PUBLICIDADE

Psoríase invertida: principais sintomas e como tratar

Forma distinta de psoríase pede cuidados especiais

A psoríase invertida também é conhecida como psoríase flexural ou das dobras. Ela ocorre entre 2 e 6% dos pacientes psoriáticos e trata-se de uma forma distinta de psoríase com localização especial, podendo se manifestar em áreas úmidas, como axilas, virilhas, inframamárias e genitais.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Pacientes com predisposição genética associado a sobrepeso, dobras profundas, flexuras com umidade e atrito constante são mais sensíveis a essa variedade.

Principais sintomas da psoríase invertida

As lesões da psoríase invertida se caracterizam por placas avermelhadas, brilhantes, com pouca ou nenhuma descamação em locais com dobras de pele, como virilhas, axilas ou debaixo das mamas.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

As lesões estão associadas a fissuras e consequentemente dor, agravadas pelo suor e atrito da pele, sendo muitas vezes confundida com lesões fúngicas ou bacterianas.

Cuidados e tratamentos da psoríase invertida

O tratamento da psoríase invertida pode ser difícil devido à sensibilidade da pele nestas áreas e por ser lesões propensas a associação com infecção fúngica.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Cremes e pomadas são considerados muito eficazes mas devem ser aplicados com orientação. Pelo fato da pele ser mais fina e absorver o produto rapidamente, eles não podem ser isolados por aumentar o risco de efeitos secundários e irritação.

Os pacientes com psoríase invertida grave podem ocasionalmente necessitar de fototerapia com ultravioleta B ou medicamentos sistêmicos para controlar a condição. Estes tratamentos podem ser utilizados sozinhos ou combinados, dependendo como a pele reage a cada tratamento.

Todos os medicamentos devem ser usados com cautela e sob a supervisão de um médico dermatologista.

Artigo feito com a colaboração da dermatologista Angela Sanderson (CRM-SP 136234 e RQE 62476)