PUBLICIDADE

Casais que fazem sexo ao menos uma vez na semana são mais felizes

Inclusive, ter mais relações sexuais se mostrou mais determinante na felicidade do casal do que ter renda mensal mais alta

Todo mundo sabe que o sexo traz inúmeros benefícios ao relacionamento, e agora um estudo, publicado na revista científica Social Psychological and Personality Science, comprovou isso, mostrando que casais que fazem sexo ao menos uma vez por semana são mais felizes.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A pesquisa revisou os resultados de três estudos feitos com 30 mil pessoas em um intervalo de tempo de 40 anos. O primeiro estudo analisou 25 mil pessoas por 23 anos e percebeu que o número de relações sexuais do casal estava relacionado à maiores níveis relatados de felicidade, mas os níveis só cresciam até a frequência de uma vez por semana. Mais do que isso traz níveis de felicidade equivalentes. Nesse estudo, essa relação só se mostrou com pessoas que estão em relacionamentos. A frequência sexual dos solteiros não influencia na sua felicidade.

Um segundo estudo foi feito com 335 pessoas de diferentes etnias. Nesse estudo, no entanto, um terceiro fator foi levado em conta: a renda mensal desses casais. E surpreendentemente, a frequência de relações sexuais se mostrou mais relacionada a maiores graus de felicidade do que o dinheiro que o casal ganhava.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Por fim, um último estudo com 2.400 casais, com duração de 14 anos, também foi feito, confirmando a relação dos outros dois estudos, inclusive mostrando que depois do mínimo de uma relação sexual por semana, os casais tinham os mesmos níveis de felicidade.

Para os pesquisadores, esse estudo é importante para mostrar que casais não precisam se sentir mal por fazerem sexo "apenas" uma vez na semana. Além disso, é difícil saber nesse tipo de estudo o que é causa e o que é consequência: talvez fazer sexo ao menos uma vez por semana seja um reflexo da felicidade do casal, e não o motivo para eles serem mais felizes. De qualquer forma, por que não experimentar manter essa frequência?

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A saúde também agradece

Além de fazer bem para a relação, o sexo traz inúmeros benefícios à saúde. Conheça oito deles na galeria a seguir:

Alivia as crises de enxaqueca

dor de cabeça - foto Getty Images
dor de cabeça - foto Getty Images

Quando seu parceiro reclamar, dizendo que não quer sexo porque está com dor de cabeça, reverta a desculpa a favor da saúde dele. Segundo o médico Neucenir Gallani, o orgasmo libera substâncias, como as endorfinas, que atuam no sistema nervoso. "Elas diminuem a sensibilidade à dor, relaxando a musculatura e melhorando o humor", afirma.

Melhora o aspecto da pele

casal - foto Getty Images
casal - foto Getty Images

Fazer sexo, principalmente no período da manhã, é um poderoso aliado da beleza para manter a juventude. Essa foi a conclusão de um estudo, realizado por cientistas da Universidade Queens (Reino Unido). De acordo com os pesquisadores, atingir o orgasmo aumenta os níveis de estrogênio, testosterona e de outros hormônios ligados ao brilho e a textura da pele e dos cabelos.

Além disso, quando há o orgasmo, ocorre uma vasodilatação superficial dos vasos, até aumentando a temperatura em algumas pessoas. Com isso, a pele ganha uma aparência mais viçosa, e o brilho natural dela fica em destaque.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Alivia as cólicas da TPM

casal - foto Getty Images
casal - foto Getty Images

O ginecologista Neucenir Gallani faz questão de reforçar que isso não é uma regra, mas acontece com algumas mulheres. Os movimentos realizados durante o sexo estimulam os órgãos internos, que ficam mais relaxados e, com isso, há diminuição das dores que incomodam seu bem-estar nos dias antes da menstruação. "Mas há mulheres que, na fase pré-menstrual, não têm disposição para o sexo e forçar a barra pode ser pior", diz o ginecologista.

Melhora o sono

casal dormindo - foto Getty Images
casal dormindo - foto Getty Images

O relaxamento que o orgasmo traz contribui para que você durma melhor, e não apenas no dias em que houver sexo. A reação tem efeito prolongado, devido a ação dos neurotransmissores que passam a agir no seu organismo com mais regularidade e numa quantidade maior.

Diminui o estresse

casal - foto Getty Images
casal - foto Getty Images

O médico faz questão de ressaltar que o orgasmo não deve ser encarado como um remédio calmante, mas como parte de uma relação afetiva que traz prazer. Quando isso acontece, os níveis de estresse tendem a diminuir não só pela estabilidade emocional, mas também porque os chamados hormônios do estresse, como o cortisol, apresentam atividade reduzida. Quem trouxe essa novidade foi um estudo escocês recém-publicado na revista Biological Psychology.

Diminui os riscos de infarto

casal - foto Getty Images
casal - foto Getty Images

Um estudo da Universidade de Bristol, na Grã-Bretanha, realizado com mais de 3 mil homens de 45 a 59 anos, concluiu, após 20 anos, que o sexo frequente pode reduzir o risco de infartos fatais e de derrames. De acordo com as conclusões da pesquisa, a morte súbita causada por problemas de coração é mais comum entre homens que afirmam ter níveis baixos ou moderados de atividade sexual.

Queima calorias

casal - foto Getty Images
casal - foto Getty Images

Segundo a Associação Americana de Educadores e Terapeutas Sexuais, a atividade sexual pode ser um ótimo exercício para o corpo. Isso porque meia hora de sexo queimam, em média, 85 calorias. Portanto, se você está sem paciência para ir à academia, que tal optar pelo plano B?

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Aumenta a imunidade

casal - foto Getty Images
casal - foto Getty Images

Um estudo feito pela Wilkes University, nos Estados Unidos, mostrou que uma vida sexual ativa aumenta os níveis de um anticorpo conhecido como IgA , responsável pela proteção do organismo de infecções, gripes e resfriados.