PUBLICIDADE

Evite os 10 principais erros que deixam os cabelos oleosos

Passar demais a mão nos fios e tomar banho com água quente são alguns deles

Cabelos oleosos são a preocupação de 30% das leitoras do Minha Vida, de acordo com a Pesquisa de Beleza conduzida pelo site em 2014. E quem tem fios que acumulam sebo sabem como os fios limpos e soltos podem rapidamente passar a ficar grudados e sujos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Mas existem graus de oleosidade dos fios: algumas pessoas produzem muito mais sebo do que as outras. "Isso é dependente de uma série de fatores, que podem ser individuais e que levam ao aumento da produção de hormônios androgênicos, fatores decorrentes de um processo inflamatório, hiperqueratose que leva ao acúmulo desses ácidos graxos no couro cabeludo, entre outros. Até o estresse pode levar a um aumento na produção dos ácidos graxos no cabelo", descreve e dermatologista Celia Kalil, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Isso ocorre porque a oleosidade é uma proteção dos cabelos: ela evita queimaduras solares, inflamação, ressecamento e até mesmo infecções.

E não são só as pessoas com tendência a ter cabelos oleosos que apresentam esse problema: existem hábitos do dia a dia que estimulam a produção de sebo pelas glândulas do cabelo: "cuidar da forma errada pode causar oleosidade até em fios secos ou normais", frisa a dermatologista Mônica Aribi. Será que esse é seu caso? Só tem um jeito de saber: veja os principais erros que causam oleosidade e corte o mal pela raiz:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Passar a mão nos fios o tempo todo

Mulher passando a mão nos cabelos - Foto: Getty Images
Mulher passando a mão nos cabelos - Foto: Getty Images

Já reparou que quanto mais você mexe nos fios, mais ensebados eles ficam? Isso tem sim explicação! "Nossa pele também contém um manto de proteção, chamado de manto hidrolipídico, que é composto de células mortas, ceramidas, queratina e outros componentes de natureza lipídica", explica dermatologista Celia Kalil, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Portanto, quando passamos os dedos nos fios, partes desses componentes gordurosos vão para os fios. Além disso, nossas mãos sempre tem uma sujeirinha: hidratantes, cremes e até filtros solares deixam resíduos nelas. Resultado? Cabelos oleosos!

Usar shampoos de limpeza profunda

Mulher com shampoos - Foto: Getty Images
Mulher com shampoos - Foto: Getty Images

Cabelos oleosos estão sujos, certo? No entanto, não é por isso que shampoos de limpeza profunda vão ajudar a limpar essa oleosidade toda. Muito pelo contrário: "Por serem produtos muito agressivos, e a oleosidade aumenta para defender o cabelo", contextualiza a dermatologista Mônica Aribi. Ao usá-los, o manto lipídico que cobre o couro cabeludo é retirado, e as glândulas do corpo entendem que é necessário repor, produzindo mais sebo.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Lavar o cabelo com água quente

Mulher tomando banho e lavando os cabelos - Foto: Getty Images
Mulher tomando banho e lavando os cabelos - Foto: Getty Images

A água quente tem uma ação semelhante ao shampoo de limpeza profunda. A farmacêutica Christine Chaves usa o exemplo das lavagens para retirar gordura de panelas: basta usar um bom detergente e água quente! Pois no banho é a mesma coisa, só que com o shampoo. "Remover excessivamente os ácidos graxos presentes no cabelo provoca o que chamamos de efeito rebote, ou seja, agravamento do problema por estímulo da glândula sebácea", descreve a especialista. Além disso, a dermatologista Kalil lembra que a água quente também pode irritar o couro cabeludo, o que hiperestimula as glândulas sebáceas também.

Usar condicionador na raiz

Mulher passando condicionador - Foto: Getty Images
Mulher passando condicionador - Foto: Getty Images

Quem tem cabelos oleosos não deve dispensar o condicionador: "O uso do condicionador nas pontas é muito importante, pois reduz as cargas eletrostáticas deixadas pelo xampu e faz com que os fios fiquem macios e proporciona penteabilidade", explica a farmacêutica Chaves. No entanto, Kalil nos lembra que toda fórmula de condicionador tem componentes semelhantes a gordura que servem para hidratar o fio. "Se o condicionador for aplicado na raiz, portanto, pode provocar o aumento da oleosidade sim e deixar a região úmida", ressalta a dermatologista.

Uma dica importante quando pensarmos em condicionadores, é a quantidade usada: "Somente, uma pequena quantidade do produto é suficiente para garantir maciez, penteabilidade, brilho", explica Christine Chaves. Mas é importante também enxaguar bem e retirar o produto, para evitar a oleosidade e o aspecto pesado.

Abusar dos finalizadores

Moça passando finalizador nos cabelos - Foto: Getty Images
Moça passando finalizador nos cabelos - Foto: Getty Images

Muitos finalizadores contêm em sua formulação óleos ou ceras, que podem deixar a raiz dos fios mais oleosa, portanto, o ideal é não abusar do seu uso! Prefira os finalizadores à base de silicone: "é uma molécula inerte, que forma um filme protetor no fio e não costuma deixar os cabelos pesados, a não ser quanto aplicado em excesso", ensina a farmacêutica Christine Chaves.

Fazer químicas que mantêm a oleosidade apenas na raiz

Mulher fazendo escova progressiva - Foto: Getty Images
Mulher fazendo escova progressiva - Foto: Getty Images

Alguns tratamentos com química nos cabelos favorecem o acúmulo de oleosidade na raiz e couro cabelo, impedindo que eles se espalhem para o resto dos fios. Um dos maiores casos é a escova progressiva: "Várias pessoas queixam-se de aumento da oleosidade por pelo menos um mês depois de realizar a química. Esse processo pode ser feito com substâncias como a cisteína, guanidina, ácido hialurônico, que deixam resíduos na raiz por um certo tempo", explica a dermatologista Celia Kalil. Portanto, se você tem fios oleosos, prepare-se para reforçar seus cuidados após esses tratamentos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Dormir com o cabelo molhado

Moça com cabelos molhados na cama - Foto: Getty Images
Moça com cabelos molhados na cama - Foto: Getty Images

Dormir com os cabelos molhados faz mais do que aumentar a oleosidade: ela cria um ambiente propício para a dermatite seborreica, também chamada de caspa! "Manter o cabelo úmido cria um ambiente propício à proliferação de fungos e bactérias que causam o problema que acomete tanto homens quanto mulheres, não é contagiosa, mas pode ter fases de melhora ou piora", explica a dermatologista Kalil. Portanto, todas as pessoas devem evitar esse hábito.

Secador muito quente

Mulher secando os cabelos - Foto: Getty Images
Mulher secando os cabelos - Foto: Getty Images

De acordo com a dermatologista Mônica Aribi, o uso de secadores muito quentes também agrava a oleosidade. Isso acontece por uma questão de proteção: o calor excessivo danifica o couro cabeludo. Para se defender desse ataque, as glândulas sebáceas produzem mais oleosidade, que funciona como um escudo contra os fatores agressores. Por isso mesmo, ficar muito exposto ao calor e o sol também aumentam a oleosidade.

Consumir alimentos com carboidratos simples

Moça comendo um doce - Foto: Getty Images
Moça comendo um doce - Foto: Getty Images

A alimentação tem uma influência direta na saúde do corpo todo, e isso não muda quando o assunto são os cabelos. Mas não é a gordura dos alimentos que interfere nisso, e sim a quantidade de carboidratos simples que você ingere, de acordo com estudos mais recentes. Entre os carboidratos simples podemos enumerar alimentos ricos em açúcar, pães refinados, massas refinadas e arroz branco. "Isso ocorre provavelmente porque o excesso de glicose proveniente dele desequilibra a produção de insulina, que, por sua vez, causa uma inflamação celular que aumenta a produção de sebo pelas glândulas sebáceas", explica a dermatologista Kalil. Uma solução é consumir mais alimentos ricos em fibras, como feijão, frutas e vegetais, pois eles têm um índice glicêmico mais baixo.