PUBLICIDADE

Hepatite C aumenta risco de doenças cardíacas

Pessoas infectadas com o vírus estão mais vulneráveis a problemas como infarto e AVC

Que pessoas com hepatite C têm maior chance de desenvolver doenças renais já era sabido, contudo, pesquisadores da Universidade Johns Hopkins (EUA) descobriram que a hepatite C também pode causar problemas cardíacos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O achado vem de um estudo maior, que analisou 994 homens, entre os 40 e 70 anos de idade, que eram infectados com os vírus da hepatite C e HIV, apenas com HIV, apenas com hepatite C, e que não apresentavam nenhuma das infecções. A novidade, neste sentido, foi que independente da infecção por HIV, eles conseguiram provar que apenas a hepatite C pode aumentar a probabilidade de dano cardiovascular - eles já sabiam que o HIV aumenta o risco de problemas do coração.

Os cientistas descobriram que pacientes infectados com a forma crônica da hepatite C - que são a maioria - são mais propensos a abrigar placas anormais de gordura e cálcio dentro de suas artérias, que é uma condição de saúde conhecida como aterosclerose, que é uma antecessora comum em casos de infarto e acidente vascular cerebral (AVC).

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Com isso, os pesquisadores estão bastante confiantes que apenas a hepatite C, independente da infecção concomitante por HIV, pode ocasionar problemas cardíacos. Eles esperam que, a partir destes dados, os médicos também possam atentar para o risco de desenvolvimento de complicações cardíacas nestes pacientes, além do cuidado habitual para doenças hepáticas.

A importância do diagnóstico precoce

A maioria das pessoas não sabe que tem hepatite C, muitas vezes elas descobrem através de uma doação de sangue, pela realização de exames de rotina, ou quando aparecem os sintomas de doença avançada do fígado, o que geralmente acontece décadas depois. O diagnóstico precoce, portanto, pode evitar danos mais graves. As chances de remover o vírus da hepatite C do sangue com o tratamento habitual é de cerca de 50%. Mesmo que o tratamento não remova o vírus, ele poderá reduzir a chance de doença hepática grave.