Demência

Visão Geral

O que é Demência?

Demência é uma condição em que ocorre perda da função cerebral. É um conjunto de sintomas que afetam diretamente a qualidade de vida da pessoa, levando a problemas cognitivos, de memória, raciocínio e afetando, também, a linguagem, o comportamento e alterando a própria personalidade.

Alzheimer: doença ligada ao envelhecimento afeta a memória recente

Tipos

As demências podem ser agrupadas em dois grandes grupos: as reversíveis e as irreversíveis, estas últimas também chamadas de degenerativas. As demências do tipo irreversível também são progressivas, ou seja, pioram com o passar do tempo. O melhor exemplo de demência degenerativa é a doença de Alzheimer. Os danos causados ao cérebro, neste caso, não podem, portanto, ser interrompidos ou revertidos.

Já as demências reversíveis são aquelas que, apesar de causarem danos ao cérebro, podem ter seus sintomas revertidos. Bons exemplos para esse caso são tumores cerebrais, deficiência de vitamina B12, hidrocefalia normotensiva, entre outros.

Causas

Diversas doenças estão por trás das causas da demência. Veja exemplos:

Demências degenerativas

  • Doença de Alzheimer
  • Demência com corpos de Lewy, cujos sintomas são similares aos do Alzheimer e cuja incidência é a segunda maior entre as demências (perdendo apenas para o próprio Alzheimer)
  • Demência vascular, resultante de uma série de pequenos acidentes vasculares cerebrais (AVC)
  • Demência frontotemporal, que é uma degeneração que ocorre no lóbulo frontal do cérebro e que pode se espalhar para o lóbulo temporal.

Demências reversíveis

Outras demências

  • Traumatismo craniano
  • Doença de Parkinson
  • Esclerose múltipla
  • Doença de Huntington
  • Doença de Pick
  • Paralisia supranuclear progressiva
  • Infecções que podem afetar o cérebro, como HIV/AIDS e doença de Lyme
  • Doença de Creutzfeldt-Jakob.

Fatores de risco

Muitos fatores podem levar à demência. Alguns fatores, como idade, histórico familiar de demências e síndrome de Down, não podem ser alterados ou prevenidos.

Idade

À medida que uma pessoa envelhece, o risco de demências aumenta consideravelmente, especialmente após os 65 anos. A demência, por outro lado e ao contrário do que muita gente pensa, não é parte normal do envelhecimento, pois também pode ocorrer em pessoas mais novas.

Histórico familiar

Se você tem histórico familiar de demência, você está em maior risco de desenvolver alguma condição. No entanto, isso está longe de ser uma regra, já que muitas pessoas com histórico familiar podem também não desenvolver nenhuma doença, enquanto que uma pessoa sem nenhum tipo de histórico médico de demência desenvolver alguma ao longo da vida. Uma pessoa com mutações genéticas específicas está em maior risco de desenvolver certos tipos de demência.

Síndrome de Down

Por volta da chamada “meia idade”, muitas pessoas com síndrome de Down desenvolvem sintomas relacionados à demência. Alguns podem, inclusive, desenvolver uma doença.

Outros fatores

Há, ainda, os fatores de risco que podem ser prevenidos. Veja:

  • Abuso de bebidas alcoólicas
  • Aterosclerose
  • Hipertensão
  • Colesterol elevado
  • Depressão
  • Diabetes
  • Altos níveis de estrogênio
  • Obesidade
  • Tabagismo
  • Níveis alterados de um aminoácido presente no sangue chamado de homocisteína.

Sintomas

Sintomas de Demência

Sintomas de demência variam, dependendo da causa, mas os mais comuns incluem:

  • Perda de memória
  • Dificuldade para se comunicar
  • Dificuldade com tarefas complexas
  • Dificuldade com planejamento e organização
  • Dificuldade com funções de coordenação e motoras
  • Problemas com desorientação, como se perder
  • Alterações de personalidade
  • Incapacidade de estabelecer razão
  • Comportamento inadequado
  • Paranoia
  • Agitação
  • Alucinações.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Consulte um médico se você ou alguém próximo a você tem problemas de memória ou outros sintomas de demência. Algumas condições médicas tratáveis podem causar sintomas de demência, por isso é importante que o médico faça o diagnóstico e determine a causa subjacente.

Doença de Alzheimer e vários outros tipos de demência pioram ao longo do tempo. O diagnóstico precoce lhe dá tempo para planejar o futuro, enquanto você pode participar na tomada de decisões.

Na consulta médica

Entre as especialidades que podem diagnosticar uma demência estão:

  • Clínica médica
  • Neurologia
  • Geriatria

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Você ou seu ente querido apresentaram sintomas de demências, como perda de memória, mudança de personalidade, alteração de comportamento e dificuldades para executar tarefas mais complexas, etc?
  • Quando os sintomas começaram?
  • Qual a frequência dos sintomas?
  • Você ou seu ente querido têm algum histórico familiar de demência?
  • Você ou seu ente querido fumam ou fazem uso excessivo de álcool?

Diagnóstico de Demência

A perda de memória e outros sintomas de demência têm muitas causas, por isso o diagnóstico pode ser bastante difícil.

Para diagnosticar a causa exata de seus sintomas, o médico irá realizar uma série de perguntas sobre histórico clínico do paciente, questionar-lhe sobre sintomas e realizar um exame físico. O médico ou médica pode, também, solicitar uma série de exames para diagnosticar a demência e descartar possíveis outras condições.

Exames cognitivos e neuropsicológicos

Nestes testes, os especialistas avaliarão as funções cognitivas do paciente. Uma série de habilidades é medida por meio de testes, como de memória, orientação, raciocínio e julgamento, habilidades de linguagem e atenção.

Os médicos costumam usar esses testes para determinar se o caso do paciente é de demência e podem ainda determinar se é um caso grave e quais partes do cérebro foram afetadas.

Avaliação neurológica

Em uma avaliação neurológica, os médicos irão avaliar o movimento, os sentidos, equilíbrio, reflexos e outras áreas. Eles também podem usar a avaliação neurológica para diagnosticar possíveis outras condições.

Varreduras do cérebro

Os médicos podem solicitar exames cerebrais, como uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética, para verificar se há evidência de derrame ou hemorragia e para descartar a possibilidade de um tumor.

Testes de laboratório

Exames de sangue simples podem descartar problemas físicos que talvez estejam afetando o funcionamento do cérebro, tais como deficiência de vitamina B-12 ou hipertireoidismo.

Avaliação psiquiátrica

Um psicólogo ou psiquiatra podem avaliar se o paciente apresenta sintomas reais de depressão ou outra condição psicológica que possa estar causando os sintomas.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Demência

O principal objetivo do tratamento é controlar os sintomas da demência. O tratamento costuma variar de acordo com a causa subjacente dos sintomas. Algumas pessoas necessitam ser internadas por um curto período para realizar o tratamento.

Talvez seja necessário tomar medicamentos para controlar os problemas comportamentais causados pela perda da capacidade de julgamento, maior impulsividade e confusão. Algumas drogas podem ser usadas para evitar a piora rápida dos sintomas, principalmente em casos de demência degenerativa. No entanto, o benefício trazido por essas drogas é pequeno e os pacientes e suas famílias podem não perceber muita diferença.

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

Grupos de apoio familiar são parte fundamental para o tratamento de demências. Saber lidar bem com a doença e aprender a conviver diariamente com ela é importante para evitar agravamento no quadro.

É bom ter em mente que pessoas com demências degenerativas só tendem a piorar com o passar do tempo. Por essa razão, é fundamental que os cuidadores adeptem-se a essa situação. Veja alguns procedimentos indicados:

  • Melhore a comunicação, mantenha contato visual, experimente usar palavras e frases mais curtas e simples, tenha muita paciência e procure usar gestos e sinais para se fazer entender, caso seja necessário
  • Incentive a prática de exercícios físicos, que podem dar ao paciente maior força e saúde cardiovascular. Algumas pesquisas também mostram que a atividade física pode retardar a progressão da perda da função cognitiva. Além disso, exercícios também podem atenuar e tratar sintomas de depressão.

Complicações possíveis

As complicações dependem da causa da demência, mas podem incluir o seguinte:

  • Abuso por um cuidador sobrecarregado
  • Aumento das infecções em qualquer parte do corpo
  • Perda da capacidade funcional ou de cuidar de si mesmo
  • Perda da capacidade de interagir
  • Menor expectativa de vida
  • Efeitos colaterais dos medicamentos para tratar a doença

Expectativas

As pessoas com comprometimento cognitivo leve nem sempre desenvolvem demência. Entretanto, quando a demência ocorre, ela geralmente piora e, muitas vezes, diminui a qualidade e a expectativa de vida do paciente. Tratamento adequado pode ajudar a reverter os sintomas de algumas demências – menos das degenerativas, que são, também, irreversíveis.

Prevenção

Prevenção

A maioria das causas de demência não pode ser prevenida, mas você pode reduzir o risco de demência vascular, causada por uma série de pequenos derrames, parando de fumar e controlando a hipertensão arterial e o diabetes. Seguir uma dieta com pouca gordura e fazer exercícios regularmente também pode reduzir o risco deste tipo de demência.

Fontes e referências

  • Associação Brasileira de Alzheimer
  • Ministério da Saúde
  • Sociedade Brasileira de Neurociência
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não

Mais sobre

carregando...
  • já ajudou pessoas