Ledi e mais 1 pessoa perguntaram:

Hipertireoidismo tem cura?

  • Respondido em 17/06/2014
    Dr. Felipe Henning Gaia Duarte Endocrinologia e Metabologia - CRM 103254/SP
    especialista minha vida
    Olá,

    Em alguns casos tem sim!
    Sugere-se que consulte um endocrinologista especialista. Ele irá avaliar o tipo de hipertireoidismo e que tratamento será necessário. Sobre o tema algumas informações são expostas abaixo:

    Consiste numa situação na qual a glândula tireóide passa a produzir quantidades elevadas de hormônio tireoideano levando a um aceleramento generalizada do metabolismo.

    Também são chamadas inadequadamente de hipertireoidismo situações em que ocorram elevações nos níveis de hormônio da tireóide no sangue decorrentes da ingestão através de remédios ou por liberação do hormônio para o sangue em situações que causam destruição da tireóide, essas situações devem ser na verdade chamadas de tireotoxicose.

    O excesso de hormônios de tireóide pode ter diversas causas sendo as principais citadas a baixo:

    Bócio difuso tóxico (Doença de Basedaw-Graves):
    Doença na qual a tireóide é estimulada por anticorpos a produzir mais hormônio. É por isso chamada de doença autoimune.

    Bócio nodular tóxico (Doença de Plummer):
    Doença na qual um nódulo na tireóide passa a produzir, de modo autônomo, hormônios em excesso.

    Hashitoxicose
    Situação inicial da doença de Hashimoto, principal causa de hipotireoidismo, na qual a tireóide sofre uma destruição progressiva e no início libera uma quantidade maior de hormônios para o sangue antes de evoluir para o hipotireoidismo.
    Ingestão de hormônios da tireóide:

    Pode ocorrer em fases iniciais de tratamento do hipotireoidismo até ocorrer o acerto da dose ou de devido ao uso inadequado de medicações que contenham esses hormônios.
    Uso de medicamentos:

    O uso de medicamentos como amiodarona pode levar a alterações nos hormônios da tireóide.
    O excesso de hormônios leva a uma aceleração do metabolismo causando sintomas como: agitação, ansiedade, palpitação, tremores, sudorese e perda de peso.

    O diagnóstico do excesso de hormônios é feito com a dosagem dos hormônios da tireóide (que podem estar normais ou elevados) e do hormônios hipofisário TSH (que deverá estar baixo).

    A investigação da causa é feita através da história clínica e da pesquisa de anticorpos (anti-tpo, anti-tireoglobulina e anti-trab) complementados pelo ultrassom e eventualmente uma cintilografia e captação da tireóide.

    O tratamento varia de acordo com a causa podendo ser feito o uso de medicamentos, de radioiodo (I131) ou, em último caso, de cirurgia.