 23% maior de morrer.
 
Quem pode desenvolver osteoporose?
Importantes fatores de risco são: Idade: Ao redor dos 30 anos, a massa óssea começa naturalmente a declinar

Sexo: mulheres acima dos 50 anos têm mais risco de desenvolver osteoporose. Em geral, as mulheres estão quatro vezes mais propensas a desenvolver osteoporose. O fato de as mulheres serem mais leves, com ossos mais finos e terem maior expectativa de vida são alguns dos fatores que contribuem para isso
Estrutura óssea e peso: pessoas miúdas têm um risco maior de desenvolver osteoporose. Isso se justifica em parte pelo fato de elas terem menos ossos a perder
Histórico familiar: a hereditariedade é um dos mais importantes fatores de risco para a osteoporose
Histórico de fraturas
Medicamentos: alguns medicamentos, como os esteróides (usados em homens que não fabricam suficiente testosterona), podem aumentar o risco de desenvolver a doença

Quem deve fazer exames para verificar a densidade óssea?
Todas as mulheres com mais de 65 anos Mulheres com menos de 65 anos que tenham histórico de osteoporose na família, histórico de fratura antes dos 50 anos e que sejam fumantes
Quem está abaixo peso
Quem toma remédio que cause perda óssea
Quem tem doenças que possam agravar ou levar à osteoporose: hipertireodismo, doenças crônicas do pulmão, hiperparatireodismo, câncer, doenças que levem a uma baixa absorção intestinal, hepatite crônica, doenças renais, síndrome de Cushing (distúrbio endócrino), esclerose múltipla, artrite reumática, endometriose, deficiência de vitamina D, sarcoidose e hemocromatose

O cigarro e a osteoporose
Há mais de 20 anos o cigarro foi identificado como um fator de risco para a osteoporose. Estudos recentes mostram alguma forma de correlação entre o tabaco e a queda da densidade óssea. Porém, analisar o impacto do cigarro no osso é difícil. Não se sabe se a redução da massa óssea se deve ao cigarro em si ao a outros fatores de risco comuns aos fumantes, como beber mais, se exercitar menos e ter dietas alimentares pobres. Mulheres que fumam também tendem a entrar na menopausa antes. De qualquer forma, a melhor coisa que um fumante pode fazer para proteger seus ossos é largar o vício.

O álcool e a depressão
O álcool impacta a saúde óssea por diversos motivos. Para começar, o excesso de álcool interfere no balanceamento do cálcio, um nutriente essencial para os ossos. Também aumenta os níveis do hormônio paratireoidano (PTH), o que por sua vez reduz as reservas de cálcio do corpo. Outro ponto negativo é que o álcool interfere na produção da vitamina D, essencial para a absorção de cálcio. Além disso, tanto em homens quanto em mulheres, a bebida em exagero altera os níveis hormonais.

Nos homens, reduz a produção de testosterona, um hormônio relacionado à produção de células que estimulam a formação dos ossos. Nas mulheres, leva o ciclo menstrual a ficar irregular, um fator que diminui os níveis de estrogênio, aumentando o risco de osteoporose. O volume de cortisol também tende a se elevar em pessoas alcoólatras. O cortisol é conhecido por reduzir a formação dos ossos e aumentar a possibilidade de fraturas. Outro ponto a ser considerado é que o álcool leva à tontura e à falta de equilíbrio. Por isso quem bebe mais tende a cair mais, elevando o risco de fratura.

Alimentação x osteoporose

 Excesso de exercícios e osteoporose
Você está se exercitando demais? Comendo de menos? Sua menstruação está irregular ou parou? Em caso positivo, você pode estar se arriscando, prejudicando sua saúde, sua habilidade de continuar ativo e o risco de se machucar. Além disso, pode aumentar suas chances de desenvolver osteoporose. A falta ou irregularidade da menstruação leva à queda dos níveis de estrogênio. Quanto mais baixo estiver esse hormônio, maior o risco de se ter osteoporose. Por esses motivos, preste atenção se você não está exagerando nos exercícios por pura vaidade. Lembre-se de sempre fazer as coisas na medida certa.

Osteoporose em homens
A osteoporose não ocorre apenas em mulheres. É uma doença que ataca ambos os sexos. Quatro em cada dez mulheres e um em cada dez homens quebra uma costela, a espinha ou o pulso. Mas, diferentemente do que acontece com as mulheres, nos homens, a osteoporose é normalmente uma doença secundária, ou seja, causada por outros distúrbios. Isso porque aos chegar aos 30 anos, idade em que os ossos atingem seu auge, o homem tem uma quantidade maior de massa óssea do que a mulher. Assim, é mais difícil de seu osso se fragilizar. Além disso, eles não sofrem com a menopausa. Apenas um problema genético pode levar à queda dos níveis de estrogênio nos homens.

Acredita-se que os principais fatores causadores da osteoporose em homens seja o abuso do álcool e o uso de glicocorticóides (hormônios). O baixo nível de testosterona pode ser outra explicação. Mas boa parte dos casos de osteoporose masculina ainda permanece sem explicação. Como a osteoporose é mais rara em homens, muitas vezes ela não é diagnosticada. Isso eleva o risco de ocorrência de novas fraturas.

Estratégias de prevenção

Pare de fumar
A melhor coisa que um fumante pode fazer por seus ossos é parar de fumar. Mesmo que tarde na vida, isso pode limitar a perda óssea.
Tenha uma dieta balanceada, rica em cálcio e vitamina D
Boas fontes de cálcio incluem produtos lácteos com pouca gordura, folhas, comidas e bebidas enriquecidas com cálcio. Os suplementos também podem ajudá-lo a ingerir a quantidade adequada de cálcio. A vitamina D é essencial, já que ela ajuda na absorção do cálcio. Ela pode ser obtida através da exposição ao sol, da comida e dos suplementos. Gema de ovo, peixe de água salgada e fígado são boas fontes de vitamina D.
Exercícios
Assim como os músculos, os ossos são um tecido vivo que fica mais forte com os exercícios. Atividades que forçam seu corpo contra a gravidade e tenham algum impacto como solo são os melhores para os ossos. Alguns exemplos são: caminhada, subir escada, dançar e levantar peso. Evite o consumo excessivo de álcool
Beber muito está associado ao aumento de fraturas nas costelas, na espinha e no pulso. Beber álcool em excesso interfere no balanceamento do cálcio no corpo. Também afeta a produção de hormônios, que são uma proteção do osso e de vitaminas, que são essenciais para a absorção do cálcio. Muito álcool também pode levar a mais quedas e, por conseqüência, a mais fraturas. Converse com seu médico sobre o exame de densidade óssea
A densitometria mede a densidade dos ossos de várias partes do corpo. Os exames podem detectar a osteoporose antes que uma fratura ocorra e podem prever suas chances de quebrar um osso no futuro.
Verifique se os remédios são uma opção para você
Não há cura para a osteoporose. Contudo, há remédios disponíveis para a prevenção e o tratamento da doença. Seu médico pode dizer se a medicação é indica para seu caso.

Como eu posso prevenir a osteoporose?
Exercícios: Estabeleça um programa regular de exercícios. A atividade física torna seus músculos e ossos mais fortes e evita a perda de massa óssea. Exercícios com pesos feitos pelo menos três vezes por semana são os melhores para a prevenção da osteoporose
Coma alimentos com cálcio: Alimentar-se de comidas ricas em cálcio durante toda a vida ajuda a construir e manter ossos fortes. Excelentes fontes de cálcio são o leite e seus derivados, peixes enlatados, folhas de tom verde escuro (couve e brócolis, por exemplo), suco de laranja enriquecido com cálcio e pães feitos com farinhas enriquecidas
Suplementos: Para usar suplementos de cálcio, consulte seu médico. Certifique-se que não está ingerindo mais de 2.000 mg desta substância por dia. Isso pode causar pedras nos rins
Vitamina D: Essa vitamina é usada pelo corpo para absorver o cálcio. Ficar no sol por 20 minutos todos os dias ajuda a maioria das pessoas a absorver suficiente vitamina D
Medicamentos: Existem algumas drogas que previnem e tratam a osteoporose
Estrogênio: Esse hormônio produzido pelos ovários ajuda a evitar a perda de massa óssea. Repor o estrogênio depois da menopausa (quando os ovários param de produzir o hormônio) desacelera essa perda. Mas esse tratamento envolve riscos, por isso converse com seu médico
Evite certos medicamentos: Esteróides, alguns tratamentos para câncer de mama, anti-convulsivos, anti-coagulantes e medicamentos para tireóide aumentam a perda de massa óssea se não usados conforme recomendado. Converse com seu médico sobre como você pode reduzir seu risco através da dieta, exercícios ou até medicamentos
Outras medidas preventivas: Reduza a ingestão de álcool e não fume. Fumar leva seu corpo a produzir menos estrogênio, que protege os ossos. Muito álcool pode fragilizar seu osso

Como eu posso abastecer meu corpo de cálcio se eu sou intolerante à lactose?
Nesse caso, você pode acabar ingerindo uma quantidade menor de cálcio do que a necessária. Apesar de a maioria dos derivados de leite gerar rejeição, alguns iogurtes e queijos duros podem ser digeridos. Além disso, você pode comprar alimentos livres de lactose e que, ao mesmo tempo, são ricos em cálcio, como folhas, salmão e brócolis.

Quais são os exercícios de fortalecimento recomendados?
São todos aqueles que fazem seu músculo trabalhar contra a gravidade, como caminhada e subir escadas. Cerca de 30 minutos de exercício regular (de três a quatro vezes por semana) aliados a uma dieta saudável aumentam a massa muscular em pessoas jovens. Mas indivíduos mais velhos podem sofrer uma perda de massa óssea com os exercícios.

Fontes de cálcio
Produtos lácteos são ricos em cálcio, substância essencial para a construção e manutenção dos ossos fortes. Mas derivados de leite não são o único alimento capaz de prover cálcio. Veja qual é a recomendação diária de ingestão de cálcio para a sua idade:
3 a 10 anos: 800 mg ou três copos de leite*
11 a 24 anos: 1.200 mg ou quatro copos de leite*
Adultos: 800 mg ou três copos de leite*
Mulheres a partir dos 45 anos: 1.500 mg ou cinco copos de leite*
Mulheres grávidas ou que estejam amamentando: 1.200 mg ou quatro copos de leite*
*copo de 250 ml

O leite e seus derivados são os alimentos dos quais o organismo consegue melhor absorver o cálcio, além de serem os mais ricos. Entretanto, frutos secos e sardinhas também são boas fontes. Folhas verdes e cereais, como a aveia, contêm cálcio, mas são alimentos de má absorção de cálcio pelo corpo. Mesmo quando a osteoporose já está instalada em seu corpo, a ingestão de cálcio pode ser útil. Estudos mostram que mulheres com idade avançada que seguiram uma dieta rica em cálcio e em vitamina D conseguiram reduzir as fraturas.

Vitamina D e osteoporose
De nada adianta ingerir apenas cálcio para tratar a osteoporose. É preciso também absorver alimentos ricos em vitamina D porque:
Ela ajuda na absorção de cálcio pelo intestino
A falta de vitamina D causa osteomalacia, o amolecimento dos ossos
A combinação de cálcio e vitamina D aumenta a densidade óssea e reduz as fraturas em mulheres pós-menopausa

A vitamina D vem dos alimentos e também da pele. A produção de vitamina D pela pele depende da exposição ao sol. Pessoas que vivem em regiões ensolaradas podem produzir a maior parte da vitamina D que precisam pela pele. Por outro lado, quem não se expõe muito ao sol pode ter uma deficiência de vitamina D. Daí a importância de uma alimentação rica nesse nutriente. Caso você já tenha osteoporose, talvez seja recomendável conversar com seu médico sobre o uso de suplementos alimentares para aumentar a ingestão de vitamina D. O exagero na ingestão de vitamina D também perigoso. Pode levar à elevação da quantidade de cálcio no sangue e na urina e também causa pedras nos rins.

Como evitar fraturas na espinha
Para evitar futuras fraturas na espinha, é preciso tratar a osteoporose e começar a construir ossos mais fortes. Formas naturais de se fazer isso são: ingestão de mais cálcio e vitamina D e exercícios de fortalecimento. Você também pode tomar remédios para deter ou desacelerar a osteoporose, o que inclui:
Biofosfonatos: desaceleram a perda óssea, melhoram a densidade do osso e evitam fraturas. Para uma boa absorção, requerem que a pessoa esteja em jejum e fique de pé por pelo menos meia hora depois de tomá-los. Um efeito colateral pode ser a perda óssea na mandíbula, mas o risco é baixo. Converse com seu médico sobre isso
Calciotonina: um hormônio natural que ajuda a regular os níveis de cálcio no seu corpo, construindo o osso. Tem efeitos sobre a dor
Forteo: um hormônio sintético injetável que estimula o crescimento do osso e reduz o risco de fraturas na espinha em casos mais graves
Cloridrato de raloxifeno: uma droga parecida com o estrogênio que desacelera a perda óssea e ajuda a fortalecer os ossos

Se o seu caso de osteoporose é muito grave, é recomendável que você converse com o seu médico sobre a possibilidade de tomar remédios. Ele pode lhe ajudar a escolher o medicamento mais adequado.

Além disso, existe a terapia hormonal:
Nas mulheres: estrogênio ou a combinação de estrogênio mais progesterona
Nos homens: a testosterona pode ser indicada, apesar de esse tratamento ainda ser discutido Cálcio, vitamina D, biofosfonados, calciotonina e Forteo podem ser usados tanto por homens quanto por mulheres. Já o estrogênio, a progesterona e o cloridrato de raloxifeno são dados apenas às mulheres. A testosterona é aplicada somente nos homens.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não