PUBLICIDADE

Ácido tranexâmico: para que serve, como usar e restrições

A substância é uma alternativa segura para tratar manchas de pele, melasma e marcas de acne

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

O que é ácido tranexâmico

O ácido tranexâmico é um composto hidrofílico capaz de inibir a produção de plasmina - substância que é liberada sempre que a pele sofre algum machucado, inflamação de acne ou agressão por exposição solar. Nesse contexto, ela estimula fatores inflamatórios, responsáveis por aumentar a produção de melanina na pele (proteína presente no corpo que dá coloração aos cabelos, olhos e pele).

Para que serve o ácido tranexâmico

À vista disso, o ácido tranexâmico é bastante utilizado em tratamentos dermatológicos que buscam clarear manchas na pele, seja por melasma, marcas residuais de acne ou manchas solares. O melasma, em especial, é uma doença sem cura caracterizada por manchas hiperpigmentadas que surgem em áreas da pele expostas à luz, principalmente o rosto.

De acordo com Mayla Carbone, dermatologista do Instituto Castro, o uso do ácido também pode melhorar a aparência de teleangiectasias, manchas escuras com vasos superficiais, que podem decorrer do melasma. Nesses casos, o uso da substância por via oral pode conferir alguns benefícios ao usuário, como melhora na qualidade da pele.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"O ácido tranexâmico tem sido um grande aliado para o rejuvenescimento da face, uma vez que ele vai bloquear a pigmentação na pele causada muitas vezes pela exposição solar e raios ultravioletas", explica a especialista.

Como utilizar o ácido tranexâmico

Ao contrário de outros compostos, como o ácido glicólico ou mandélico, o ácido tranexâmico pode ser utilizado durante o dia. No entanto, é primordial usar um protetor solar com fator de proteção acima de 50 junto com o produto, independentemente do tipo de pele.

Segundo Laís Leonor, dermatologista da clínica Dr. André Braz, no Rio de Janeiro, o uso do ácido nesses tratamentos pode ocorrer em diferentes formas de aplicação: cremes tópicos, injeções intradérmicas e microagulhamento, e cápsulas por via oral.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Ele também pode ser utilizado em peelings, como forma de clarear a pele mais rapidamente, sendo que alguns são mais superficiais (e mais seguros) e outros atingem camadas mais profundas da pele.

"Peeling de ácido tranexâmico pode ser utilizado com eficácia para reduzir hiperpigmentação em pacientes com melasma. Mas os resultados são variáveis", esclarece Laís.

A dermatologista também ressalta a importância de sempre consultar um especialista para o tratamento, que explicará a forma correta de uso do ácido e auxiliará na escolha do método mais adequado para cada caso.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Benefícios do ácido tranexâmico

Se utilizado corretamente e seguindo as indicações do médico dermatologista, o ácido tranexâmico pode ser um agente importante no tratamento da pele. Alguns dos principais benefícios que ele oferece são:

Contraindicações do ácido tranexâmico

O ácido tranexâmico, além de inibir a produção de plasmina no corpo, também inibe uma enzima chamada plasminogênio, responsável por se ligar aos coágulos para destruí-los, impedindo a formação de uma trombose.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

À vista disso, a dermatologista Mayla Carbone esclarece que pacientes com tendência à formação de trombos são contraindicados a usarem o ácido tranexâmico por via oral. Pacientes com hemofilia e que fazem uso concomitante de complexo protrombínico ativo, também devido ao risco de ocorrência de tromboembolismo, não devem utilizar o ácido.

Além disso, segundo a médica Laís Leonor, o medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Nos casos em que a paciente já faz uso do ácido e engravida, é fundamental notificar a gravidez ao dermatologista para que seja feita uma adequação no tratamento.