Bebê morre após beber suco com mel

Mel tinha bactéria e causou botulismo infantil na criança de seis meses; alimento não deve ser oferecido no primeiro ano

Um bebê de seis meses morreu após ingerir um suco batido com mel, no Japão. O caso aconteceu em 2017, mas voltou à tona nas redes sociais nas últimas semanas. O pequeno faleceu devido ao botulismo infantil, doença desenvolvida a partir da contaminação com a bactéria Clostridium botulinum, encontrada no mel da casa da família.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Era 16 de fevereiro quando o bebê começou a ter tosse. No dia 20, teve convulsões e falhas respiratórias e só no dia 28 foi diagnosticado com a doença. No dia 30 de março, ele faleceu.

A bactéria Clostridium botulinum foi encontrada tanto no exame de fezes quando no mel que foi oferecido pelos pais do bebê. O mel é um dos alimentos mais perigosos para hospedar esta bactéria se for mal conservado e, por isso, não deve ser oferecido para uma criança com menos de um ano de idade. As informações são do jornal Japan Times

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Botulismo infantil

Este é o tipo mais comum da doença e costuma acometer crianças de aproximadamente dois a seis meses de idade. Aqui, a bactéria causadora do botulismo multiplica-se e libera toxinas dentro do trato gastrointestinal do bebê e pode causar graves complicações à sua saúde.

Se o botulismo infantil está relacionado à ingestão de alimentos contaminados, como o mel, os problemas geralmente começam dentro de 18 a 36 horas após a toxina entrar no corpo do bebê. Os sinais e sintomas incluem:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Alimentos que não devem ser oferecidos até o primeiro ano

O mel não deve ser oferecido aos bebês pelo risco de botulismo. No entanto, há outros alimentos que não devem ser oferecidos aos pequenos até um ano de idade:

Entenda quais os riscos cada um deles oferecem no artigo escrito pela nutricionista Isabel Jereissati