PUBLICIDADE

Adoce as refeições, mas sem ameaçar o colesterol

Em vez de esquecer as confeitarias, escolha as delícias que sua saúde aprova

Amarga é a rotina de quem precisa controlar, com medidas firmas, os níveis de colesterol. E a idéia não é somente força de expressão: o corte dos doces é uma das primeiras indicações médicas, ao constatar o excesso de gordura no sangue. Isso acontece porque as receitas vêm recheadas de ingredientes que fazem seus triglicérides transbordarem, como o açúcar refinado e a manteiga ou margarina. Leite integral, chantilly, chocolate e creme de leite também estão na lista ameaçadora, que colabora para o entupimento das artérias e sobrecarga do trabalho do coração.

"Os doces devem ser evitados por quem precisa controlar os níveis de colesterol, assim como os outros alimentos gordurosos. O cuidado passa despercebido porque muita gente só associa doce a açúcar, esquecendo a gordura presente na elaboração de mousses, pavês, tortas e croissants, por exemplo", esclarece Bruna Dinalli, nutricionista da clínica Biodiet. E nem adianta apelar para as receitas diet: normalmente, o corte do açucarou a substituição pelo adoçante implica em mais gordura na receita, para que o ponto seja alcançado.

Doce com sinal verde (e gosto bom)

Mas antes que você comece a sentir calafrios pela abstinência ou corte todas as confeitarias do seu caminho, saiba que nem doces prejudicam o colesterol alto. Isso porque muitas receitas são compostas por nozes, avelãs, castanhas e amêndoas, ricas em gorduras monoinsaturadas. "Estas gorduras são consideradas "do bem", por ajudarem a aumentar o HDL, ou bom colesterol, e a e diminuir o LDL, ou mau colesterol, quando consumidas nas proporções corretas, ou seja, entre 15% e 20% das calorias totais do dia", afirma a nutricionista.

As opções à base de frutas também são uma boa pedida, já que os alimentos de origem vegetal não contêm colesterol nem gordura saturada. "Os doces com frutas em calda, gelatina e geléias, além dos picolés de fruta, são os mais recomendados. No entanto, é preciso tomar cuidado com as calorias e com o açúcar, que pode contribuir para o aumento do triglicérides, como já mencionado", diz Bruna.

Para quem não vive sem um docinho e também não descuida da saúde, há ainda outra dica: as versões mais leves dos produtos, como as sem açúcar e com menos gordura (sua escolha precisa atender as duas recomendações). Muitos estabelecimentos já possuem bolos, tortas e sorvetes feitos com adoçante e leite desnatado, por exemplo, que saciam a vontade e causam menos danos se forem consumidos com moderação (leia-se: uma vez por semana).

Confeitaria dá o exemplo

As guloseimas que a Ofner exibe nas vitrines alimenta os sonhos e o paladar de quem adora um docinho. Tortas, mousses, bombas e mais toda a sorte de receitas, das mais tradicionais às mais sofisticadas, encantam os olhos de quem visita a loja. E o melhor: também não provocam pesadelos entre as pessoas preocupadas com o colesterol e as taxas de açúcar. A empresa é uma das poucas que recebeu o selo da ANAD (Associação Nacional de Assistência ao Diabético), por oferecer uma linha de confeitaria, sorvetes e chocolates sem adição de açúcar, própria para clientes com diabetes e que combatem a obesidade.

"Para as pessoas que precisam controlar o colesterol, ainda não temos uma linha tão direcionada quanto temos para a de diabetes. Mas a linha Zero Açúcar, ao substituir o açúcar por outros ingredientes (a adição de fibras, por exemplo), reduz as gorduras totais do alimento em até 40%. As calorias têm um corte de 20% a 30%", afirma o gerente industrial da Ofner, Marco Antonio Troli.

Na hora de pedir
Muitas confeitarias oferecem um cardápio diferenciado para pessoas preocupadas em controlar o colesterol e a quantidade de gorduras. Mas, nem sempre, os funcionários são treinados para apresentar esta informação. Por isso, é importante fazer as perguntas certas na hora de pedir sua sobremesa, além de consultar a tabela nutricional dos alimentos, observando a quantidade de calorias e de gorduras totais em cada receita. Antes de escolher como adoçar o paladar, questione se a receita:

1. É feita com leite desnatado?

2. Leva açúcar ou adoçante?

3. Pode dispensar o chantilly?

4. Existe numa porção pequena?

5. Usa farinha integral na massa?