PUBLICIDADE

Saiba o que são os ácidos graxos trans

Identifique o vilão que se esconde na sua alimentação

Os ácidos graxos possuem uma cadeia carbônica geralmente não-ramificada e uma única carboxila que confere à maioria dos lipídios a sua natureza oleosa e gordurosa, insolúvel em água.

O comprimento da cadeia carbônica dos ácidos graxos pode variar de 4 a 36 átomos de carbono e quanto maior a cadeia carbônica, mais insolúvel em água será o ácido graxo. A longa cadeia hidrocarbonada pode ser totalmente saturada, ou seja, conter apenas ligações simples ou insaturadas com uma ou mais duplas ligações. Podem-se classificar os ácidos graxos, dependendo do comprimento da cadeia carbônica, em ácidos graxos saturados, monoinsaturados e poliinsaturados.

Ácidos Graxos Saturados (AGS) os AGS não possuem duplas ligações e são sólidos à temperatura ambiente. Eles aumentam os níveis de colesterol, reduzindo a atividade do receptor hepático de LDL e diminuindo o clearance dessa lipoproteína. Dentre os ácidos graxos que apresentam esse efeito, incluem-se o láurico, encontrado no óleo de coco; o mirístico, encontrado em gorduras animais e também no óleo de coco, no leite e em seus derivados; e o palmítico, encontrado na gordura animal e no óleo de dendê.

Em relação ao ácido esteárico presente na gordura animal, na manteiga de coco e em gorduras hidrogenadas, ainda não foram encontrados resultados que mostrem a sua influência no aumento do LDL - colesterol.

Ácidos Graxos Trans contém pelo menos uma dupla ligação na configuração trans. A dupla ligação dos ácidos graxos pode existir tanto na configuração cis quanto na trans. Quando os dois átomos de hidrogênio estão em lados opostos da dupla ligação, a configuração é chamada de trans; já quando os dois estão no mesmo lado da dupla ligação, a configuração é chamada de cis. A dupla ligação trans é resultado da fermentação bacteriana anaeróbica que ocorre em animais ruminantes e é, desta forma, introduzida na cadeia alimentar.

Também pode ser formada durante o processo de hidrogenação, que solidifica os óleos líquidos para aumentar a vida de prateleira de alimentos processados que contêm esses óleos. A ingestão dos ácidos graxos faz crescer o risco de desenvolvimento de doenças cardíacas por aumentar os níveis de LDL e também por reduzir os níveis de HDL, o que provavelmente ocorre por apresentar propriedades físicas, químicas e metabólicas comparáveis às dos ácidos graxos saturados.

As principais fontes desses ácidos graxos são os óleos e as gorduras hidrogenadas, principalmente as margarinas e shortenings, que se caracterizam por gorduras industriais utilizadas na composição de alimentos como sorvetes, cookies, chocolates, pães, cremes e sobremesas aeradas, óleos para fritura industrial e molhos para saladas (maioneses).

As indústrias alimentícias têm se adequado para reduzir ou até mesmo eliminar as gorduras trans dos seus produtos, tornando-os mais saudáveis.

Thelma F. Feltrin Rodrigues é nutricionista e docente do curso de Nutrição da Universidade Nove de Julho.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)