Puberdade precoce: sintomas, tratamentos e causas

Visão Geral

O que é Puberdade precoce?

A puberdade é caracterizada pelo período quando o corpo dos meninos e meninas começa a ganhar características de adultos, deixando de ser infantil. Esse processo normalmente acontece durante a adolescência. Contudo, na puberdade precoce, esse desenvolvimento inicia-se ainda na infância - nas meninas antes dos oito anos e nos meninos antes dos nove -, o que pode acarretar problemas físicos e psicológicos para as crianças. É muito mais comum a ocorrência nas meninas e seu diagnóstico tende a ser mais fácil quando comparado ao dos meninos.

PUBLICIDADE

Causas

A puberdade é comandada pelo eixo hormonal hipotálamo--hipófise--gônada. Ela faz com que mudanças comecem a acontecer, como aparecimento de pelos pubianos, engrossamento dos pelos de outras partes do corpo, aparecimento do broto mamário nas meninas e aumento do volume do testículo nos meninos, entre outros sinais. Quando este eixo é ativado antes da idade habitual, ocorre a puberdade precoce. Contudo, determinar a causa do problema nem sempre é uma tarefa simples.

A puberdade precoce é classificada em central, ocasionada por alterações no sistema nervoso central, ou periférica, que tem origem em outras partes do corpo, como tumores nos ovários ou testículos, problemas das glândulas adrenais e outros.

São diversas as possíveis causas da puberdade precoce, dentre elas estão as de origem familiar - se um dos familiares, tanto do lado materno como paterno, foi diagnosticado com puberdade precoce e apresenta o gene -, idiopática (sem causa aparente) ou orgânica, como tumores e meningite, por exemplo. É importante ressaltar que apesar de os pais poderem carregar o gene para puberdade precoce, ela não é hereditária, ou seja, não necessariamente os filhos de quem teve puberdade precoce a desenvolverão também. As meninas tendem a menstruar pela primeira vez próximo à idade da primeira menstruação da mãe, mas, também não é uma regra.

A puberdade precoce pode ocorrer também pela administração de hormônios de forma indevida, seja via oral (com medicamentos ou suplementos) ou cutânea (alguns cremes ou pomadas com estrógeno na composição).

Quando falamos de aparecimento normal da puberdade, existem condições para que ela seja ativada. Uma delas está relacionada a uma nutrição adequada. Muitas vezes, os atletas que têm um treino muito intenso podem retardar o processo da puberdade, e o contrário, as crianças que são sedentárias e/ou têm grande acúmulo de gordura podem desencadear as condições hormonais para que ocorra a puberdade precoce. Mas também não é uma regra.

Fatores de risco

Dentre os fatores de risco, o sexo feminino tem mais chances de desenvolver a puberdade precoce, uma vez que a doença chega a ser 10 a 23 vezes mais comum em meninas do que em meninos, de acordo com o Ministério da Saúde. Além do sexo, também há maior risco de a criança desenvolver puberdade precoce se:

  • Está muito acima do peso recomendado para a sua idade e altura
  • Foi exposta aos hormônios sexuais (estrogênio e testosterona) antes do tempo, por meio do uso de cremes, pomadas ou suplementos para adultos que contenham estes hormônios
  • Tiver outras condições médicas, como Síndrome de McCune-Albright, hiperplasia adrenal congênita e, em casos raros, hipotireoidismo
  • Tiver recebido tratamento com radiação no sistema nervoso central, como os utilizados para tratar tumores, leucemia, entre outros.
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Sintomas

Sintomas de Puberdade precoce

Os sintomas da puberdade precoce aparecem nas meninas antes dos oito anos, e culminam na menarca (primeira menstruação). Mas, atenção, a menarca já é um sinal tardio da puberdade. O ideal é procurar um médico (pediatra ou endocrinologista pediátrico) assim que se deparar com algum dos sintomas, que são:

  • Aparecimento do broto mamário
  • Desenvolvimento de pelos pubianos
  • Nascimento de pelos em regiões do corpo que não os continham
  • Pelos das pernas mais grossos
  • Crescimento acelerado
  • Acnes
  • Mudança da composição corporal com o desenvolvimento das "curvas", com a cintura mais fina e maior acúmulo de gordura no quadril
  • Mudança de comportamento
  • Menarca.

Nos meninos, os sintomas são mais difíceis de serem notados, então é importante estar atento para os seguintes sinais antes de eles completarem nove anos:

  • Aumento do tamanho e diâmetro do pênis
  • Desenvolvimento de pelos pubianos
  • Nascimento de pelos em regiões do corpo que não os continham, inclusive no rosto
  • Pelos das pernas mais grossos
  • Mudança de comportamento
  • Crescimento acelerado
  • Aumento do volume do testículo
  • Mudança da voz
  • Acnes
  • Alteração da composição corporal, o menino passa a ter os ombros e tronco mais largos
  • Aparecimento do pomo de adão
  • Ereção (que pode ser inesperada ou não).

Buscando ajuda médica

No caso do aparecimento de qualquer um dos sintomas de puberdade, nas meninas antes dos oito anos e nos meninos antes dos nove, é preciso procurar o pediatra ou o endocrinologista pediátrico para avaliação.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Diagnóstico e Exames

Na consulta médica

As principais especialidades que podem diagnosticar e tratar puberdade precoce são:

  • Pediatra
  • Endocrinologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar tempo. Dessa forma, você já pode chegar ao consultório com algumas informações sobre o seu filho:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram, inclusive os que parecem não estar relacionados com puberdade precoce
  • Histórico médico, incluindo outras condições que seu filho tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Uma lista com a altura dos parentes mais próximos, especialmente se algum deles tiver baixa estatura
  • Leve também uma cópia do registro da curva de crescimento da criança.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quando os sintomas começaram?
  • A criança passou por alguma situação estressante recentemente (como mudanças na vida, repetir o ano escolar, separação dos pais, perda de algum ente querido, etc.)?
  • Você tem parentes próximos com histórico de puberdade precoce?

Também é importante levar suas dúvidas para o consultório por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Veja algumas dicas de perguntas que você poderá fazer ao médico:

  • Quais exames serão necessários para realizar o diagnóstico?
  • Quais as opções de tratamentos disponíveis?
  • Quais as possíveis causas do problema?
  • O que eu preciso mudar na rotina do meu filho durante o tratamento?
  • O que pode acontecer se eu decidir não tratar?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Puberdade precoce

O diagnóstico de puberdade precoce é feito por meio da avaliação clínica, com um exame físico completo e dados da história da criança e da família - quando começaram a aparecer os primeiros sinais, estatura dos pais, histórico familiar de puberdade precoce ou outras doenças endócrinas, etc. O médico verificará a presença de caracteres sexuais secundários, como pelos pubianos e axilares, odor axilar, aumento da velocidade de crescimento, mamas nas meninas e aumento do volume testicular nos meninos, entre outros. Exames complementares, como radiografia de punho e mão para idade óssea, ultrassonografia de pelve nas meninas, dosagens hormonais e, de acordo com o caso, exames de imagem da região da hipófise e do hipotálamo, podem ser solicitados.

É importante também ressaltar que nem sempre quando a criança apresenta os sinais e sintomas de puberdade precoce ela está desenvolvendo o problema. Assim como algumas crianças se desenvolvem um pouco mais tarde do que a maioria - e não apresentam nenhuma doença que justifique esse atraso, nem necessitam de tratamento medicamentoso-, há também aquelas que se desenvolvem um pouco mais cedo do que a maioria e também não apresentam nenhum problema. Este diagnóstico e conduta, portanto, só poderão ser realizados por um especialista.

Exames

São diversos os exames que podem ser solicitados para confirmar o diagnóstico ou detectar a causa da puberdade precoce. Dentre eles, de acordo com a suspeita do médico, podem ser solicitados:

Radiografia de punho e mão

Com a radiografia do punho e mão ou idade óssea, é possível avaliar, através do aparecimento e desenvolvimento dos ossos da mão, se o crescimento da criança está de acordo com sua idade cronológica ou se há alguma alteração fazendo com que a idade óssea esteja atrasada ou adiantada em relação à idade real da criança.

Dosagem hormonal no sangue

Os hormônios dosados na investigação de puberdade precoce são LH, FSH, estradiol e testosterona total. Contudo, muitas vezes, os exames estão dentro da taxa de normalidade, por isso, deve-se levar em conta o exame físico e, sendo necessário, complementar o estudo com um segundo exame - um teste de estímulo - em que se administra uma medicação antes da coleta do exame de sangue. O teste de estímulo pode confirmar o diagnóstico de puberdade precoce quando os exames coletados em um primeiro momento estão normais.

Além disso, quando há aparecimento de pelos pubianos, odor axilar e acne, a investigação pode incluir a avaliação dos hormônios produzidos pelas glândulas adrenais, ou suprarrenais. A alteração no funcionamento dessas glândulas pode gerar excesso de alguns hormônios, como 17-OH-progesterona e testosterona, que geram sintomas de puberdade precoce.

Ressonância magnética

A ressonância magnética de hipófise (crânio) pode ser solicitada com o intuito de identificar a causa da puberdade precoce.

Ultrassonografia pélvica e abdominal

Da mesma forma que a ressonância magnética, a ultrassonografia é um exame de imagem que pode auxiliar o diagnóstico da causa da puberdade precoce. Nas meninas, a ultrassonografia pélvica também tem a função de avaliar o estímulo hormonal sobre o desenvolvimento dos ovários e do útero.

Exames de tireoide

Muitas vezes os casos de puberdade precoce chegam ao consultório do endocrinologista por outro motivo, como ganho de peso ou excesso de crescimento. Quando é feito o exame físico, normalmente, solicita-se os exames da tireoide – glândula que tem papel importantíssimo no crescimento da criança - para confirmação do diagnóstico e para determinar o motivo do processo. Contudo, casos de puberdade precoce associados a hipertireoidismo ou desencadeados por um hipotireoidismo muito severo são situações bastante raras.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Puberdade precoce

O tratamento depende da causa da puberdade precoce. Se estiver relacionada à outra doença ou condição de saúde – como tumores na hipófise ou modificação nas gônadas (ovários ou testículos) -, este problema precisa ser tratado primeiro, antes de se avaliar se é necessário entrar com algum medicamento para a puberdade precoce.

Contudo, a maioria dos casos são idiopáticos, ou seja, não há uma causa específica. Neste sentido, se há prognóstico de comprometimento da estatura final, a criança pode se tornar fértil e de aparência adulta precocemente, com o risco de comprometimento psicossocial.

Quando ela é GnRH-dependente (chamada de Central, pois é ocasionada por alterações no sistema nervoso central), o tratamento se dá pelo uso de hormônios para bloquear o eixo hormonal que provoca sua antecipação. A ativação desse eixo ocorre quando a hipófise, glândula localizada no cérebro, começa a liberar hormônios que estimulam as gônadas (ovários e testículos) a trabalharem, liberando os hormônios sexuais (estrógeno e testosterona), que começarão a agir no organismo provocando as alterações da puberdade.

Atualmente, o tratamento da puberdade precoce central é realizado com análogos de GnRH, um hormônio sintético que bloqueia o trabalho da hipófise, deixando o eixo inativo. "O tratamento é indicado até certa idade e determinado pela avaliação clínica completa, previsão da estatura final, idade óssea e pelo momento puberal da criança ao iniciar o tratamento", aponta o endocrinologista pediatra Felipe Monti Lora, membro do Centro de Excelência em Obesidade Infantil do Hospital Infantil Sabará, em São Paulo. O mais indicado é sempre consultar o médico. Ele saberá orientar e decidir a melhor terapia para cada paciente.

O tratamento da puberdade precoce periférica (ou seja, que pode ter origem em diversas partes do corpo) deve levar em consideração a causa. Ele poderá ser feito com medicamentos ou mesmo com cirurgias, no caso, principalmente, de tumores. O médico que acompanha o paciente deverá indicar o especialista que poderá tratar o que originou a puberdade precoce.

É importante ressaltar que, mesmo que a puberdade precoce não tenha causa aparente, o diagnóstico tardio pode impedir que o tratamento seja iniciado. Depois da menstruação em meninas, por exemplo, é mais difícil bloquear o eixo e nem sempre vale a pena, mas a decisão é feita pelo especialista, conforme as características de cada paciente.

Os tratamentos citados acima estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS).

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

Na maioria dos casos a puberdade precoce ocorre por algum problema desconhecido na hipófise e o acompanhamento varia conforme o uso ou não das terapias para bloquear a puberdade. Quando a indicação é tratar, a medicação precisa ser administrada com uma periodicidade certa, então as consultas de rotina são marcadas para se verificar o andamento e a eficácia do tratamento. Quando as meninas começam a tomar o medicamento, inclusive, é normal que apresentem um pequeno sangramento vaginal.

O exame de raio X das mãos e punhos ajuda a perceber se o processo de puberdade foi interrompido, pois mostra se houve uma desaceleração no desenvolvimento da idade óssea da criança. Na prática, isto quer dizer que as meninas ou meninos param de crescer tão rapidamente e não há mais o aparecimento de novos pelos pubianos ou no resto do corpo.

Agora, quando o médico responsável acredita que não é mais possível bloquear o avanço da puberdade, é preciso um acompanhamento de perto, com consultas frequentes para avaliação da progressão desta puberdade.

Complicações possíveis

São várias as complicações que a puberdade precoce pode trazer para a criança ou impactar na sua fase adulta, principalmente se não tratada efetivamente. Dentre elas estão:

Baixa estatura

A principal complicação relacionada à puberdade precoce é a baixa estatura. Isso acontece porque uma vez que os hormônios não desenvolverão apenas os caracteres sexuais, mas também a cartilagem de crescimento pode haver um prejuízo na altura final.

Mais chance de desenvolver tumores

Hoje já é sabido que, quanto mais tempo uma mulher é exposta a hormônios femininos, mais chance ela tem de desenvolver tumores que dependem destes hormônios, como os relacionados ao câncer de endométrio e ao câncer de mama. Com a puberdade precoce, a exposição a estes hormônios é mais intensa e duradoura, aumentando o risco de seu desenvolvimento.

Menarca precoce

Começar a menstruar é um incômodo para a maioria das meninas, pois representa uma grande mudança na sua rotina e no seu corpo. Elas terão que começar a usar absorventes e a se atentar se ele está "vazando" ou não. Essas preocupações, quando não ocorrem ao mesmo tempo que as amigas, podem deixar a situação ainda mais difícil.

Maturação sexual precoce

Com o desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários mais precocemente, pode existir um risco de o menino ou menina iniciar uma vida sexual prematuramente, o que, se combinado com falta de informações corretas, pode culminar com gravidez ou infecções por doenças sexualmente transmissíveis.

Alterações comportamentais

Com a puberdade precoce podemos observar, às vezes, comportamentos de adolescentes em crianças. A variação hormonal pode levar à variação de humor, qualquer que seja a idade de início da puberdade. Além disso, a pressão que as crianças que têm puberdade precoce sofrem da sociedade, que exige comportamentos adequados ao seu aspecto físico ao invés da sua idade cronológica, só faz piorar a situação.

Problemas psicológicos diversos

Os problemas psicológicos, como depressão e ansiedade, podem ser desencadeados por uma mudança corporal que as crianças não estão preparadas, além de apresentarem o corpo bastante diferente do dos demais colegas.

Problemas de fertilidade

Pessoas que passaram por puberdade precoce podem ter problemas de fertilidade. As meninas com puberdade precoce causada por hiperplasia de suprarrenal, por exemplo, apresentam altos níveis de androgênios, o que pode levar à infertilidade. Qualquer problema físico que envolva os hormônios - sejam eles estrogênios, androgênios, cortisol, hormônios tireoideanos - podem alterar a fertilidade.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Prevenção

Prevenção

É difícil falar de prevenção da puberdade precoce, uma vez que a maioria dos casos são idiopáticos, ou seja, que o aparecimento do problema não está relacionado aparentemente a nenhuma doença. Contudo, acredita-se ser possível prevenir a puberdade precoce evitando fatores que já foram relacionados como de maior risco para o seu aparecimento. Dentre as medidas estão:

  • Encorajar a criança a manter um peso saudável para a sua idade e altura
  • Não fazer uso de fontes externas de estrógeno e testosterona, como os presentes em alguns medicamentos, suplementos e até cosméticos
  • Manter uma alimentação saudável
  • Evitar plásticos com bisfenol A, que é conhecido por imitar o efeito do hormônio feminino e até pouco tempo atrás era utilizado até na fabricação de mamadeiras, que quando aquecidas podiam liberar este componente
  • Nos cosméticos também se deve evitar os que possuam parabeno, pois é como se eles atuassem como desreguladores hormonais.

Outra forma de prevenir o agravamento dos problemas relacionados à puberdade precoce é o diagnóstico e tratamento o quanto antes. Então, procure um médico caso o seu filho ou filha apresente sintomas da puberdade antes do tempo esperado.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Fontes e referências

  • Andrea Hercowitz, pediatra especialista em adolescentes do Hospital Israelita Albert Einstein – CRM: 83275/SP.
  • Cristiane Kopacek, pediatra membro do Comitê de Endocrinologia da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul – CRM: 26529/RS.
  • Felipe Lora, endocrinologista pediatra do Hospital Infantil Sabará – CRM: 112895/SP.
  • Isabel Rey Madeira, endocrinologista pediatra e Presidente do Comitê de Endocrinologia Pediátrica da Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro – CRM: 438750/RJ.
  • Laura Cudizio, endocrinologista pediátrica do Hospital Leforte – CRM 136012/SP.
  • Ministério da Saúde
  • Clínica Mayo – organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos que reúne conteúdos sobre doenças, sintomas, exames médicos, medicamentos, entre outros.