PUBLICIDADE

Idosos que bebem moderadamente têm mais chances de desenvolver doenças cardíacas

Pesquisa revela que quanto maior o consumo de bebidas alcóolicas, maiores são os danos causados ao coração

Dizem que beber uma taça de vinho diariamente faz bem ao coração, mas um estudo publicado em um dos jornais da Associação Americana do Coração revelou que o consumo moderado de bebidas alcoólicas por idosos pode estar diretamente relacionado ao desenvolvimento de problemas cardíacos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A pesquisa, liderada por Scott Solomon, cardiologista e professor da Universidade de Harvard, reuniu 4.446 homens e mulheres de, em média, 76 anos de idade, que responderam a um questionário sobre seu próprio consumo de álcool. Com base nessas respostas, os pesquisadores dividiram os participantes em quatro grupos: dos que não bebem, dos que ingerem menos de sete drinques por semana, dos que consomem entre sete e 14 copos de bebidas e dos que bebem mais de 14 copos durante a semana. Todos eles foram submetidos a um ecocardiograma, que analisa como está a função, o tamanho e a estrutura do coração.

Os resultados do estudo mostraram que quanto maior a quantidade de álcool ingerida, maiores são os danos causados ao coração. Entre os principais problemas causados pelo consumo moderado de bebida alcoólica estão a hipertrofia ventricular esquerda, que afeta diretamente o bombeamento do sangue, insuficiência cardíaca e cardiomiopatia alcoólica. A pesquisa também revelou que para mulheres idosas basta apenas um copo de álcool por dia para que a função cardíaca seja prejudicada, tornando-as ainda mais suscetíveis a problemas cardíacos do que homens.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Importante ressaltar que o estudo contém certas limitações, a começar pelo fato de os participantes terem descrito eles mesmos o quanto de bebidas alcoólicas eles costumam ingerir, além de terem sido recrutados somente idosos acima de 65 anos, de modo que os resultados da pesquisa não são válidos para pessoas mais jovens.