Espondilolistese: sintomas, tratamentos e causas

REVISADO POR
Dr. Rodrigo Junqueira Nicolau
Ortopedia e Traumatologia - CRM 109368/SP
especialista minha vida

Visão Geral

O que é Espondilolistese?

A terminologia espondilolistese, derivada do grego (spondylo = coluna/ olisthesis = escorregamento), contempla conjunto de doenças que têm como principal característica o escorregamento de um corpo vertebral sobre o corpo vertebral adjacente, ou seja, de uma vértebra sobre a vértebra seguinte.

PUBLICIDADE

Tipos

O fator causal da espondilolistese irá definir seu tipo:

  • Diplásica (associada a defeito de formação)
  • Ístimica (defeito vertebral por estresse mecânico, mais comum em crianças e adolescentes)
  • Degenerativa (causada pelas alterações adaptativas da coluna ao processo de envelhecimento)
  • Traumática (por quedas, acidentes)
  • Patológica (relacionada à presença de tumores).

Ela também pode ocorrer após procedimento cirúrgico da coluna.

Causas

As causas mais comuns da espondilolistese observadas pelo médico ortopedista são a displásica, ístmica e degenerativa.

Menos frequentemente observadas, mas de igual importância, estão causas secundárias a doença tumoral, traumática e após procedimento cirúrgico.

Fatores de risco

Dentre os fatores de risco, em se tratando de espondilolistese ístmica, está o estresse por microtrauma de repetição do arco posterior como o que ocorre, por exemplo, em exercícios com movimentos de hiperlordose (hiperextensão) lombar. Os esportes de contato poderão causar lesão de um importante estabilizador vertebral, a pars interarticularis (estrutura que une os elementos posteriores da vértebra ao corpo vertebral). A lesão da pars interarticularis sem escorregamento vertebral é conhecida como espondilólise e é condição pré-escorregamento.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Sintomas

Sintomas de Espondilolistese

Devido à variedade dos fatores causais, os diferentes tipos de espondilolistese podem ter apresentações clínicas distintas. Vale ressaltar que sintomas como dor lombar, depressões da pele na região lombar, contratura da musculatura posterior da coxa (que pode causar dificuldade de marcha) e dor irradiada para os membros inferiores podem estar presentes independente do fator causal.

Sintomas como dor noturna (na qual o paciente acorda durante a noite), emagrecimento, perda de força ou sensibilidade nos membros inferiores são sintomas menos comuns, porém igualmente importantes.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Cerca de 80% da população geral deverá apresentar episódio de dor lombar ao decorrer da vida. No entanto, dor lombar persistente, que pode irradiar para os membros inferiores, é um sintoma que não deve ser deixado de lado.

Diagnóstico de Espondilolistese

Apesar de alguns dos sintomas serem indicadores indiretos de espondilolistese o diagnóstico é feito através de exames de radiografias simples, podendo ser complementado por tomografia computadorizada e ressonância magnética.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Espondilolistese

Os medicamentos utilizados para espondilolistese são sintomáticos como analgésicos e anti-inflamatórios. Não há tratamento medicamentoso para o prevenir o escorregamento em si.

Nos casos mais graves de escorregamento ou nos quais o paciente tem dor refratária ao tratamento conservador como através de uso de medicamentos e fisioterapia, podem ser indicados procedimentos ambulatoriais ou cirúrgicos.

Nos casos de espondilolistese associada à dor lombar e/ou radicular (aquela que irradia para os membros inferiores) é possível utilizar artifícios como bloqueios para alívio da dor precedendo o tratamento fisioterápico.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

Nos casos de espondilolistese ístmica, aquela que ocorre mais frequentemente em crianças e adolescentes deverá fazer parte das orientações mudança no estilo de vida de acordo com a sintomatologia e o grau de escorregamento, incluindo restrição de atividades esportivas de contato e uso de órtese lombar (que deverá ser prescrita pelo médico especialista).

Complicações possíveis

As principais complicações no caso de demora no diagnóstico e tratamento são a dor, um aumento do grau de escorregamento e o mais preocupante que é o déficit neurológico (perda sensitiva e motora).

Expectativas

O prognóstico dos pacientes com espondilolistese depende da causa, nível de escorregamento e quadro neurológico ao momento do diagnóstico.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Prevenção

Prevenção

A principal prevenção às complicações é a procura do cirurgião de coluna em caso apresente sintomas. Um adequado manejo da espondilolistese está intimamente relacionado ao diagnóstico precoce.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Fontes e referências

  • Pedro Pohl, ortopedista cirurgião da coluna vertebral pela Faculdade de Medicina do ABC com estágio avançado em pesquisa na Universidade de Pittsburgh (EUA), faz parte do corpo clínico da COLUNAR (Clínica da Coluna Vertebral). CRM-SP 127.103
  • Rodrigo Junqueira Nicolau, ortopedista cirurgião da coluna vertebral especialista em cirurgia minimamente invasiva pelo Wooridul Spine Hospital Seul (Coréia do Sul), faz parte do corpo clínico da COLUNAR (Clínica da Coluna Vertebral). CRM-SP 109.368
  • Devine, J. G., Schenk-Kisser, J. M. & Skelly, A. C. Risk factors for degenerative spondylolisthesis: a systematic review. Evidence-based spine-care journal 3, 25-34, doi:10.1055/s-0031-1298615 (2012).
  • Alfieri, A., Gazzeri, R., Prell, J. & Rollinghoff, M. The current management of lumbar spondylolisthesis. Journal of neurosurgical sciences 57, 103-113 (2013).
  • Bridwell KH, D. R. Spinal Surgery. 3rd edn, Vol. 1 (2011).
  • Jeong, H. Y., You, J. W., Sohn, H. M. & Park, S. H. Radiologic evaluation of degeneration in isthmic and degenerative spondylolisthesis. Asian spine journal 7, 25-33, doi:10.4184/asj.2013.7.1.25 (2013).
  • Rodrigues, L. M., Valesin, E. S., Pohl, P. H. & Milani, C. Traumatic L5-S1 spondylolisthesis in a 15-year-old: a case report. Journal of pediatric orthopedics. Part B 22, 420-423, doi:10.1097/BPB.0b013e32835ec42f (2013).