PUBLICIDADE

Dermatite de contato é freqüente e deve ser evitada

Com algumas dicas simples é possível evitar e cuidar da doença

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

É cada vez mais comum o paciente ouvir de seu médico que está com dermatite de contato. Mas apesar de muito usual, o que significa esse termo? Muitos desconhecem, porém a dermatite de contato nada mais é que uma alergia - ou inflamação - desencadeada pelo contato com substâncias químicas que causem o problema, como itens de limpeza, materiais alcalinos (sabonetes), ácidos, cosméticos. Essa lesão aparece com mais freqüência nas mãos, braços e rosto. A maioria dos pacientes acha que a alergia só ocorre quando se manuseia novos produtos, mas desenvolvemos alergias de coisas que já utilizamos milhares de vezes. Um determinado dia, o nosso organismo se sensibiliza a uma substância e pronto, a partir daí, não podemos mais utilizá-la. Infelizmente, um dos mais freqüentes causadores de alergia é o esmalte das unhas e, na maioria das vezes, acontece no rosto, mas só quando há uma lesão pré-existente que ao coçarmos ou manipularmos (pode ser apertando uma

espinha) desencadeamos a sensibilização.

Tratar o cravo e a espinha é o mais correto para termos a pele saudável e bonita, além de evitarmos a alergia que leva mais tempo para ser eliminada.

Existem outros motivos que acarretam a dermatite de contato, como fragrâncias, adesivos, removedores de esmaltes, soluções para lentes de contato, metais dos pinos de brincos, pulseiras de relógio, além de produtos que em contato com a luz solar agride a pele, entre eles, a loção para barbear, filtros solares, determinadas pomadas e óleos.

Os sintomas da dermatite de contato são coceira, bolhas, crostas e/ou descamações da derme que são diagnosticadas com uma boa avaliação médica, acompanhada de testes alérgicos.

Os incômodos devem ser logo tratados com remédios via oral associados ou não à pomadas, para que a pele não fique escura, grossa e rachada. Geralmente, a doença desaparece depois de duas ou três semanas e a prevenção, basicamente, é não ter contato com os desencadeadores da alergia.

Caso não seja possível, manuseie esses produtos com luvas.

Dr. Cesar Cuono é dermatologista formado pela USP - com 27 anos de experiência na área.

Para saber mais, acesse: www.cesarcuono.com.br