PUBLICIDADE

Secreção nos ouvidos: sintomas, tratamentos e causas

Visão Geral

O que é Secreção nos ouvidos?

Secreção saindo dos ouvidos, ou otorreia, é a presença de um líquido saindo do canal auditivo. A drenagem pode ser aquosa, com sangue, ou grossa e esbranquiçada, como pus.

PUBLICIDADE

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Dependendo da causa, as pessoas também podem ter:

A gravidade dos sintomas pode variar de pessoa para pessoa, e nem todos precisam estar presentes necessariamente.

Se você tem secreção no ouvido, é importante buscar ajuda médica para que seja feito o tratamento correto. Uma infecção nos ouvidos não tratada pode ter consequências graves, que vão desde a perda auditiva e até doenças como meningite.

A secreção no ouvido pode ser decorrente de uma infecção do conduto auditivo ou no ouvido médio. O ouvido médio é um pequeno espaço cheio de ar atrás do tímpano, onde estão os ossículos do ouvido. Infecções no ouvido médio podem causar o acúmulo de líquido e fazer esta substância saia pelo canal auditivo.

A secreção no ouvido pode ocorrer em adultos e crianças, mas são mais comuns no último grupo. Isso porque apresentam a tuba auditiva (canal que liga o ouvido médio ao nariz) mais curta e menos íngreme.

Sinônimos

Otorreia

Causas

A secreção no ouvido pode ser proveniente do canal auditivo, do ouvido médio, ou, raramente, de dentro do crânio. Em geral, as causas mais comuns são:

Em algumas pessoas com otite média (geralmente crianças), as rupturas do tímpano liberam o material infectado recolhido no ouvido médio. O buraco na membrana timpânica quase sempre se cura sozinho, mas às vezes uma pequena perfuração permanece. A perfuração pode também ser um resultado de lesão ou cirurgia no tímpano. Quando a perfuração está presente, aumentam os riscos de infecções crônicas do ouvido médio, que podem causar corrimento orelha.

Outras causas sérias de secreção nos ouvidos, mas raras, incluem:

O canal auditivo interno (por onde passa o nervo auditivo, nervo vestibular e nervo facial) passa através da base do crânio. Se ocorrer uma fratura de crânio (a partir de um ferimento grave na cabeça) pode ser que sangue ou líquido cefalorraquidiano vaze pela orelha.

Otite externa necrosante é uma forma particularmente grave de infecção da orelha externa, que geralmente ocorre em pessoas com diabetes ou aqueles que têm um sistema imunológico comprometido.

Algumas pessoas com otite média crônica desenvolvem um crescimento desorganizado de tecido queratinizado oriundo de células do tecido epitelial do ouvido, que formam uma massa chamada de colesteatoma, que pode causar corrimento. Apesar de um colesteatoma ser benigno, ele pode causar danos significativos à orelha e às estruturas vizinhas. Em casos graves, um colesteatoma pode levar à surdez, fraqueza ou paralisia facial e complicações como um abscesso cerebral e outras infecções.

Fatores de risco

Alguns fatores que aumentam o risco de secreção nos ouvidos não podem ser prevenidos. Estes incluem:

Outros fatores que aumentam o risco de secreção no ouvido incluem:

O risco de otite crônica ou recorrente com secreção pode ser maior se há:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Últimas perguntas sobre Secreção nos ouvidos

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Para secreção nos ouvidos, os sinais de alerta que indicam a necessidade de buscar atendimento imediato são:

Pessoas com sinais de alerta devem buscar um pronto socorro. Pessoas sem sinais de alerta devem consultar um médico dentro de alguns dias.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar as causas de secreção nos ouvidos são:

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Referências

Revisado por: Bruno Loredo, otorrinolaringologista do Hospital Santa Luzia, em Brasília.