PUBLICIDADE

Aprenda a usar a bombinha de asma em oito passos

Respiração correta e posição do aparelho são essenciais para absorção do medicamento

Quem tem asma muitas vezes precisa enfrentar uma luta diária para evitar a falta de ar e o sofrimento com os chiados no peito. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 235 milhões de pessoas sofrem de asma no mundo, e estima-se que 20% da população brasileira encare a doença. De acordo com o Ministério da Saúde, a asma é responsável por aproximadamente 350.000 internações hospitalares no SUS por ano. Para conviver com as crises sem problemas, é importante que o paciente tome a medicação, geralmente ministrada por meio de inaladores - o mais comum é o nebulímetro, a popular bombinha de asma que tem o formato em "L". "Os broncodilatadores são mais eficazes que medicamentos orais, por exemplo, porque agem diretamente do local afetado pela doença, que são os brônquios", afirma o pneumologista Roberto Rodrigues Junior, do laboratório Exame, em Brasília. Mas mesmo o broncodilatador perde a eficácia se não for usado da maneira correta. No Dia Mundial da Asma (7 de maio), aprenda com os especialistas a usar o nebulímetro para tratar as crises de asma sem sufoco:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A inalação deve ser feita de pé ou sentado

idosa fazendo inalação - Foto: Getty Images
idosa fazendo inalação - Foto: Getty Images

É importante que a pessoa esteja com a cabeça ereta quando for fazer a inalação, do contrário o medicamento pode não chegar aos brônquios. "Ao inalar de pé ou sentado, você garante que a medicação não ficará depositada na boca e garganta, diminuindo sua eficácia", afirma o pneumologista Alberto Cuckier, diretor da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. "Além disso, na posição vertical nós podemos usar mais facilmente o diafragma, para auxiliar a respiração profunda", completa a alergista Marisa Elisa Bertocco Andrade, diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia regional São Paulo.

Agite a medicação

homem segurando um broncodilatador - Foto: Getty Images
homem segurando um broncodilatador - Foto: Getty Images

Os broncodilatadores em forma de spray, conhecidos como as bombinhas de asma, precisam ser agitados antes na inalação. "Isso é necessário para deixar a medicação bem diluída nos gases do aerosol, garantindo que o medicamento fique homogêneo e a dose inalada seja uniforme", explica o pneumologista Roberto Rodrigues Junior, do laboratório Exame. Agite vigorosamente de cinco a oito vezes antes de fazer a inalação.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Posicione a bombinha da maneira correta

homem usando a bombinha de asma - Foto: Getty Images
homem usando a bombinha de asma - Foto: Getty Images

O nebulímetro deve estar sempre posicionado em forma de "L", com o bocal virado para baixo. "Usá-lo de forma inadequada pode fazer com que as partículas se depositem no céu da boca ou garganta", afirma a alergista Marisa. "No caso da asma, é preciso garantir a deposição das partículas do medicamento nos brônquios."

Deixe um espaço entre a boca e a medicação

menina usando a bombinha de asma - Foto: Getty Images
menina usando a bombinha de asma - Foto: Getty Images

De acordo com o pneumologista Alberto, estudos comprovam que aproximar demais o broncodilatador tende a aumentar o número de partículas que ficam impactadas no céu da boca e garganta antes de chegar aos brônquios. "A maior eficácia é conseguida com uma técnica adequada, que inclui posicionar o nebulímetro a uma pequena distância da boca, de aproximadamente dois dedos", afirma o especialista. Para quem tem dificuldades de seguir esse passo, é possível utilizar espaçadores, que tem justamente a função de manter essa distância.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Respire corretamente

mulher respirando fundo - Foto: Getty Images
mulher respirando fundo - Foto: Getty Images

Para que a medicação seja absorvida da forma correta, é importante coordenar sua respiração com a liberação do medicamento. "Solte todo o ar dos pulmões logo antes de fazer a inalação, posicione o nebulímetro, acione o spray e puxe o ar ao mesmo tempo, lentamente", explica a alergista Marisa. Quando terminar de inspirar o ar, conte mentalmente até dez, segurando a respiração. "Isso garante a boa penetração dos medicamentos nos pulmões", diz. A especialista lembra que esse processo deve ser feito sem pressa: "A respiração muito rápida acarreta um fluxo turbulento, fazendo com que as partículas fiquem nas vias aéreas superiores, enquanto a inspiração lenta e uniforme regulariza o fluxo das partículas, aumentando a proporção depositada nas vias aéreas inferiores."

Faça uma inalação por vez

mulher segurando uma bombinha de asma - Foto: Getty Images
mulher segurando uma bombinha de asma - Foto: Getty Images

Caso suas crises sejam muito fortes e você precise fazer mais de uma inalação, nunca libere o medicamento mais de uma vez na mesma respiração. De acordo com os especialistas, fazer isso pode prejudicar a absorção do medicamento e até provocar engasgos. "Entre uma inalação e outra, espere cerca de um minuto", afirma o pneumologista Alberto.

Repita os processos

homem fazendo inalação - Foto: Getty Images
homem fazendo inalação - Foto: Getty Images

Ao fazer uma segunda ou terceira inalação, é importante que você repita todos os processos, desde a agitação do medicamento. Tomando esse cuidado, você evita que a crise volte mais rapidamente. "Após a primeira inalação feita da maneira correta, o pulmão já está aberto e pronto para receber a medicação, tornando as próximas absorções mais eficazes", declara Roberto Rodrigues.

Enxague a boca ou escove os dentes

homem escovando os dentes - Foto: Getty Images
homem escovando os dentes - Foto: Getty Images

É importante lavar a boca ou escovar os dentes após fazer a inalação, principalmente aqueles que utilizam medicação com corticoides. "Isso evita que a medicação seja absorvida pela mucosa da boca, elevando o risco do paciente sofrer as reações adversas descritas em cada medicamento", ressalta a alergista Marisa.