Bebê com poucas chances de sobrevivência sai da UTI e ganha formatura

Cullen Potter nasceu com apenas 400 gramas e tinha 2% de chances de sobreviver

Um bebê chamado Cullen Potter, do estado de Alabama nos Estados Unidos, nasceu em um parto prematuro de 22 semanas com menos de 400 gramas e precisou ser internado na UTI neonatal. De acordo com a mãe (Mollie Potter), os médicos afirmaram que seu filho tinha apenas 2% de chances de sobreviver. Entretanto, o improvável aconteceu, e o pequeno conseguiu manter-se vivo.

O acontecimento foi motivo de comemoração, e Cullen ganhou até mesmo uma festa de formatura no hospital para celebrar a sua vitória.

Cullen saiu da UTI cinco meses após o seu nascimento por conta do pouco peso. O normal é que os bebês nasçam com no mínimo dois quilos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Foto/Reprodução: Facebook
Foto/Reprodução: Facebook

Como a família lidou com a situação

Assim que souberam da situação do pequeno, a família passou a ligar para até 16 hospitais em três estados diferentes por dia. Eles não desistiriam até encontrar alguma instituição que pudesse salvar a vida do menino.

Após 160 dias sentindo-se apreensiva, a mãe afirma em entrevista ao Daily Mail: "Nós conseguimos nossos dois por cento. Perfeito em todas as maneiras". Atualmente, o bebê está com 2,58 KG e não apresenta mais problemas sérios de saúde.

A "formatura" do bebê

A família gravou um vídeo mostrando o momento em que Jewel Barbour, enfermeira que cuidou de Cullen, caminha contente pelo hospital, segurando o pequeno que está vestindo roupas de formatura.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A mãe conta que o hospital onde seu bebê nasceu não foi acolhedor. Eles acreditavam ser inútil transferir o menino para outro lugar ou tentar salvá-lo. Entretanto, a vida provou o contrário: Ele está bem e cheio de energia. "Nunca desista", afirma a mãe.

"Eu rezo para que mais médicos e hospitais vejam histórias como a do meu filho, e reconsiderem suas políticas, dando aos bebês todas as chances que eles merecem", conclui a mãe.