PUBLICIDADE

Pessoas são mais solitárias entre os 16 e 24 anos, diz pesquisa

Os dados contrariam o estereótipo de que os mais velhos são os que mais se sentem solitários

A solidão é um sentimento devastador que pode ser experienciado por qualquer pessoa. Entretanto, um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Manchester descobriu os jovens são os mais afetados quando o assunto é sentir-se sozinho.

Após entrevistar 55 mil participantes de idades variadas, analisando suas atitudes e experiências acerca da solidão, os cientistas chegaram à conclusão de que o sentimento afeta quase metade (40%) da população com 16 a 24 anos de idade.

Já entre as pessoas com 65 a 74 anos de idade, a solidão se torna presente 29% das vezes. O número de pessoas solitárias com mais de 75 anos cai para 27%.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O que pode causar a solidão nos jovens

Para os envolvidos na pesquisa, os jovens podem estar sentindo-se mais sozinhos por se encontrarem em uma fase onde estão descobrindo quem são. Entre os 16 e 24 anos de idade, as pessoas costumam ter mudanças na personalidade, além de estarem aprendendo a regular suas emoções, o que pode levar a uma sensação de isolamento.

As cinco características que configuram a solidão, segundo a pesquisa, são: Não ter ninguém para conversar,sentir-se desconectado do mundo, sentir-se abandonado, experienciar tristeza e ser mal compreendido.

A solidão pode ser positiva para alguns

41% dos participantes da pesquisa afirmaram que a solidão pode ter seu lado positivo. Entretanto, existe um estigma em volta de quem gosta de estar sozinho. As mulheres sentem mais vergonha que os homens em cultivarem a solitude.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A sensação de vergonha acerca da solitude vai diminuindo com o tempo. "Essas descobertas sugerem que deveríamos ser mais gentis com nós mesmos ao nos sentirmos desconectados dos outros. Também devemos saber que temos várias ferramentas a nosso favor", afirma Pamela Qualter, professora de psicologia da Universidade de Manchester, em entrevista ao Independent.