PUBLICIDADE

Câncer de cólon e reto: cirurgia robótica apresenta vantagens no tratamento

Entenda como é feito o procedimento e compare com outras cirurgias

O câncer de cólon e reto é o terceiro mais comum no mundo, sendo que só no Brasil foram contabilizados 30.140 casos novos. Entre os principais fatores de risco para o câncer de cólon e reto estão histórico familiar, dieta rica em carne vermelha e gorduras e pobre em verduras, legumes e frutas, consumo frequente de álcool, doença inflamatória intestinal, obesidade, sedentarismo e, para os casos de câncer de reto, a radioterapia para câncer de próstata ou tumores ginecológicos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Como em alguns casos o câncer de cólon e reto não apresenta sintomas, é recomendado fazer o exame de colonoscopia anualmente a partir dos 45 anos ou 35 anos, caso haja histórico familiar ou comportamento de risco. A doença tem quatro estágios, sendo que a sobrevida em cinco anos é de 75% para diagnósticos no estágio I e apenas 5% para cânceres diagnosticados no estágio IV - daí a importância do diagnóstico precoce.

A cirurgia robótica é uma alternativa muito mais precisa para retirada dos tumores de cólon e reto

O único tratamento que cura o câncer de cólon e reto é o cirúrgico. Nos casos do câncer de cólon, o tratamento consiste em retirar o tumor, os vasos que nutrem o tumor e os linfonodos na raiz dos vasos (mesentério). Nos casos de câncer do reto, os principais tratamentos são a ressecção parcial do mesorreto, envolvendo ou não os músculos do assoalho pélvico. Em alguns casos, pode ser feita a quimioterapia e radioterapia pré-operatória, para reduzir o tamanho da massa tumoral e assegurar a preservação do esfíncter, poupando o paciente da chamada colostomia definitiva.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O câncer colorretal também pode ser operado por laparoscopia ou colonoscopia, ambos procedimento minimamente invasivos feito internamente com ajuda de uma câmera ? os instrumentos são o laparoscópio e o colonoscópio, respectivamente. A laparoscopia no geral tem uma recuperação mais rápida, com menos agressão imunológica e menos dor.

Entretanto a cirurgia robótica é uma alternativa muito mais precisa para retirada dos tumores de cólon e reto. Podemos utilizar a metodologia para os mesmos casos em que usamos a laparoscopia, com a vantagem de que a cirurgia robótica é mais precisa e a visão é melhor (em 3D, ao contrário do 2D da laparoscopia). No caso do câncer de reto, essas vantagens proporcionam a ressecção do tumor com a preservação dos nervos genitais, urinários e do próprio reto. Ou seja, a cirurgia robótica permite a mesma cirurgia oncológica realizada em céu aberto ou por laparoscopia, com mais precisão. Por último, com a nova plataforma robótica, existe a possibilidade de injetar solução de verde de indosianina na veia, que tem propriedade de corar os ganglios linfáticos, permitindo um melhor clareamento das áreas tumorais.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Quanto à recuperação, a cirurgia robótica tem todas as facilidades da cirurgia laparoscópica, mas com maior precisão técnica e menor sangramento. As vantagens dessas com relação à laparoscopia são o uso de um sistema ótico estável e braços articulados, permitindo movimentação das pinças com sete graus de liberdade.

Nos casos do reto, podemos empregar o robô para excisão do mesorreto pela precisão da robótica, com maior facilidade de preservação de nervos. Além disso, as técnicas laparoscópica e robótica podem ser utilizadas para ressecção de tumores pequenos no reto de até 08 cm da borda anal sem invasão, onde se pode ressecar localmente, incluindo o meso reto abaixo do tumor ou ainda seccionando o reto abaixo do tumor e ressecando o mesorreto e o reto até a reflexão do peritoneo, facilitando o tempo abdominal da cirurgia.