PUBLICIDADE

Relacionamentos amorosos podem interferir no consumo de álcool?

Ciência aponta que o consumo de álcool e comportamentos saudáveis podem sofrer influência das relações afetivas

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

Em algum período da sua vida você relacionou seu consumo de álcool com o momento amoroso que estava vivendo? Por exemplo, bebeu mais quando passou por um término de relacionamento? Pois saiba que esse é um dos temas que têm despertado o interesse dos pesquisadores e estudos indicam que pessoas que namoram, estão noivas ou casadas são menos propensas a fazer uso nocivo de álcool ou de outras drogas.

Dados nacionais corroboram esse achado científico. No Brasil, segundo a publicação Álcool e a Saúde dos Brasileiros - Panorama 2020, com base nas informações do Vigitel 2018, pessoas solteiras possuíam 1,6 vezes mais chances de praticar o consumo abusivo do que casadas e/ou em união estável.

Um estudo norte-americano1 com jovens entre 18 e 24 anos procurou analisar como os diferentes estados civis influenciavam o consumo de álcool. Um grupo de 620 pessoas dessa faixa etária foi dividido em seis categorias de relacionamentos afetivos e avaliado mensalmente durante um ano.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Solteiros e pessoas em relacionamento estável relataram beber menos, enquanto que, comparativamente, participantes das categorias "solteiro, mas saindo com outras pessoas", "término recente" e "término e início de relacionamento" informaram consumo abusivo de duas a quatro vezes maior. Assim, a conclusão dos autores é que a estabilidade do estado civil poderia contribuir para uma menor ingestão de álcool.

Outro aspecto interessante quando falamos sobre relacionamentos amorosos é a influência do parceiro na adoção de comportamentos saudáveis, como fazer exercício físico, ter uma alimentação saudável e não beber em excesso. Alguns estudos mostram que há uma certa propagação desses comportamentos entre as pessoas que se relacionam; ou seja, ter um compromisso com indivíduos que mantêm hábitos saudáveis pode trazer uma melhora na qualidade de vida e redução do uso nocivo de álcool de algumas pessoas2. Contudo, essa é uma relação de mão dupla: comportamentos deletérios à saúde também podem ser reforçados entre o casal.

Já especificamente sobre os casados, um outro estudo3 apontou que as mulheres são mais propensas a beber para lidar com o conflito conjugal enquanto que os homens são mais propensos a relatar que seu consumo de álcool contribui para o conflito conjugal.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Agora, um ponto importante nessa discussão: independentemente do seu status amoroso, o consumo excessivo de álcool nunca é uma boa escolha. Além de poder atrapalhar os relacionamentos, também não ajuda no desempenho sexual, portanto deve ser evitado. O consumo abusivo de bebidas alcoólicas, como beber muito em uma única ocasião, também traz prejuízos em curto prazo, como envolvimento em brigas e sexo sem proteção. Então, cuide-se, seja qual for o seu estado civil. Seu bem-estar deve ser a prioridade!

Referências:

1. Fleming CB, Lee CM, Rhew IC, Ramirez JJ, Abdallah DA, Fairlie AM. Descriptive and Prospective Analysis of Young Adult Alcohol Use and Romantic Relationships: Disentangling between- and within-Person Associations Using Monthly Assessments. Subst Use Misuse. 2018 Nov;53(13):2240?9.

2. Cornelius T, Desrosiers A, Kershaw T. Spread of health behaviors in young couples: How relationship power shapes relational influence. Soc Sci Med. 2016 Sep;165:46?55.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

3. Walitzer KS, Dearing RL. Gender differences in alcohol and substance use relapse. Clin Psychol Rev. 2006;26(2):128-148.