Aborto

Visão Geral

O que é Aborto?

O aborto espontâneo é a perda de uma gravidez antes da 20ª semana. A maioria dos abortos espontâneos ocorre porque o feto não está se desenvolvendo normalmente. Contudo, como essas anormalidades são raramente compreendidas, muitas vezes é difícil determinar as causas de um aborto espontâneo.

O aborto espontâneo é a complicação mais comum da gravidez precoce. A frequência diminui com o aumento da idade gestacional. De 8 a 20% das gestações clinicamente reconhecidas com menos de 20 semanas de gestação sofrerão aborto, sendo 80% destes nas primeiras 12 semanas de gestação. Há ainda a perda do bebê sem que a mãe perceba, que totalizam entre 13 e 26% de todas as gestações – no entanto, esse número pode ser ainda maior, uma vez que muitas mães podem sofrer um aborto espontâneo antes de perceberem que estão grávidas.

O aborto é uma experiência relativamente comum - mas isso não faz com que seja fácil. Pode ser necessário suporte psicológico para superar a perda do bebê.

Causas

Genes ou cromossomos anormais

A maioria dos abortos espontâneos ocorre porque o feto não está se desenvolvendo normalmente. Problemas com genes ou cromossomas do bebê são erros que ocorrem por acaso conforme o embrião se divide e cresce – dificilmente são problemas herdados dos pais.

Exemplos de anormalidades incluem:

  • Não há formação de embriões
  • Óbito embrionário: o embrião está presente, mas parou de se desenvolver
  • Gravidez molar: ocorre quando um conjunto extra de cromossomos paternos ou maternos em um ovo fertilizado. Este erro transforma o que poderia se tornar normalmente a placenta em uma massa crescente de cistos. Esta é uma causa rara de perda da gravidez.

Condições de saúde materna

Em alguns casos, o estado de saúde da mãe pode levar ao aborto. Os exemplos incluem:

  • Diabetes não controlada
  • Infecções
  • Problemas hormonais
  • Problemas no útero ou colo do útero
  • Doenças da tireoide
  • Trombofilias.

O que não causa aborto

Atividades de rotina como estas não provocam um aborto espontâneo:

  • Exercícios
  • Relações sexuais
  • Sustos
  • Quedas da própria altura
  • Trabalho, desde que não haja exposição a produtos químicos ou radiação prejudiciais.

Fatores de risco

Idade

Mulheres com mais de 35 anos de idade têm um maior risco de aborto do que as mulheres mais jovens. Aos 35 anos, você tem um risco cerca de 20% maior. Aos 40 anos, o risco é de cerca de 40% maior, podendo chegar aos 80% aos 45 anos.

A idade paterna também pode desempenhar esse papel. Algumas pesquisas também sugerem que as mulheres que engravidam de homens mais velhos estão em maior risco de aborto espontâneo.

Abortos anteriores

Pessoas que tiveram dois ou mais abortos espontâneos consecutivos estão em maior risco de aborto espontâneo.

Condições crônicas

Pessoas que têm uma condição crônica, como diabetes não controlada e trombofilias, têm um maior risco de aborto espontâneo.

Problemas uterinos ou cervicais

Certas anomalias uterinas ou dos tecidos do colo do útero podem aumentar o risco de aborto.

Vícios

Vícios como fumar, ingerir álcool ou usar drogas ilícitas aumentam o risco de aborto. Pessoas que fumam durante a gravidez têm um risco maior de aborto espontâneo do que os não-fumantes. Uso abusivo de álcool e uso de drogas ilícitas também aumentam o risco de aborto.

Peso

Estar abaixo do peso ou com excesso de peso aumenta o risco de aborto espontâneo.

Testes pré-natais invasivos

Alguns testes genéticos pré-natais invasivos, como a biópsia de vilo corial e amniocentese, podem causar um pequeno risco de aborto.

Sintomas

Sintomas de Aborto

A maioria dos abortos espontâneos ocorre antes da 12ª semana de gravidez, e a mulher pode não saber que sofreu um, quando este ocorrer nas primeiras seis semanas. No entanto, sinais e sintomas de um aborto espontâneo podem incluir:

  • Sangramento vaginal, com ou sem cólicas, que pode ocorrer muito cedo em sua gravidez, antes de você saber que está grávida, ou mais tarde, depois de ter conhecimento da gravidez
  • Leve a intensa dor lombar, dor abdominal ou cólicas, que podem ser constantes ou intermitentes
  • Um coágulo de sangue ou um jato de líquido claro ou rosa que passa pela vagina
  • Diminuição de sinais de gravidez, como a perda da sensibilidade da mama ou náuseas.

Tenha em mente que a maioria das mulheres que experimentam sangramento vaginal no primeiro trimestre tem gravidezes bem sucedidas.

Tipicamente, os sintomas de um aborto espontâneo tendem a piorar conforme ele progride. Pequenos sangramentos se transformam em um sangramento mais pesado; cólicas começam e se tornam mais fortes.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Ligue para seu médico se:

  • Você está grávida e tiver sangramento vaginal, com ou sem cólicas
  • Você está grávida e teve o tecido fetal ou coágulo passando pela vagina.

Exames

O seu médico pode fazer uma variedade de testes:

  • Exame pélvico, para verificar se o colo do útero começou a dilatar
  • Ultrassonografia pélvica, para verificar o batimento cardíaco fetal e determinar se o embrião está se desenvolvendo normalmente
  • Exames de sangue: se você já sofreu o aborto espontâneo, medições do hormônio da gravidez, beta HCG, podem ser úteis para determinar se você tiver expeliu completamente o tecido placentário
  • Testes de tecidos: se você expeliu tecido, ele pode ser enviado para o laboratório a fim de confirmar se um aborto espontâneo ocorreu - e que seus sintomas não estão relacionados a uma outra causa de sangramento na gravidez.

Diagnóstico de Aborto

Possíveis diagnósticos incluem:

  • Ameaça de aborto: se você está sangrando, mas o colo do útero não começou a dilatar, há uma ameaça de aborto. Esses tipos de gravidez podem frequentemente prosseguir sem quaisquer problemas
  • Aborto inevitável: se você está sangrando, o útero está se contraindo e seu colo do útero está dilatado, o aborto é inevitável
  • Aborto incompleto: se você expelir algum material fetal ou placenta, mas alguns restos em seu útero, é considerado um aborto incompleto
  • Aborto retido: os tecidos placentários e embrionárias permanecem no útero, mas o embrião já morreu ou nunca se formou
  • Aborto completo: se você já expeliu todos os tecidos da gravidez, é considerado um aborto completo. Isso é comum para abortos ocorridos antes das 12 semanas
  • Aborto séptico. Se você desenvolver uma infecção no útero, ele é conhecido como um aborto séptico. Esta pode ser uma infecção muito grave, que exige atendimento imediato.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Aborto

Se você está sofrendo uma ameaça de aborto, o médico pode recomendar repouso até que o sangramento ou dor desapareça. Você pode ser solicitada para evitar o exercício e o sexo também. Embora essas medidas não sejam comprovadas para reduzir o risco de aborto, elas podem melhorar o seu conforto. Também é uma boa ideia para evitar viajar - especialmente em áreas onde seria difícil receber atendimento médico imediato.

Um exame de ultrassonografia determinará se o embrião morreu ou nunca se formou. Um resultado positivo significa que o aborto vai certamente ocorrer. Nessa situação, você pode ter várias opções:

Conduta expectante

Se você não tem sinais de infecção, pode optar por deixar que o progresso do aborto natural seja natural. Geralmente isso acontece geralmente em duas semanas após determinar que o embrião tenha morrido, mas pode levar de três a quatro semanas em alguns casos. Esse pode ser um momento emocionalmente difícil. Se expulsão a não acontece por si só, será necessário tratamento médico ou cirúrgico.

Tratamento médico

Se após um diagnóstico certo da perda de gravidez você preferir acelerar o processo, pode ser receitada uma medicação que ajuda seu corpo a expulsar o tecido da placenta. Embora você possa tomar a medicação por via oral, o médico pode recomendar a inserção da medicação por via vaginal para aumentar a sua eficácia e minimizar os efeitos colaterais, como náuseas e diarreia. Para a maioria das mulheres esse tratamento funciona em 24 horas.

Tratamento cirúrgico

Uma opção é um pequeno procedimento cirúrgico chamado dilatação e curetagem. Durante este procedimento, o médico dilata o colo do útero e remove o tecido de dentro do seu útero. As complicações são raras, mas podem incluir os danos para o tecido conjuntivo do colo do útero ou da parede uterina. O tratamento cirúrgico é necessário se você tiver um aborto acompanhado por sangramento ou sinais de uma infecção.

Há também a aspiração manual intrauterina (AMIU), onde é introduzida uma cânula pelo colo uterino que chega até a cavidade uterina e o material é aspirado por meio de sucção. Não é necessário dilatar o colo do útero.

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

Recuperação física

A recuperação física do aborto na maioria dos casos será de apenas algumas horas ou dias. Ligue para o seu médico se você experimentar sangramento intenso, febre ou dor abdominal. A menstruação irá retornar dentro de quatro a seis semanas.

Você pode começar a usar qualquer tipo de contracepção imediatamente após um aborto espontâneo. No entanto, o ideal é evitar ter relações sexuais ou colocar qualquer coisa em sua vagina - como um absorvente interno – nas primeiras duas semanas depois de um aborto espontâneo.

Futuras gestações

É possível engravidar após um aborto espontâneo. Mas se você e seu parceiro decidem tentar uma nova gravidez, verifique se você está fisicamente e emocionalmente pronta. Converse com o médico para obter orientação sobre quando poderá tentar engravidar.

Tenha em mente que o aborto é geralmente uma ocorrência única. A maioria das mulheres que abortam passar a ter uma gravidez saudável após o aborto. Menos de 5% das mulheres têm dois abortos consecutivos, e apenas 1% têm três ou mais abortos espontâneos consecutivos.

Se você tiver vários abortos espontâneos - mais do que três em linha - considere o teste para identificar quaisquer causas subjacentes, como anomalias uterinas, problemas de coagulação ou anormalidades cromossômicas. Em alguns casos, o médico pode sugerir o teste depois de duas ocorrências consecutivas. Se a causa de não for identificada, não perca a esperança. Cerca de 60% a 70% das mulheres com abortos de repetição inexplicáveis passam a ter uma gravidez saudável.

Apoio psicológico

A cura emocional pode levar muito mais tempo do que a cura física. O aborto espontâneo pode ser uma perda de cortar o coração que os outros ao redor que você podem não entender completamente. Suas emoções podem variar de raiva e culpa ao desespero. Dê-se tempo para lamentar a perda de sua gravidez e procure a ajuda de seus entes queridos.

É provável que você nunca se esqueça de seus sonhos e esperanças que cercam esta gravidez, mas com o tempo a aceitação pode aliviar sua dor. Fale com o seu médico se você está se sentindo profunda tristeza ou depressão. Caso seja necessário, procure ajuda psicológica ou psiquiátrica.

Para a família e pessoas próximas, o ideal é deixar a mãe seguir com seu luto e respeitar esse momento. Ainda que demore mais do que você considere normal e a pessoa comece a ter comportamentos fora do mundo, o melhor a fazer é respeitar.

Complicações possíveis

Alguns casos de aborto espontâneo podem causar ou ser causados por uma infecção uterina, podendo ser chamado também de aborto séptico. Sintomas de uma infecção incluem:

Prevenção

Prevenção

A maioria dos abortos são causados por anormalidades genéticas no feto. Infelizmente, não há nada que pode ser feito para evitar erros causados por anormalidades genéticas.

Se você já sofreu um aborto espontâneo, converse com seu médico sobre as possíveis causas e quando planejar uma futura gravidez. Um estilo de vida saudável antes e durante a gestação pode ajudar a diminuir o risco de aborto espontâneo. Aqui estão algumas dicas que podem ajudar a prevenir o aborto:

  • Tenha certeza de que está consumindo pelo menos 400 mg de ácido fólico todos os dias, a partir de pelo menos um a dois meses antes da concepção, se possível
  • Pratique exercício físico regular
  • Coma refeições saudáveis, bem equilibradas
  • Controle o estresse
  • Mantenha o seu peso dentro dos limites normais
  • Não fume e fique longe do fumo passivo
  • Não beba álcool
  • Não beba mais de uma a três xícaras de café por dia
  • Evite drogas ilícitas.

Outros hábitos podem ajudar a prevenir o aborto, como:

  • Evite radiação e venenos como arsênio, chumbo, benzeno, formaldeído e óxido de etileno
  • Tome especial cuidado para manter seu abdômen seguro durante a gravidez. Evite esportes que oferecem um maior risco de lesão, tais como esportes de contato e esqui
  • Sempre use o cinto de segurança
  • Verifique com seu médico antes de tomar qualquer medicação.

Você também pode garantir um bebê saudável consultando um médico e tratando qualquer problema de saúde que você eventualmente tenha antes de engravidar. Se, por exemplo, você sabe que um aborto espontâneo anterior deveu-se a uma resposta autoimune ou um desequilíbrio hormonal, procurar tratamento para essa condição subjacente. Depois de engravidar, mantenha um pré-natal abrangente para melhorar suas chances de uma gravidez saudável.

Fontes e referências

  • Revisado por: Viviane Lopes, ginecologista e obstetra do Femme Laboratório da Mulher, mestre em obstetrícia pela UNIFESP - CRM SP 105166
  • Bárbara Murayama, ginecologista da Sociedade Brasileira de Ginecologia
  • American College of Obstetricians and Gynecologists
  • Organização Mundial de Saúde
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não