PUBLICIDADE

Zika pode prejudicar o feto em vários estágios da gravidez, mostra estudo

Pesquisa feita pela Fiocruz e a Universidade da Califórnia analisou mulheres que tiveram Zika na gravidez e seus bebês

Apesar de o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde (OMS) já terem confirmado a relação entre o Zika vírus e a microcefalia, não se sabe ainda ao certo como essas duas doenças estão ligadas. Para tentar entender melhor esse mecanismo, um estudo da Fundação Oswaldo Cruz em parceria com a Universidade da Califórnia (Estados Unidos).

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Nesse estudo, 42 mulheres grávidas que tinham Zika vírus foram acompanhadas entre setembro de 2015 e fevereiro de 2016. Entre elas, 12 delas (29%) esperavam bebês com alterações no sistema nervoso central, como a microcefalia, restrição no crescimento e até mesmo ausência de algum hemisfério cerebral.

Essas mulheres pertenciam a um grupo de 88 mulheres, entre as quais 72 tiveram diagnóstico positivo para o Zika vírus. No entanto só essas 42 tiveram disponibilidade para serem acompanhadas pela equipe do estudo. Elas foram contaminadas entre a sexta e 38ª semana de gravidez. Até o fim da pesquisa, seis mulheres da pesquisa deram à luz e os diagnósticos foram confirmados. Já duas mulheres que não tiveram Zika e continuaram sendo acompanhadas tiveram os bebês normais. O que reforça a ligação entre Zika vírus e microcefalia.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)