Você sabe como usar a pílula do dia seguinte?

Descubra quando recorrer a este método de contracepção emergencial

POR LAURA TAVARES - ATUALIZADO EM 11/05/2015

Só quem passou pelo aperto de perceber que o preservativo rompeu ou de encontrar a cartela de anticoncepcional com comprimidos esquecidos após a relação conhece o medo de uma gravidez não planejada. Felizmente, essas e outras situações que poderiam levar à gestação indesejada podem ser revertidas com métodos de contracepção emergencial, como a tradicional pílula do dia seguinte. Segundo a ginecologista e obstetra Bárbara Murayama, da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), ela é uma pílula com alta dose de hormônio, cujas versões mais modernas são compostas apenas pelo hormônio levonogestrel.

Uma pesquisa realizada pela Casa da Adolescente, unidade da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, aponta que 23% das adolescentes do sexo feminino já usaram a pílula do dia seguinte para evitar gravidez. O levantamento, divulgado dia 12 de junho, contou com 600 entrevistados com idade entre 10 e 15 anos. Os resultados mostram ainda que 75% das meninas e 60% dos meninos já conheciam a utilização do medicamento para impedir uma gestação indesejada.

Vendida sem prescrição médica no Brasil, a pílula do dia seguinte é usada sem orientação, o que, muitas vezes, afeta sua eficácia. Afinal, ela deve ser usada quanto tempo após a relação desprotegida? Quais são seus efeitos colaterais mais comuns? Para esclarecer essas e outras dúvidas, o Minha Vida consultou especialista e montou o teste que você confere a seguir:

1/8

Como a pílula age no organismo?

2/8

A pílula do dia seguinte deve ser usada:

3/8

Quanto tempo após a relação desprotegida recomenda-se usar a pílula?

4/8

São efeitos colaterais comuns da pílula:

5/8

É recomendado ingerir a pílula:

6/8

Qual a idade mínima para usar a pílula?

7/8

Existe limite de uso da pílula do dia seguinte?

8/8

O uso de algum outro medicamento pode afetar o efeito da pílula?